Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-12-05T16:31:27-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Oferta da XP

CVM diz que fundo brasileiro pode captar recursos para investir em IPO nos EUA

5 de dezembro de 2019
16:31
Escritório da XP Investimentos
Escritório da XP Investimentos - Imagem: Divulgação/Facebook

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) informou hoje que fundos de investimento podem captar recursos de investidores brasileiros para investir em ofertas de ações fora do país. "Em tese, não há restrição para que um ‘fundo brasileiro capte recursos de investidores brasileiros para investir em ofertas públicas no exterior’", disse a CVM, em nota.

Eu pedi um posicionamento da autarquia responsável pela regulação do mercado de capitais brasileiro depois da decisão da XP Investimentos de barrar a participação de fundos que foram criados para entrar na oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da empresa.

A XP atribuiu a decisão a um receio sobre o entendimento da CVM. A abertura de capital da corretora, que pode movimentar até US$ 2,1 bilhões, acontece na bolsa norte-americana Nasdaq. Por isso, nem a corretora nem os bancos coordenadores da oferta podem fazer esforços de venda a investidores brasileiros.

Nada impede, porém, que um fundo que tenha como objetivo aplicar em ações nos Estados Unidos capte recursos de investidores locais, desde que respeitados os limites da regulação, como sinalizou a CVM – que não comentou o caso específico do IPO da corretora.

"Ressaltamos que a CVM acompanha e analisa informações e movimentações no âmbito do mercado de valores mobiliários brasileiro, mantendo, inclusive, contato direto com os participantes do segmento, e tomando as medidas cabíveis, sempre que necessário", ponderou a autarquia.

A decisão da XP afeta a gestora Vitreo, que lançou nesta semana dois fundos para investir no IPO da empresa, que captaram R$ 50 milhões até o momento. A gestora informou que pretende manter a captação e espera que a XP reverta a vedação.

Eu também perguntei para a CVM se em alguma hipótese a captação de fundos para investir em ofertas de ações fora do país poderia ser enquadrada como uma oferta irregular, mas a autarquia respondeu que "não comenta questões que tendem a estar no âmbito de casos específicos em andamento”.

Leia a seguir a íntegra da nota da CVM encaminhada ao Seu Dinheiro:

“Conforme indicado em sua demanda, em tese, não há restrição para que um ‘fundo brasileiro capte recursos de investidores brasileiros para investir em ofertas públicas no exterior’, em linha com as disposições da Instrução CVM 555.

Adicionalmente, ressaltamos que a CVM acompanha e analisa informações e movimentações no âmbito do mercado de valores mobiliários brasileiro, mantendo, inclusive, contato direto com os participantes do segmento, e tomando as medidas cabíveis, sempre que necessário.

A Autarquia não comenta questões que tendem a estar no âmbito de casos específicos em andamento.”

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies