2020-01-13T17:40:10-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
MAIS UMA PARCERIA

Linx anuncia parceria com startup colombiana Rappi

Vendedores da Rappi que forem clientes da Linx poderão contar com seu sistema de entrega ao venderem pela startup colombiana

13 de janeiro de 2020
10:36 - atualizado às 17:40
Imagem: Divulgação YouTube

A empresa do setor de tecnologia e informação Linx (LINX3) anunciou hoje (13) uma parceria com a empresa colombiana Rappi, que vai integrar a plataforma omnichannel da Linx ao marketplace criado pela startup de entregas.

A parceria vai expandir a oferta de produtos da Rappi. A Linx explicou que, agora, quando um cliente comprar um produto de um vendedor na plataforma da startup colombiana, ele poderá contar com o seu já conhecido sistema de entrega.

Para ter acesso a essa funcionalidade, o vendedor da Rappi precisa ser usuário do Linx OMNI OMS (Order Management System, na sigla em inglês).

Hoje, empresas como Nike, Centauro, O Boticário, Drogaria São Paulo, Hering, Alpargatas, Vivara, Lojas Marisa, Tok&Stok, RiHappy, Inbrands e Restoque já estão entre os usuários que podem utilizar essa solução. 

Mais uma parceria

Esse é apenas mais um dos acordos fechados recentemente pela Linx. Na última quinta-feira (10), a companhia anunciou uma parceria com o PicPay, carteira digital que pertence à família Batista, dona da JBS.

Segundo a Linx, o objetivo é fazer uma integração melhor com o QR Linx, que funciona como um hub de carteiras digitais que busca centralizar todas as plataformas de meios de pagamento em uma única ferramenta.

Dessa forma, o varejista tem acesso à conciliação integrada e aos processos financeiros em apenas uma interface sem precisar de um QR Code.

A Linx também fechou parcerias recentemente com Mercado Pago, AME (fintech e plataforma de negócios mobile de Lojas Americanas e B2W) e Elo.

Os acordos têm como foco aumentar o mercado-alvo da Linx Pay Hub e da Linx Pay, especificamente, que é focada em fazer a captação, gerenciamento e liquidação de transações, além de emissão de cupons fiscais por meio de maquininhas de companhias parceiras.

Olho nas ações

Nos últimos 12 meses, as ações da Linx apresentaram valorização de 16,32%. Já em janeiro, os papéis da companhia têm desempenho negativo de 2,60%.

De acordo com as recomendações de analistas compiladas pelo serviço da Bloomberg, a companhia apresenta oito recomendações de compra, três de manutenção e uma de venda.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

NOVOS NEGÓCIOS

Google está de olho nas criptomoedas e vai criar unidade de negócio dedicada ao blockchain; entenda o que está por trás da decisão

Antes de se aventurar, gigante de tecnologia assistiu com cautela as movimentações das concorrentes para entrar no mercado de criptomoedas

MELHORA ARTIFICIAL

Pedidos de recuperação judicial caem em 2021 ao menor nível desde 2014

Para os especialistas os números do ano passado não representam uma recuperação econômica, mas uma melhora artificial no ambiente de negócios promovida por políticas públicas pontuais

APOSTA NA SIDERURGIA

A vez da Usiminas: BTG estima alta de mais de 55% para USIM5 nos próximos meses; saiba o que pode impulsionar as ações

Segundo os analistas, a empresa negocia nos múltiplos mais baixos da década e deve surfar na recuperação dos preços do aço

pessimismo nos mercados

Por que a ameaça de conflito entre Rússia e Ucrânia derruba as bolsas mundo afora?

Escalada de tensões entre os dois países levou EUA e Reino Unido a retirarem funcionários de embaixadas na Ucrânia; veja como uma eventual invasão russa ao país pode afetar os mercados