Menu
2019-09-19T15:31:05-03:00
O futuro da energia

Shell diz que seu plano é investir US$ 3 bilhões por ano em renováveis no mundo

Presidente da petroleira no Brasil afirmou que não há um prazo para definir os investimentos e que o importante é que os projetos “façam sentido”

19 de setembro de 2019
15:31
Shell
Imagem: Shutterstock

A Shell planeja investir US$ 3 bilhões todo ano, a partir de 2020, em energias renováveis. O orçamento é destinado ao conjunto de países onde atua, porém, o Brasil está entre as prioridades. Para isso, busca novos projetos.

"Particularmente nos últimos 12 meses, aqui no Brasil, a gente está estabelecendo nossa equipe de novas energias, há um grupo já estabelecido na área solar e a gente está buscando oportunidades de negócios", afirmou o presidente da petroleira no Brasil, André Araujo, após participar do evento Shell Eco-marathon, no centro do Rio.

Ele explica que não há um prazo para definir os investimentos e que o importante é que os projetos "façam sentido". "Em algum momento vai sair alguma coisa", disse o executivo. "Temos que mostrar para os acionistas que estamos fazendo as escolhas adequadas", acrescentou.

Questionado sobre o interesse nos leilões de áreas no Brasil, Araujo informou que mantém equipes dedicadas à avaliação das oportunidades nas três concorrências marcadas para 2019 - uma de pós-sal e duas de pré-sal, uma delas de áreas excedentes à cessão onerosa. A decisão de investir ou não nas áreas cabe aos executivos da petroleira, que se reúnem momentos antes dos leilões, disse ele.

O presidente da Shell destaca, porém, que a empresa continua interessada em projetos que garantam o crescimento da oferta de gás natural, que já responde pela maior parte da sua produção mundial.

Gás natural

O preço do gás natural não vai cair até que a oferta do produto seja significativamente ampliada, avalia Araujo. "Esse não é um setor mágico que consegue ter uma solução no ano que vem, mas estou bastante seguro de que tem muita oportunidade ainda", afirmou.

O crescimento da oferta, diz ele, acontecerá à medida que avançar também a infraestrutura de escoamento e transporte. "O mercado em algum momento vai precisar de uma solução de escoamento do mercado de gás. A terceira rota (de escoamento da produção no pré-sal até a costa no Rio de Janeiro) está sendo construída para disponibilizar mais volume de gás até a costa e isso vai ser um salto na disponibilidade de gás", diz ele.

Entre as alternativas de escoamento e utilização, a Shell avalia o uso como insumo na produção de energia elétrica, como fará em Macaé, onde constrói uma usina térmica, com início de produção programado para 2023. O plano, no entanto, é antecipar o prazo.

Além disso, a companhia considera o fornecimento de gás para grandes indústrias. "A gente tem falado muito com o setor de energia, mas a gente começa a perceber que a perspectiva de ter mais oportunidade de gás começa a atrair grandes setores industriais", complementou.

Araujo disse também que a Shell é bastante ativa globalmente na produção de gás natural, mas possui presença relevante também no mercado de comercialização de gás e energia. "A gente quer ter certeza de que a Shell no Brasil também atuará nesses segmentos", complementou.

Ataque

A alta do preço do petróleo no mercado internacional, em função dos ataques a refinarias na Arábia Saudita, não muda em nada a atuação e os planos da Shell no Brasil, afirmou Araujo. Segundo ele, "as atividades continuam normais".

"O mercado de óleo e gás sempre trabalhou com volatilidade. Não é a primeira vez que tem guerras, boicotes, momentos que criam uma tensão grande e refletem em 24h no preço da commodity, mas a tendência é que o mercado caminhe para um centro de preço ligado à oferta e demanda", disse o executivo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

um risco no radar

Por coronavírus, Arábia Saudita avalia romper aliança com a Rússia no setor de petróleo

Os dois lados têm colaborado desde dezembro de 2016 para tentar equilibrar a oferta global, em meio a um salto na oferta do xisto vinda dos EUA

presidente vai aos EUA

Bolsonaro diz ter intenção de trazer a Tesla, de Elon Musk, para o Brasil

Filho do presidente já havia declarado a intenção; Ele disse ter participado de teleconferência com o ministro da Ciência e Tecnologia para tratar sobre o assunto

Exile on Wall Street

O tamanho certo da sua proteção para este Carnaval

*Por Bruno Mérola

de olho nas cifras

Rombo nas contas externas soma US$ 11,8 bilhões em janeiro

Resultado é o pior resultado para o mês desde 2015, quando houve déficit de US$ 12,011 bilhões

mercados agora

Dólar bate R$ 4,40 e Ibovespa cai 1,4%, com mercado atento ao coronavírus

Mercado local novamente reproduz a cautela no exterior, fazendo com que a moeda norte-americana teste um novo recorde; no ano alta já é quase de 10%

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta sexta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

De olho no futuro

Montadoras investem em postos de recarga para fomentar híbridos

Volkswagen se une assim a empresas como BMW, Volvo e à própria parceria em que participa com Volkswagen e Porsche na instalação de pelo menos outros 680 pontos de abastecimento, vários deles com tecnologias de recarga rápida

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

13 notícias para você começar o dia bem informado

2019 poderia ter sido um dos melhores anos da história da Vale, especialmente pela alta de mais de 30% no preço do minério de ferro. A tragédia de Brumadinho mudou severamente esse quadro e levou a empresa a um prejuízo de US$ 1,7 bilhão no ano todo, conforme números divulgados ontem à noite. A sexta-feira […]

do setor imobiliário para a bolsa

Incorporadora One e construtora Pacaembu pedem registro de IPO

Empresas esperam recursos para pré-pagamento de empréstimos, expansão e reforço de capital de giro

sinal verde

Anac autoriza Virgin Atlantic, do bilionário Richard Branson, a operar no Brasil

Segundo o órgão regulador, a empresa manifestou interesse em voar, a partir de março deste ano, entre as cidades de Londres e São Paulo.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements