Menu
2019-06-10T19:46:36-03:00
Estadão Conteúdo
Situação complicada

Com dólar alto, Volkswagen diz ser muito difícil voltar a ter lucro em 2019

Comunicado sinaliza uma mudança de expectativa em relação ao otimismo demonstrado pela montadora no final de janeiro

10 de junho de 2019
20:58 - atualizado às 19:46
fabrica-volkswagen
Volkswagen - Imagem: Volkswagen/Divulgação

A Volkswagen dificilmente voltará a ter lucro em sua operação no Brasil em 2019. Foi o que afirmou nesta segunda-feira, 10, o vice-presidente de vendas e marketing da montadora, Gustavo Schmidt. Segundo ele, o principal problema é a alta do dólar, que encareceu insumos utilizados pela fabricante para a produção de veículos, em especial o aço.

A afirmação sinaliza uma mudança de expectativa em relação ao otimismo demonstrado pela empresa no final de janeiro. À época, o presidente da Volkswagen para a região da América do Sul e Caribe, Pablo Di Si, afirmou que a montadora estava muito perto de sair do prejuízo e que a operação voltaria a dar lucro em 2019, depois de seguidos anos no vermelho. Segundo ele, a virada só não havia ocorrido ainda por causa da crise da Argentina, para onde a fabricante envia a maior parte da produção brasileira destinada à exportação.

A expectativa de Di Si era sustentada principalmente pela aposta de recuperação da economia brasileira. Em janeiro, as principais instituições financeiras do País estimavam que o PIB cresceria entre 2% e 3% em 2019, impulsionado pelas reformas prometidas pelo governo Jair Bolsonaro.

No entanto, as dificuldades de articulação política do governo deixaram os bancos mais cautelosos, reduzindo as projeções para números mais tímidos, em torno de 1%. O dólar, por sua vez, subiu. No dia 23 de janeiro, quando o presidente da Volkswagen disse que a montadora voltaria a ter lucro em 2019, a moeda norte-americana fechou cotada a R$ 3,76. Depois de superar a casa dos R$ 4 ao longo das últimas semanas, fechou nesta segunda a R$ 3,88.

A dificuldade da Volkswagen de registrar lucro ocorre mesmo em um momento de aumento das vendas. O mercado de automóveis no Brasil cresceu 11,2% no acumulado de janeiro a maio. No entanto, a maior parte desse crescimento se deve a clientes corporativos. Os consumidores tradicionais, que resultam em vendas com maior margem de lucro, ainda apresentam resultados tímidos.

Para Schmidt, vice-presidente de vendas da Volkswagen, o mercado voltado ao consumidor comum só deve acelerar no segundo semestre deste ano, quando os níveis de confiança dos agentes econômicos estiverem maiores, impulsionados pela esperada aprovação da reforma da Previdência.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Seu Dinheiro na sua noite

O grande respiro do câmbio e mais…

“Ih, vai ser uma semana daquelas”, pensei eu na segunda-feira, ao olhar a agenda de eventos previstos para os dias seguintes. Teríamos decisão do Copom e relatório de empregos nos EUA — e isso sem contar os inúmeros balanços corporativos. Em semanas assim, eu gosto de traçar alguns cenários na minha cabeça: se o BC […]

Fechamento da semana

Real ganha do dólar na semana e bolsa sobe mais de 2% com economia americana nem tão aquecida e Copom incisivo

Os problemas domésticos foram para baixo do tapete e os fatores externos ajudaram o Real a se valorizar e a bolsa a romper resistências importantes. Confira um resumo da semana.

Mudou de ideia?

Elon Musk passa a recomendar cautela com o dogecoin às vésperas de sua participação no SNL

O bilionário, que já fez a moeda-meme disparar 60% com apenas um tweet, exibiu um alerta para as limitações do mercado de criptoativos

pandemia

Estudo aponta relação entre negacionismo de Bolsonaro e evolução da pandemia no Brasil

Segundo o levantamento, em cidades onde o presidente obteve mais de 50% dos votos no segundo turno das eleições de 2018, número de mortes foi 415% maior do que nos municípios onde ele perdeu o pleito

Insistência incomoda

Ex-presidente do BC Affonso Pastore acredita que ajuste parcial da Selic é insustentável

O economista defende o reconhecimento explícito de que a instituição perseguirá o ajuste integral da taxa básica de juros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies