Menu
2020-04-30T08:46:08-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
esquenta dos mercados

Economia deteriorada na Europa mina otimismo com tratamento para covid-19 e alta do petróleo

PIB europeu tirou força das negociações na Europa e no mercado futuro em Nova York, com a França entrando oficialmente em recessão. No Brasil, Brasília e balanços corporativos seguem em destaque

30 de abril de 2020
8:20 - atualizado às 8:46
ibovespa bolsas alta queda
Imagem: Shutterstock

Números ruins do PIB europeu tiraram força do pregão na Europa e da negociação dos índices futuros em Nova York. Mostrando os impactos do coronavírus no continente, a França entrou oficialmente em recessão. A notícia espanta o otimismo gerado com o aparentemente avanço das pesquisas com o antiviral Remdesivir para o coronavírus.

No Brasil, é véspera de feriado, e o cenário político conturbado segue em destaque. Atenção especial para o desenrolar da suspensão da nomeação Alexandre Ramagem para a Polícia Federal.

Olho em Brasília

Ontem, a notícia de que o ministro Alexandre de Moraes, do STF, suspendeu a nomeação de Alexandre Ramagem para o comando da Polícia Federal, trouxe mais instabilidade à cena política. Ao afirmar que a AGU iria recorrer da decisão, Bolsonaro afirmou que quem manda é ele.

Aplicando certo alívio ao cenário, depois das muitas incertezas em torno do papel do ministro da Economia no governo, Paulo Guedes apareceu ao lado do general Braga Netto, tentando desfazer qualquer mal-estar que tenha ficado após a apresentação do programa Pró-Brasil.

O balanço da Vale, a alta do petróleo e a decisão do Federal Reserve também serviram para dar força ao Ibovespa, que fechou o dia com alta de 2,29%, aos 83.170,80 pontos. Boas notícias também no câmbio. O dólar caiu 2,9%, a R$ 5,3552. A última taxa Ptax de abril deve adicionar alguma pressão no dólar.

O EWZ, principal ETF brasileiro negociado em Nova York, tem alta de quase 2% no pré-mercado.

Boletim médico

O Brasil confirmou 449 novas mortes nas últimas 24 horas, segundo o Ministério da Saúde. Ao todo, são 5.466 óbitos no país.

O ministro Nelson Teich admitiu que o isolamento social é a orientação oficial e que não sabe quando o pico da doença será atingido.

Tudo azul

A decisão do Federal Reserve, banco central americano, de manter a sua política monetária atual repercutiu positivamente nos negócios. Atualmente o juro está na faixa de 0% a 0,25%.

A instituição garantiu que continuará com os seus programas de estímulos, visando ajudar a economia americana neste momento de crise. Powell, presidente do Fed, disse que irá manter o juro no nível atual até ter confiança de que o país se recuperou da crise causada pela covid-19.

Os mercados internacionais também voltam a renovar suas esperanças com um possível tratamento para o novo coronavírus.

A empresa americana Gilead Sciences anunciou novos avanços nas pesquisas com o antiviral Remdesivir, injetando ânimo nos negócios.

Na Ásia, os investidores ignoraram até mesmo os dados fracos do índice de gerente de compras chinês e as bolsas fecharam em alta. A indústria chinesa recuou de 52 em março para 50,8 em abril. O PMI medido pela IHS Markit e Caixin Media caiu de 50,1 para 49,4, próximo da barreira que separa a contração da expansão de atividade.

Em fevereiro, a atividade manufatureira chinesa chegou a 35,7, na mínima histórica.

Em queda

Enquanto na Ásia o otimismo prevaleceu, na Europa o dia até começou com os negócios no campo positivo, mas as preocupações econômicas no continente se sobrepuseram ao alívio.

O Produto Interno Bruto da zona do euro recuou 3,8% no primeiro trimestre do ano. Essa é a maior contração da série histórica iniciada em 1995. Ainda assim, os resultados vieram em linha com as expectativas dos analistas.

Também pela manhã, a França apresentou um recuo de 5,8% do PIB no primeiro trimestre - uma queda histórica e muito pior do que o projetado pelos analistas. O país entrou oficialmente em recessão.

Agora, os investidores seguem aguardando os balanços corporativos, que mostram a deterioração de muitas empresas frente ao coronavírus, e a decisão de política monetária do Banco Central Europeu.

Os dados fracos da atividade econômica europeia também mina os índices futuros em Nova York, que operam sem direção única.

Engatando a subida

O petróleo aparentemente tem mais um dia de recuperação pela frente. A comoddity continua refletindo o aumento menor do que o esperado nos níveis de estoques dos Estados Unidos, segundo o Departamento de Energia (DoE).

Por volta das 7h30h, o petróleo WTI para junho subia 17,46%, a US$ 17,69 o barril. Já o Brent para julho avançava 12%, a US$ 17,69 o barril.

O Brent para junho tem vencimento hoje.

Os ADRs da Petrobras, negociados na Nyse, têm alta de quase 3% no pré-mercado.

Agenda

No Brasil, indicadores devem continuar dando as indicações do estrago causado pela covid-19 na economia.
A taxa de desemprego da Pnad contínua será divulgada às 9h. O resultado consolidado do setor público sai às 14h.

O secretário de Desestatização, Sallim Mattar, participará de live produziada pelo Credit Suisse.

No exterior, além do PIB do primeiro trimestre da zona do euro, os investidores também ficam de olho na decisão de juros do Banco Central Europeu (8h45).

Nos Estados Unidos, quinta-feira é dia de conhecer o número dos pedidos de auxílio-desemprego no país. Além disso, temos também o índice de atividade industrial (10h45).

Balanços

A divulgação de balanços corporativos do dia começa com o Bradesco, que apresentou os seus resultados agora pela manhã. O bancão registrou uma queda de mais de 39% no lucro do primeiro trimestre. A queda deve afetar as ações dos bancos.

Confira alguns dos últimos resultados divulgados:

  • A administradora de shoppings, Multiplan, teve um lucro de R$ 177,7 milhões no primeiro trimestre, 93,3% maior do que o mesmo período do ano passado. A receita líquida avançou 6%, a R$ 320,7 milhões.
  • Odontoprev teve lucro líquido de R$ 75,222 milhões no primeiro trimestre, uma queda de 22,8%. O Ebitda foi de R$ 112,249 milhões, recuo de 7,6%. A receita teve um avanço de 3,5%, a R$ 455,062 milhões.

Lá fora o dia reserva os números das gigantes de tecnologia Apple e Amazon. McDonald's, ConocoPhilips, Lloyds e Lufthansa fecham a lista.

Fique de olho

  • Guararapes irá realizar pagamento de juros sobre capital próprio no valor de R$ 0,1182 por ação ordinária.
  • Lojas Renner aprovou emissão de debêntures no valor de R$ 500 milhões. Objetivo é manter capital de giro e caixa mínimo.
  • A Vale quer dobrar a remuneração de sua diretoria e atrelar 20% da remuneração variável de executivos em metas de saúde, segurança e sustentabilidade. A remuneração da diretoria havia sido cortada pela metade após a tragédia de Brumadinho.
  • Energisa anunciou que não realizará o pagamento de dividendos. Objetivo é preservar o caixa e concluir investimentos.
  • Eletrobras anunciou que irá divulgar o seu balanço no dia 19 de maio. Inicialmente a divulgação estava marcada para o dia 11.
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Dados atualizados

Mortes por coronavírus no Brasil vão a 34.973; infectados são 643.766

Na quinta-feira, havia 34.021 mortes registradas, segundo o Ministério da Saúde. O balanço diário totalizava 614.941 infectados

Números da pandemia

‘Acabou matéria no Jornal Nacional’, diz Bolsonaro sobre atraso em dados do coronavírus

Questionado sobre o terceiro dia com atraso seguido na divulgação de mortos e infectados pela covid-19 pelo Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta sexta-feira, 5, que “acabou matéria no Jornal Nacional”, telejornal da TV Globo

seu dinheiro na sua noite

A crise do coronavírus vai ser uma marolinha?

Em 2008, ao ser questionado sobre a crise financeira, o ex-presidente Lula disse que o tsunami sobre a economia global chegaria ao Brasil como uma “marolinha”. O resultado você e eu conhecemos. Pois bem, com a rápida recuperação dos mercados nas últimas semanas já vejo muita gente resgatar a tese da marolinha. Na nova versão, […]

Marcelo Guaranys

Ninguém voltará para fila do Bolsa Família após fim do auxílio emergencial, diz secretário

Depois de o governo transferir quase R$ 84 milhões do Bolsa Família para publicidade institucional, secretários do Ministério da Economia disseram que o programa está com a fila zerada

Isso é que é alívio

Dólar despenca 6,52% na semana e fica abaixo de R$ 5,00; Ibovespa dispara mais de 8%

O dólar à vista terminou a semana a R$ 4,99, indo ao menor nível desde 26 de março, enquanto o Ibovespa cravou a sexta alta seguida e voltou ao patamar de 94 mil pontos. Entenda o que motivou toda essa onda de otimismo nos mercados

Secretário especial da fazenda

Bolsa Família não foi prejudicado com transferência de recurso à Secom, diz Waldery

Ele lembrou que o governo decidiu prorrogar o auxílio emergencial por duas parcelas “em princípio” e que, depois da medida provisória que previa o pagamento permanente do 13º para o Bolsa Família caducar, o governo analisará o espaço orçamentário para esse medida neste ano

Efeito coronavírus

Varejo de SP tem perdas de R$ 16 bilhões durante quarentena, diz Fecomercio

O cálculo é da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), levando em consideração 72 dias de quarentena até ontem

Menos frequência, mais gasto

Redes de supermercados e atacarejos faturam 12,5% a mais em maio

Os dados são de um levantamento da GS Ciência do Consumo, empresa de inteligência analítica e soluções de tecnologia para indústria e varejo

YDUQ3 salta 10% na bolsa

BTG mantém-se neutro sobre Yduqs, mas vê ‘gatilho valioso’ após aquisição de R$ 120 milhões

Yduqs salta mais de 10% no Ibovespa; para BTG, o fraco ímpeto de lucros da companhia e a falta de catalisadores ainda justificam a cautela na recomendação

Dono da Warner Music

Len Blavatnik: o bilionário que apostou na indústria fonográfica e se tornou um dos homens mais ricos do mundo

Com o bem-sucedido IPO da Warner Music, na Nasdaq, Blavatnik, que apostou na empresa quando a indústria fonográfica desmoronava, saltou quase 20 posições na lista dos mais ricos do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements