A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2019-10-26T12:43:04-03:00
Estadão Conteúdo
nova gigante no pedaço

WarnerMedia assume HBO na América Latina

A operação da HBO na América Latina, que funcionava em uma parceria entre a Warner e a Ole Communications, abarca hoje os canais HBO, Max, Cinemax e o serviço HBO Go.

26 de outubro de 2019
10:32 - atualizado às 12:43
HBO
Imagem: Shutterstock

A WarnerMedia, gigante do conteúdo que pertence ao grupo das telecomunicações americana AT&T, anunciou ontem a compra das operações dos canais da HBO na América Latina, com exceção do Brasil.

A empresa está em uma cruzada pela mudança da legislação brasileira, que proíbe que operadoras de TV sejam também produtoras de conteúdo - conhecida como "lei do cabo", ou Seac, que está em vigor desde 2001. No anúncio relativo à HBO, a WarnerMedia citou a legislação nacional como a razão para a não inclusão do País na aquisição na região.

Segundo a divulgação, a aquisição permitirá a extensão do serviço HBO Max, que o grupo lança em 2020, para toda a região - menos para o Brasil.

A operação da HBO na América Latina, que funcionava em uma parceria entre a Warner e a Ole Communications, abarca hoje os canais HBO, Max, Cinemax e o serviço HBO Go.

Com o acordo, a WarnerMedia passa a controlar 100% das operações de língua espanhola. A joint venture sobrevive no Brasil. "Temos a opção de adquirir os negócios no Brasil, mas não faremos isso no momento", disse Gerhard Zeiler, presidente da WarnerMedia International Networks.

Venda

Foi por causa da Seac que o grupo Globo teve de se desfazer de sua participação na operadora Net para ter a possibilidade de manter o controle dos canais Globosat, como GNT, GloboNews, Multishow e MaisGlobosat.

Um dos aliados da tentativa da AT&T de derrubar a separação entre produção e distribuição de conteúdo no País é o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro, que tem feito lobby pela mudança na Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Em 5 de setembro, a agência reguladora pediu mais 120 dias para analisar se aprova ou não a fusão da AT&T e da TimeWarner (hoje WarnerMedia) no Brasil. O negócio, que movimentou US$ 85 bilhões, foi anunciado há três anos. O risco é que a Anatel obrigue a AT&T a se desfazer da Sky no País, da mesma forma que ocorreu com a Globo e a Net no passado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

NOITE CRIPTO

Cansou? Alta do bitcoin (BTC) perde força, mas semana deve encerrar com ganhos

11 de agosto de 2022 - 20:28

Mais cedo, o BTC subiu mais de 6%, embalado pelos dados de inflação dos EUA, que sinalizaram que um aperto monetário mais agressivo pode não acontecer

Balanço do 2º tri

Cenário difícil para os ativos de risco pesa sobre o balanço da B3 no 2º trimestre; confira os principais números da operadora da bolsa

11 de agosto de 2022 - 19:56

Companhia viu queda nos volumes negociados e também nas principais linhas do balanço, tanto na comparação anual quanto em relação ao trimestre anterior

Economia em 2023

Qualquer que seja o resultado da eleição, a equipe econômica vai restabelecer a âncora fiscal, diz CEO do BTG Pactual

11 de agosto de 2022 - 19:56

Durante a Febraban Tech 2022, Roberto Sallouti, do BTG, tentou minimizar a polarização política e disse que “o Brasil é um só”

TEMPORADA DE BALANÇOS

Americanas (AMER3) tem prejuízo de R$ 98 milhões no segundo trimestre do ano

11 de agosto de 2022 - 19:47

De acordo com o balanço trimestral da Americanas (AMER3), números refletem os efeitos da elevação da taxa básica de juros para os negócios

BALANÇO

Apelo de Luiza Trajano não foi à toa: Magazine Luiza tem prejuízo de R$ 135 milhões no 2T22 — veja o que afetou o Magalu

11 de agosto de 2022 - 19:26

O Magalu conseguiu reduzir as perdas na comparação com o primeiro trimestre de 2022, mas em relação ao mesmo período de 2021, acabou deixando o lucro para trás

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies