Menu
Julia Wiltgen
O melhor do Seu Dinheiro
Julia Wiltgen
Dados da Bolsa por TradingView
2020-10-21T19:22:55-03:00
SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

2020 é o novo ‘ano dos IPOs’?

21 de outubro de 2020
19:22
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Se um viajante do tempo contasse à Julia de março ou abril que, bem antes do fim do ano, as bolsas americanas já teriam se recuperado e ultrapassado os patamares anteriores à crise, o Ibovespa já teria retornado ao patamar dos 100 mil pontos e que 2020 seria um grande ano de aberturas de capital na bolsa brasileira, a Julia do passado certamente teria duvidado.

Mas em pleno ano da pandemia do coronavírus, e ainda sem uma vacina pronta e aprovada, aqui estamos: 18 IPOs concluídos e mais de 40 na fila, o que transformou 2020 no ano com mais estreias de empresas na bolsa desde 2007, quando 64 companhias abriram o capital.

Recentemente, algumas empresas andaram interrompendo os seus processos de IPO, dada a piora percebida no mercado. Porém, as novas candidatas não param de chegar.

Apenas hoje, noticiamos no Seu Dinheiro que mais duas empresas protocolaram pedidos de IPO junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM): a varejista de móveis Tok & Stok e o grupo Fartura, dono da rede de hortifrútis Oba.

É bacana ver empresas de outros segmentos indo à bolsa. Não só o nosso mercado está ficando carente de papéis para comprar - à medida que mais e mais pessoas começam a investir em ações, diretamente ou via fundos - como também a nossa B3 é muito concentrada em alguns setores, como commodities e instituições financeiras.

Neste ano tivemos até mesmo a estreia bem-sucedida de uma rede de pet shops, a Petz, e há até um brechó on-line na fila, o Enjoei.

Mas se, por um lado, a onda de IPOs é positiva e necessária, por outro, o investimento em empresas estreantes costuma ser arriscado, já que a novata tem menos dados disponíveis do que companhias abertas há mais tempo. Se estamos falando de uma empresa sem concorrentes abertas, então, pior ainda, pois não tem com quem comparar.

A nossa história recente mostrou muitos casos de IPOs bem-sucedidos de empresas com desempenho posterior brilhante, mas também muitos fiascos, e investidores que compraram gato por lebre.

O tema da coluna do Felipe Miranda hoje girou justamente em torno dessa questão: nesse afã de empresas querendo aproveitar o bom momento do mercado para buscar sócios e investidores ávidos por novidades, será que vamos voltar a comprar discursos bonitos, mas que não se concretizam? Recomendo muito a leitura!

MERCADOS

 A quarta-feira foi de zero a zero - tanto na bolsa quanto no câmbio. O Ibovespa não conseguiu manter o patamar dos 101 mil pontos atingido pela manhã e terminou o dia perto da estabilidade, aos 100.552,44 pontos. O dólar também mal saiu do lugar. Mas o noticiário do dia foi cheio. Confira todos os lances do pregão na matéria do Felipe Saturnino.

 A Cielo não tem tido vida fácil. Com a previsão de resultados fracos no terceiro trimestre, o Goldman Sachs reduziu o preço-alvo para as ações da empresa de maquininhas de cartão. Confira o novo valor e a recomendação para os papéis nesta matéria

 A partir de amanhã, todos os brasileiros poderão investir em empresas estrangeiras, via BDRs. E boa parte dos investidores estão dispostos a embarcar nessa, segundo uma nova pesquisa da XP Inc.

EMPRESAS

 Reviravolta no mercado! Depois de ter firmado acordo com a Ser Educacional para a venda dos seus ativos, a Laureate acabou optando pela oferta da Ânima, considerada mais atrativa. Mas a Ser não se deu por vencida. Confira os detalhes da “novela”.

 Outra que não está se mostrando disposta a desistir da sua tentativa de aquisição é a Totvs, que prorrogou até 31 de dezembro a sua proposta para comprar a Linx. Entenda todo o caso na matéria.

 Para manter o tema desta newsletter, outro IPO que o mercado pode aguardar, provavelmente não para este ano, é o da unidade digital da Caixa. Pelo menos foi o que disse o ministro da Economia, Paulo Guedes.

ECONOMIA

 Com Huawei ou sem Huawei? A pressão americana sobre a decisão da participação da gigante chinesa no leilão de frequências 5G no Brasil pode ficar para o ano que vem, segundo o embaixador brasileiro em Washington.

 Com a proximidade do fim do ano, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, pediu para que governo e lideranças fechem com urgência um cronograma para a votação de medidas que podem garantir a tranquilidade fiscal nos próximos anos.

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

RadioCash

Para Gustavo Loyola, ex-presidente do Banco Central, crescimento do PIB em 2022 será praticamente zero

Em entrevista ao podcast RadioCash, o economista deu sua opinião sobre a atual política monetária do BC, a situação do câmbio e afirmou que o cenário está difícil para reformas

MERCADOS HOJE

Ibovespa e bolsas globais colocam problemas com Evergrande de lado e buscam recuperação após tombo da véspera; dólar recua

A incerteza em torno dos problemas financeiros da gigante chinesa Evergrande persistem, mas as bolsas globais buscam recuperação após as perdas da véspera. Ibovespa monitora discurso de Bolsonaro na ONU

cautela nas alturas

O que mexe com o bitcoin (BTC) hoje: cautela antes da fala de presidente da CVM americana e Evergrande pressionam mercado de criptomoedas

Além disso, a cautela pré-Fed também deve limitar os ganhos. Enquanto isso, El Salvador segue comprando BTC e já acumula US$ 30 bi em criptomoedas

Acompanhe ao vivo

Moderado ou radical? Acompanhe o discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da 76ª Assembleia-Geral da ONU

Por tradição, discurso inaugural dos ‘debates’ cabe ao representante brasileiro

Novidade nos ares

Gol (GOLL4) assina acordo com Avolon para aquisição de 250 aeronaves eVTOL; previsão de início de operação é em 2025

Documento aponta que o contrato esta em linha com a estratégia da companhia em abrir rotas para mercados domésticos pouco atendidos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies