Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-12-02T11:40:45-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Oferta de ações

IPO da XP Investimentos pode movimentar até US$ 2,1 bilhões na Nasdaq

Confira os detalhes do IPO que pode fazer com que a XP seja avaliada em até US$ 13,8 bilhões (R$ 58 bilhões). Preço por ação deve ser definido em 10 de dezembro

2 de dezembro de 2019
11:13 - atualizado às 11:40
Escritório da XP Investimentos
Escritório da XP Investimentos - Imagem: Divulgação/Facebook

A oferta de ações da XP Investimentos na bolsa norte-americana Nasdaq pode movimentar até US$ 2,1 bilhões (R$ 8,9 bilhões, no câmbio de hoje), o que pode levar a empresa brasileira a ser avaliada em até US$ 13,8 bilhões (R$ 58 bilhões).

Os valores consideram que a XP conseguirá vender suas ações no preço máximo da faixa estipulada, que varia entre US$ 22 e US$ 25 por cada papel. A definição do preço está prevista para o dia 10 de dezembro. O código de negociação da empresa na Nasdaq será simplesmente "XP".

Assim como ocorreu com outras empresas que abriram capital nas bolsas americanas, a XP terá dois tipos de ação. Os papéis classe A, que serão negociados na Nasdaq, darão direito a um voto cada, enquanto que os da classe B, que ficarão de posse dos atuais controladores, terão dez votos cada.

A oferta deve envolver inicialmente a emissão de 42.553.192 novas ações classe A em uma oferta primária, que pode reforçar o caixa da XP em US$ 1,064 bilhão caso os papéis saiam no teto da faixa indicativa no IPO.

A operação envolve ainda a venda de 29.957.449 papéis que pertencem aos atuais acionistas, que podem embolsar até US$ 749 milhões.  Caso vendam também o lote adicional de 10.876.596 ações, os atuais sócios da XP podem levar para casa até US$ 1,021 bilhão no IPO.

A XP Controle – holding dos principais sócios da corretora – aparece como a principal vendedora na operação. A empresa, que tem como principais sócios Guilherme Benchimol, Bernardo Amaral Botelho, Carlos Alberto Ferreira Filho, Gabriel Leal, Fabrício Almeida, Bruno Constantino Alexandre dos Santos e Guilherme Sant’Anna Monteiro da Silva, pode embolsar até US$ 642 milhões com a venda de parte de suas ações.

Mesmo com a venda, a XP Controle continuará dando as cartas na empresa, com 54,79% do capital votante.

A gestora General Atlantic, que comprou uma participação na corretora em 2013, também vai aproveitar a abertura de capital para vender até US$ 328 milhões em ações. A Dynamo deve embolsar outros US$ 50,6 milhões – sempre levando em conta o preço máximo por ação.

O Itaú Unibanco, que pagou R$ 6,3 bilhões por uma participação de 49,9% no capital da XP em 2017, não pretende vender ações no IPO e passará a deter 32,49% do capital votante da empresa após o IPO – considerando a venda de todos os lotes de ações.

Âncora

A oferta de ações já conta com um investidor-âncora. A firma americana Durable Capital Partners informou que pretende comprar até 7.251.064 ações classe A no IPO, o equivalente a 10% do total da operação, sem considerar o lote extra.

Pelas contas que já começaram a circular no mercado, a XP deve estrear na bolsa valendo 29 vezes o lucro projetado para 2020. Está longe de ser uma barganha, mas com a perspectiva de crescimento da companhia e do mercado, a expectativa é que a procura pelas ações seja grande. De janeiro a setembro, a corretora registrou lucro líquido de R$ 699 milhões, praticamente o dobro do mesmo período do ano passado.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies