Menu
2019-10-11T17:20:50-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Pesquisa

O que o brasileiro leva em conta ao escolher um banco? O Twitter responde

Em meio a guerra entre bancões e fintechs, a rede social perguntou aos seus usuários – um público qualificado para consumo de produtos financeiros – quais os fatores determinantes para eles escolherem um banco

11 de outubro de 2019
17:20
Logo do Twitter
Público do Twitter fala muito sobre finanças e é forte consumidor de produtos e serviços financeiros. Imagem: Shutterstock

Em tempos de fintechs descoladas que conquistam o coração do cliente a ponto de serem consideradas uma ameaça aos grandes bancos, saber o que influencia as pessoas a escolher determinada instituição financeira é informação de primeiríssima importância.

E apesar de as fintechs ainda serem formiguinhas perto do poder de fogo dos bancões brasileiros, eles estão bastante atentos ao fenômeno - e longe de subestimá-lo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Tanto é que suas dúvidas acerca do que leva os brasileiros a escolherem uma instituição financeira, das interações dos clientes de bancos com as marcas e de que tipo de comunicação vale a pena fazer moldaram a mais recente pesquisa do Twitter Brasil sobre finanças na rede social.

É a primeira vez que a empresa responsável pela rede social do passarinho divulga para o grande público uma das suas pesquisas feitas para marcas do mercado financeiro.

E o que o Twitter descobriu? Bem, comunicação fofa e descolada à parte, o fator citado pelos tuiteiros brasileiros como o mais importante na hora de escolher em qual banco abrir uma conta foi - surpresa, surpresa #soquenao - PREÇO!

Isso mesmo. Como não poderia deixar de ser, “tarifas baixas” foram citadas por 70% dos pesquisados como o fator mais importante na hora de escolher um banco para abrir conta, seguido de perto por “bons benefícios oferecidos”, citados por 68% dos usuários.

Por benefícios, entenda-se facilidades como programa de fidelidade (pontos e milhas no cartão), descontos em ingressos, esse tipo de coisa.

Outros fatores importantes foram “imagem de marca positiva”, citada por 60%, “localização e acessibilidade”, citada por 54% e oferecimento de “boas opções digitais”, citado por 52%.

Em suma, imagem bacana importa, ser digital importa, mas se não for barato, fica difícil conquistar o cliente. Confesso que eu, como cliente, tendo a concordar com a tuitosfera.

Os tuiteiros não "metem o pau" nos bancos

A parte da pesquisa que mais me intrigou foi a informação de que 54% dos usuários se disseram satisfeitos com seu banco principal, e 33% estão neutros (nem satisfeitos nem insatisfeitos). Apenas 13% se disseram insatisfeitos.

Tudo bem que muitas fintechs também podem entrar na categoria “banco principal”, mas tendo em vista que a maioria esmagadora das pessoas ainda mantém a conta principal nos grandes bancos, é bem provável que elas estejam se referindo a eles mesmo.

Por que ouvir o Twitter é importante quando o assunto é finanças

O departamento de pesquisas do Twitter promove levantamentos desse tipo a fim de munir as marcas de informações para utilizar a rede social de forma mais assertiva ao se comunicar com seu público, o que é evidentemente de interesse comercial de ambos.

Mas faz sentido as instituições financeiras - e também os clientes - ouvirem as opiniões dos usuários da rede social.

Os tuiteiros falam muito sobre finanças, bancos e produtos financeiros - entre janeiro de 2018 e julho de 2019, foram 6 milhões de tuítes sobre esses assuntos, sendo que 4,4 milhões deles foram sobre bancos; destes, 55% mencionam a instituição financeira diretamente - a hashtag ou a arroba, por exemplo.

Além disso, os usuários do Twitter têm um perfil caro às instituições financeiras. Trata-se de um público com renda e escolaridade altas, além de serem formadores de opinião quando o assunto é finanças.

Eles estão, por exemplo, acima da média no que diz respeito à contratação de produtos financeiros: 86% dos usuários têm dinheiro guardado ou algum patrimônio; 74% têm conta em banco; 65% utilizam cartão de crédito e nada menos que 20% são investidores.

A renda mensal média de cada um desses grupos fica entre R$ 5 mil e R$ 6 mil reais, mais de 50% maior que a renda mensal média dos brasileiros. No grupo dos investidores, essa renda é mais que o dobro da renda do brasileiro, ficando na faixa dos R$ 8 mil.

No que diz respeito aos serviços financeiros, os tuiteiros também priorizam bons serviços digitais, segurança de dados, além de poderem resolver os problemas por conta própria, sem terem que falar com alguém ou comparecer a uma agência.

A pesquisa “Twitter & Finanças” ouviu 939 pessoas entre janeiro de 2018 e julho de 2019.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Em busca de investidores

Guedes vai a Davos para ‘vender’ o Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, será a principal autoridade brasileira no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

LIÇÕES DO PAI RICO, PAI POBRE

Ganhando bem, mas longe de ser rico?

Robert Kiyosaki, autor do best seller Pai Rico, Pai Pobre, escreve aos sábados sobre suas lições de finanças

DE OLHO NOS EMPRÉSTIMOS

BNDES aprova empréstimos a exportações de Embraer, Marcopolo, Mercedes e Scania

A maior das operações foi para a fabricante de aviões Embraer, que tomou empréstimo de US$ 285 milhões para financiar a exportação de 11 aeronaves modelo E175 para a American Airlines, nos Estados Unidos

FUNDOS DE PENSÃO

Assessores de Guedes e mais 28 viram réus por rombo em fundos de pensão

“O Ministério Público Federal produziu e apresentou a este Juízo peça acusatória formalmente apta, acompanhada de vasto material probatório, contendo a descrição pormenorizada contra todos os denunciados”, anotou Vallisney.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

De volta para o futuro

Quando escrevi aqui na newsletter que não é possível prever o futuro, um leitor me corrigiu. Em alguns casos podemos sim antecipar com razoável grau de precisão o que vai acontecer: que o diga a previsão do tempo. Ele tem razão, mas a mesma premissa válida para a meteorologia não se aplica ao mercado financeiro. […]

Bolsa forte

Otimismo externo se sobrepõe à hesitação local e Ibovespa sobe 2,58% na semana

Apesar do viés “misto” dos mais recentes dados da atividade doméstica, o otimismo em relação ao acordo EUA-China e a força mostrada pela economia chinesa sustentaram o bom desempenho do Ibovespa

É HORA DE TER CALMA

Estágio atual recomenda cautela na política monetária, repete presidente do BC

Esta avaliação já constou nos documentos mais recentes do BC, inclusive na comunicação de dezembro do colegiado, quando a Selic (a taxa básica de juros) recuou de 5,00% para 4,50% ao ano

O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: A economia brasileira no centro das atenções

A equipe do Seu Dinheiro comenta as principais notícias da semana

Eleições

Lula já descarta candidatura de Haddad em SP

A escolha do candidato está marcada para o dia 15 de março. O ex-presidente quer uma definição antes desse prazo

Gestora estrelada

SPX espera alta da Selic ainda neste ano e segue comprada em dólar

Para a gestora fundada por Rogério Xavier, que possui R$ 40 bilhões sob gestão, o país saiu da beira do abismo com aprovação da reforma da Previdência e deve crescer 2,5% neste ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements