Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2020-02-04T19:30:58-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

A bolsa é nossa

4 de fevereiro de 2020
19:30
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Já vi muita gente defender o nacionalismo em suas diversas versões. Mas jamais presenciei alguém sair às ruas entoando o lema “a bolsa é nossa”. Nem mesmo na região da Avenida Faria Lima, onde se concentra o mercado financeiro aqui em São Paulo.

Ao contrário, quando se fala em bolsa de valores a ótica é curiosamente a do investidor estrangeiro. Faz algum tempo que os analistas de mercado comentam com certa preocupação sobre a saída do capital dos gringos da B3 e quando (e se) eles voltam.

A própria conclusão de que os estrangeiros estão deixando a bolsa é controversa e fica para outra newsletter. O fato incontestável, e que pretendo abordar hoje, é o aumento da participação dos investidores locais. Afinal, para cada vendedor sempre há um comprador.

Com a queda dos juros, uma parcela cada vez maior de brasileiros passou a considerar a bolsa como uma alternativa de investimento. Encerramos o ano passado com quase 1,7 milhão de pessoas físicas no mercado de ações. E, mais importante, quem entrou na bolsa no geral ganhou dinheiro.

Com o avanço tanto em número como em volume de recursos, a participação do capital nacional na bolsa ultrapassou a do estrangeiro pela primeira vez desde 2014 – 52% a 48%.

Se considerarmos que na B3 são negociadas as ações das maiores empresas brasileiras, os nacionalistas têm ainda mais motivos para celebrar. Conheça todos os detalhes sobre o aumento da presença dos investidores locais e o que esperar daqui para frente.

Surfe e tempo firme

A bolsa brasileira aproveitou os ventos positivos do exterior para engatar o segundo dia consecutivo de alta. O surfe na crista da onda foi garantido após sinais positivos do governo da China com relação a medidas de combate ao coronavírus. Mas apesar do clima positivo, o dólar não deu trégua e fechou em leve alta. Saiba tudo o que rolou na B3 hoje com o Victor Aguiar.

Tijolo por tijolo

Em mais um pregão de recuperação na bolsa, as ações das incorporadoras MRV Engenharia e da Tenda ficaram entre os destaques de alta. Os papéis subiram depois que o J.P Morgan elevou a recomendação para as companhias e mostrou otimismo com o setor de construção, um dos que mais sofreu nos anos de crise econômica. Saiba também a perspectiva do banco norte-americano para as demais ações do segmento.

O vírus e o PIB

Ainda não está clara a extensão do impacto do coronavírus, mas o UBS já fez as contas e concluiu: o Brasil vai crescer menos em consequência do surto. Os economistas do banco suíço reduziram as projeções para o PIB do país neste ano de 2,5% para 2,1%. A doença também mexeu nas estimativas do UBS para a taxa de juros.

E por falar em economia…

A indústria também trouxe notícias ruins ao apresentar queda de 1,1% em sua atividade no ano passado. As indústrias extrativas registraram queda de quase 10% na produção. O recuo veio após dois anos seguidos de alta e colocou mais um ponto de interrogação sobre o ritmo de retomada da economia em 2020.

Olhando para fora

Se no Brasil até o passado é incerto, como diria Pedro Malan, faz sentido manter 100% do seu patrimônio aqui? A resposta é não, de acordo com o Matheus Spiess, o mais novo colunista do Seu Dinheiro. Com a promessa de compartilhar as mais inovadoras ideias sobre investimentos, ele explica hoje os motivos pelos quais você sempre deve considerar ter uma parte do seu patrimônio no exterior.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Seu Dinheiro na sua noite

O pior pregão desde o ‘Joesley Day’

Se o ano no Brasil só começa mesmo depois do Carnaval, 2020 resolveu chegar logo com uma voadora no peito dos brasileiros. Enquanto nós descansávamos ou curtíamos a folia, os mercados no exterior amargavam fortes perdas diante do agravamento da disseminação do coronavírus fora da China, notadamente na Itália. Pois bem, após a batucada pela […]

Gigante de tecnologia

Microsoft revê projeção trimestral e cita impactos do coronavírus

Empresa de tecnologia vive uma demora maior do que a esperada para a volta ao normal das operações em suas cadeias de suprimento

Caos na bolsa

Pressionado pelo coronavírus, Ibovespa cai 7% e tem o pior pregão desde o Joesley Day

O Ibovespa perdeu quase oito mil pontos nesta quarta-feira, impactado por um forte movimento de correção por causa da disparada de casos do coronavírus fora da China — todas as ações do índice fecharam em queda. Já o dólar à vista subiu a R$ 4,44, cravando mais um recorde nominal de encerramento

Mais uma polêmica

Vídeo de Eduardo Bolsonaro defendendo Orçamento impositivo circula pelo WhasApp

Vídeo mostra a fala do parlamentar no plenário da Câmara, no dia 26 de março do ano passado

Surto mundial

Por coronavírus, Costa Cruzeiros amplia medida de segurança em seus navios; Nestlé aconselha funcionários a não viajarem

Entre as providências está a proibição da entrada de pessoas que tenham viajado para países e regiões afetadas pela doença

FORA DO AR

Investidores da XP relatam problemas para acessar home broker nesta quarta-feira

Ao ser procurada, a assessoria de imprensa informou que “a plataforma apresentou lentidão para alguns clientes no início da tarde desta quarta-feira”

Medida do BC

Moody’s: diminuição de compulsório para depósitos a prazo é positiva

Para a agência, os gigantes do mercado são os mais beneficiados, por deterem 72% de todos os depósitos a prazo no Brasil

CDS no radar

Risco-país do Brasil tem novo dia de alta e vai a 106 pontos

Desde o começo de fevereiro o CDS vinha sendo negociado abaixo dos 100 pontos

CRIPTOMOEDAS

Criptomoedas ainda mantêm um papel limitado como forma de proteção, para analistas do JPMorgan

Apesar da baixa correlação das criptomoedas com ativos tradicionais, analistas do banco acreditam que elas ainda não podem servir como hedge da carteira

Gastos no exterior

Compras com cartão no exterior serão cobradas conforme a taxa de câmbio do dia

Opção estará disponível a consumidores a partir de 1º de março e já estava autorizada pelo BC desde 2016; atualmente, valor a ser pago na fatura é definido dez dias antes do fechamento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu