Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2019-08-01T19:31:44-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

Uma lição de gerenciamento de riscos

1 de agosto de 2019
19:31
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Algo que aprendi nesses vários anos de cobertura do mercado financeiro como jornalista é que sempre existe risco. Em outras palavras, trata-se da possibilidade de aquele cenário projetado não se concretizar, para o bem ou para o mal.

Poucas pessoas entendem tanto do tema “riscos” como o nosso colunista Ivan Sant’Anna, com quem eu tive a honra de almoçar hoje.

Em uma conversa que variou sobre temas literários e várias histórias do mercado, perguntei em determinado momento porque nenhum dos livros que escreveu foi parar nas telas do cinema e da TV.

Ele me respondeu que chegou a vender os direitos do best seller Os Mercadores da Noite por uma boa quantia, mas a produtora nunca concretizou o projeto. Por isso mesmo, ele jamais negocia a adaptação de seus romances sem receber adiantado, e me aconselhou a fazer o mesmo.

Em outras palavras, isso se chama gerenciamento de riscos, ensinamento que também cai como uma luva para o mundo dos investimentos. Se você pensa em aplicar ou em aumentar suas posições na bolsa depois da queda dos juros, é preciso mapear os riscos no radar.

O pregão de hoje deu uma clara amostra de como a renda variável pode, de fato, variar. Depois de subir mais de 2% na máxima do dia, o Ibovespa deu um mergulho no meio da tarde. O motivo? Donald Trump.

O presidente dos EUA voltou à carga com a guerra comercial com a China ao anunciar a imposição de tarifas de 10% em produtos importados do país asiático, o que derrubou as bolsas americanas.

Por aqui o Ibovespa perdeu força, mas conseguiu se sustentar em alta. Como também ensina o mestre Ivan Sant’Anna, não há maior demonstração de força quando a bolsa sobe mesmo em meio a notícias negativas.

Quer saber como o principal índice da B3 conseguiu ficar no azul mesmo depois da casca de banana atirada por Trump? Então vale a pena conferir a cobertura de mercados com o Victor Aguiar.

Novata no radar

O Ibovespa é a grande vitrine da bolsa brasileira. As empresas que fazem parte do índice que reúne as principais ações do mercado são definidas a cada quatro meses pela B3. Hoje a bolsa anunciou a primeira prévia do índice, que trouxe a entrada de uma nova empresa para esse grupo seleto. Se confirmada a entrada, o índice passará a contar com 67 ativos a partir de setembro. Saiba neste link quem é a empresa que está no radar da B3.

Na dúvida, vá de dourado

Não, caro leitor, esse não é um conselho antecipado para a cor do Réveillon ou do seu próximo carro zero. O fato é que quando falamos em proteção no mercado financeiro, em geral vem à cabeça duas coisas: a compra de dólar ou de ouro. E foi exatamente a segunda opção que os Bancos Centrais mundo afora resolveram adotar para fugir dos riscos políticos e econômicos que não cansam em pintar por aí (vide a surpresinha de Trump hoje). E os BCs não andam comprando pouca coisa não, como você confere nesta matéria do Eduardo Campos.

Cripto Leão

Aos poucos o mercado de criptomoedas começa a fazer parte da “vida real”. A partir de hoje o investidor que fizer operações com bitcoin deverá prestar contas à Receita Federal. Já faz tempo que o Leão está de olho nessas movimentações, mas agora é oficial. Quem acompanhou de perto essa história e traz todos os detalhes que você precisa saber sobre as novas regras é o Eduardo Campos. Leitura mais que recomendada!

Plano em prática

O aporte do grupo japonês SoftBank mal saiu do papel e a Creditas já arregaçou as mangas para colocar os planos em prática. A fintech anunciou hoje a aquisição da Creditoo, uma startup focada em crédito consignado para funcionários de empresas privadas. O negócio é uma peça-chave no planejamento da Creditas, já que faz um bom tempo que a companhia planeja entrar nesse ramo, como você confere nesta reportagem.

O futuro já começou

Ele alerta para uma queda nos índices das bolsas norte-americanas há algum tempo, e agora as previsões começam a se concretizar. Fausto Botelho traz um novo vídeo para a coluna “De olho no gráfico” e não poderia deixar de falar na tendência de baixa que o S&P500 vem demonstrando nos últimos dias. Na visão dele, o índice pode derreter muito mais. E você deve estar preparado, seja investindo lá fora ou aqui no Brasil. Então aperte o “play” e confira todos os detalhes dessa análise.

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

objetivo mais ambicioso

CMN fixa meta de inflação em 3,00% para 2024, com margem de 1,5 pp

Objetivo fixado pelo governo é mais ambicioso do que nos anos anteriores e dá sequência ao processo de redução gradual da meta de inflação, iniciado em 2017

inovação

Duratex cria fundo de R$ 100 milhões para investir em startups

Fabricante de madeira, deca e revestimentos cerâmicos planeja realizar aportes em iniciativas em diferentes estágios de evolução, sendo a única cotista do fundo

FECHAMENTO

BC mais brando e novo ‘pacote Biden’ deram o que falar — com inflação em foco, dólar se firma em R$ 4,90 e Ibovespa volta aos 129 mil pontos

A moeda americana registrou o quarto dia consecutivo de queda, com a pressão do pacote de infraestrutura dos EUA e a melhora do cenário local. No mercado de juros, os investidores reduziram as apostas em uma alta agressiva da Selic na próxima reunião

Fome de propostas

Presidente da Câmara quer acelerar reformas e pautas econômicas no Congresso

Lira espera receber ainda hoje o projeto do governo para mudanças no Imposto de Renda e comprometeu-se a votar a privatização dos Correios no mês que vem

Meta ambiental

Vale triplica para até US$ 6 bi previsão de investimentos para reduzir emissões de carbono

O objetivo da empresa é reduzir 33% das emissões diretas e indiretas de carbono até 2030

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies