Menu
2020-11-19T10:02:27-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
esquenta dos mercados

Luta contra o coronavírus se prolonga e nem a expectativa por uma vacina dá fôlego aos negócios

Novas medidas de isolamento social são intensificadas em todo o mundo, aumentando a preocupação com a reação da economia

19 de novembro de 2020
8:19 - atualizado às 10:02
coronavírus vacina vitória luta
Imagem: Shutterstock

Se precisasse escolher apenas três temas para definir o ano de 2020 até aqui, diria que coronavírus, vacinas e estímulos são os campeões. Com maior ou menor intensidade, esses são os temas que mais mexem com o mercado. E hoje não é diferente.

Os negócios começam o dia com um viés negativo, de olho no avanço do coronavírus nos Estados Unidos e Europa, o que obriga os governos a adotarem medidas mais rígidas de isolamento, com as notícias sobre o avanço de vacinas e a possibilidade de novos estímulos monetários tendo uma influência positiva contida.

No Brasil, a agenda traz dados do monitor do PIB, da FGV, e dados da indústria de outubro.

Cedendo à pressão

O Ibovespa chegou a flertar com o campo positivo durante o pregão de ontem, mas acabou cedendo à pressão e terminou o dia com queda de 1,05%, aos 106.119,06. Além de refletir a cautela do exterior, os investidores aproveitaram também para realizar parte dos lucros recentes, após três dias de alta expressiva.

O dólar também foi pressionado na sessão de ontem, terminando o dia em leve alta de 0,13%, a R$ 5,3376.

Enroscado

A agenda de reformas, tão cara para o mercado financeiro, segue enroscada em Brasília. O ministro Paulo Guedes voltou a tocar no assunto e pediu para que as lideranças políticas avancem com a pauta das privatizações.

No front da reforma tributária, o autor da PEC 45, deputado Baleia Rossi, disse que o tema pode ser votado na primeira quinzena de dezembro. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, se mostrou otimista com o tema, ao dizer que a pauta está conseguindo reunir apoio político.

O tema das reformas ganha ainda mais relevância após um alerta feito pela agência de riscos Fitch. A instituição informou que a não aprovação de reformas fiscais em 2021 pode pressionar negativamente o rating de investimento brasileiro.

Temor justificado

O coronavírus segue fazendo estragos pelo mundo, ainda que as notícias sobre vacinas sejam cada vez mais animadoras. Embora esse tenha sido um tema capaz de provocar certa euforia nos merados, essa seria uma solução de longo prazo. No momento, os investidores preferem focar no crescimento da segunda onda, que volta a fechar escolas, comércios e restaurantes pelo mundo e que deve ter reflexos negativos na economia.

Ontem, a cidade de Nova York decidiu fechar as escolas por causa do aumento do número de casos. Os investidores reagem de forma negativa, já que outras atividades também podem ser afetadas nas próximas semanas. Nos Estados Unidos, os números de mortos pela doença ultrapassou a marca dos 250 mil e 160 mil novos casos diários foram registrados.

A fala da presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, hoje mais cedo, confirma a projeção negativa do mercado. Lagarde afirmou que as notícias sobre vacinas são encorajadoras, mas o aumento do número de casos representa desafios.

O cenário negativo mina o otimismo dos investidores. Na Ásia, durante a madrugada, a maioria das bolsas fecharam em queda.

O movimento é semelhante na Europa, com as principais praças do continente operando em queda de quase 1%. Os índices futuros em Nova York também apresentam queda moderada.

Agenda

Os investidores monitoram o desempenho do Produto Interno Bruto em setembro, com dados do monitor do PIB, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV) (10h15). Dados da indústria também devem movimentar os negócios (10h30).

No exterior, os olhos estão voltados para a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, que discursa no Parlamento Europeu e no Fórum Global das Mulheres (12h15). Quinta-feira é sempre sinônimo de pedidos de auxílio desemprego na última semana nos Estados Unidos.

Fique de olho

  • A brMalls aprovou debêntures de R$ 500 milhões para reforçar o seu capital
  • O conselho da Movida aprovou emissão de R$ 200 ilhões em debêntures
  • A rede D'Or, que planeja abrir capital em breve na B3, anunciou a compra do Hospital América, em Mauá
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Revolucionário

Elon Musk afirma que seu caminhão Tesla pode andar 1.000 km por carga

Na conferência, Musk afirmou: “Achamos que isso será extremamente competitivo e atraente para as empresas de transporte rodoviário”.

polêmica

Vacina da AstraZeneca e da Universidade de Oxford contra covid-19 sofre críticas

Cientistas questionam métodos da pesquisa após empresa admitir que meia dose foi erro de fabricação

Crise no mundo encantado

Disney anuncia 32 mil cortes de empregos, principalmente em parques temáticos

A pandemia forçou os parques temáticos da Disney a permanecer fechados ou operar com capacidade reduzida durante boa parte deste ano, e as operações de seus navios de cruzeiro estão suspensas

Tema do momento

Acionista do Carrefour, Abilio Diniz quer que a empresa se torne referência na luta contra o racismo

No evento online, o empresário também falou sobre o futuro do varejo e suas visões positivas para a economia brasileira

BOAS NOTÍCIAS

País tem saldo positivo recorde de vagas formais em outubro

Mercado de trabalho registra a abertura de 394.989 vagas em outubro, de acordo com Caged, superando projeções

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies