Menu
2019-12-02T11:40:45-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Oferta de ações

IPO da XP Investimentos pode movimentar até US$ 2,1 bilhões na Nasdaq

Confira os detalhes do IPO que pode fazer com que a XP seja avaliada em até US$ 13,8 bilhões (R$ 58 bilhões). Preço por ação deve ser definido em 10 de dezembro

2 de dezembro de 2019
11:13 - atualizado às 11:40
Escritório da XP Investimentos
Escritório da XP Investimentos - Imagem: Divulgação/Facebook

A oferta de ações da XP Investimentos na bolsa norte-americana Nasdaq pode movimentar até US$ 2,1 bilhões (R$ 8,9 bilhões, no câmbio de hoje), o que pode levar a empresa brasileira a ser avaliada em até US$ 13,8 bilhões (R$ 58 bilhões).

Os valores consideram que a XP conseguirá vender suas ações no preço máximo da faixa estipulada, que varia entre US$ 22 e US$ 25 por cada papel. A definição do preço está prevista para o dia 10 de dezembro. O código de negociação da empresa na Nasdaq será simplesmente "XP".

Assim como ocorreu com outras empresas que abriram capital nas bolsas americanas, a XP terá dois tipos de ação. Os papéis classe A, que serão negociados na Nasdaq, darão direito a um voto cada, enquanto que os da classe B, que ficarão de posse dos atuais controladores, terão dez votos cada.

A oferta deve envolver inicialmente a emissão de 42.553.192 novas ações classe A em uma oferta primária, que pode reforçar o caixa da XP em US$ 1,064 bilhão caso os papéis saiam no teto da faixa indicativa no IPO.

A operação envolve ainda a venda de 29.957.449 papéis que pertencem aos atuais acionistas, que podem embolsar até US$ 749 milhões.  Caso vendam também o lote adicional de 10.876.596 ações, os atuais sócios da XP podem levar para casa até US$ 1,021 bilhão no IPO.

A XP Controle – holding dos principais sócios da corretora – aparece como a principal vendedora na operação. A empresa, que tem como principais sócios Guilherme Benchimol, Bernardo Amaral Botelho, Carlos Alberto Ferreira Filho, Gabriel Leal, Fabrício Almeida, Bruno Constantino Alexandre dos Santos e Guilherme Sant’Anna Monteiro da Silva, pode embolsar até US$ 642 milhões com a venda de parte de suas ações.

Mesmo com a venda, a XP Controle continuará dando as cartas na empresa, com 54,79% do capital votante.

A gestora General Atlantic, que comprou uma participação na corretora em 2013, também vai aproveitar a abertura de capital para vender até US$ 328 milhões em ações. A Dynamo deve embolsar outros US$ 50,6 milhões – sempre levando em conta o preço máximo por ação.

O Itaú Unibanco, que pagou R$ 6,3 bilhões por uma participação de 49,9% no capital da XP em 2017, não pretende vender ações no IPO e passará a deter 32,49% do capital votante da empresa após o IPO – considerando a venda de todos os lotes de ações.

Âncora

A oferta de ações já conta com um investidor-âncora. A firma americana Durable Capital Partners informou que pretende comprar até 7.251.064 ações classe A no IPO, o equivalente a 10% do total da operação, sem considerar o lote extra.

Pelas contas que já começaram a circular no mercado, a XP deve estrear na bolsa valendo 29 vezes o lucro projetado para 2020. Está longe de ser uma barganha, mas com a perspectiva de crescimento da companhia e do mercado, a expectativa é que a procura pelas ações seja grande. De janeiro a setembro, a corretora registrou lucro líquido de R$ 699 milhões, praticamente o dobro do mesmo período do ano passado.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

o melhor do seu dinheiro

Efeito Lula livre na bolsa – 2022 já começou?

No Brasil morre-se de tudo – inclusive morre-se muito de covid -, mas não se morre de tédio. Os mercados locais começaram o dia castigados pelos temores dos investidores em relação ao avanço da pandemia no país, hoje no seu pior momento. Como se todas as incertezas em relação ao combate ao coronavírus por aqui […]

balanço 4º tri

Magazine Luiza vê lucro ir a R$ 219 milhões no 4º tri e supera expectativas do mercado

A varejista Magazine Luiza encerrou o quarto trimestre de 2020 superando as expectativas do mercado. A companhia divulgou na noite desta segunda-feira (08) o seu resultado trimestral, com umacom alta de 30,6% no lucro líquido, para R$ 219,5 milhões. No acumulado do ano passado, o resultado encolheu 57,5%, para R$ 391,7 milhões. No critério “ajustado”, […]

Desidratação à vista?

Bolsonaro: Lira e relator vão discutir PEC Emergencial, podem criar PEC paralela

Na entrevista, Bolsonaro afirmou que a PEC deve ser votada pela Câmara na quarta-feira, 10. De acordo com ele, ao votar a medida, os deputados federais darão o sinal verde para retomada do auxílio emergencial em cinco dias

Fechamento do dia

São tantas emoções! ‘Efeito Lula’ aprofunda incertezas locais e faz Ibovespa cair 4%; dólar fecha a R$ 5,77

Mercado doméstico já operava em queda firme antes da decisão do ministro Fachin; aumento das incertezas pesou sobre bolsa, dólar e juros

REVIRAVOLTA

Ibovespa recua 3% e dólar vai a R$ 5,78 após STF anular condenações de Lula na Lava Jato

Diante de um cenário já negativo, a decisão aumenta o nível de incertezas domésticas, segundo analistas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies