Menu
2019-04-29T18:21:11-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Arrasa-quarteirão

Novo filme dos Vingadores quebra recordes — e os acionistas da Disney agradecem

“Vingadores: Ultimato” teve bilheteria sem precedentes em seu fim de semana de estreia, aumentando o otimismo do mercado em relação à Disney e levando as ações da empresa a novas máximas históricas

29 de abril de 2019
15:55 - atualizado às 18:21
Arte do Filme "Vingadores: Ultimato"
"Vingadores: Ultimato" teve o melhor fim de semana de estréia da história, em termos de arrecadação - Imagem: Divulgação

As ações da Disney chegaram às máximas históricas. Estão voando, como um personagem dos quadrinhos, ajudadas por uma força sobre-humana — no caso, a arrecadação sem precedentes de "Vingadores: Ultimato".

O quarto episódio da saga dos heróis da Marvel dominou as salas de cinema no mundo todo, gerando uma bilheteria global de US$ 1,2 bilhão apenas no primeiro fim de semana em cartaz. Trata-se da maior abertura de um filme na história — o recorde anterior, de US$ 640 milhões, pertencia a "Vingadores: Guerra Infinita", o terceiro capítulo da série.

O sucesso estrondoso não foi ignorado pelo mercado. As ações da Disney acumularam alta de 5,6% na semana passada e, nesta segunda-feira (29), chegaram a avançar mais 1,75%, a US$ 142,37 — um novo recorde intradiário para os papéis. Ao fim do dia, os ativos da empresa perderam força e fecharam em leve queda de 0,44%, a US$ 139,30.

Esse otimismo também contagia os analistas. Em relatório divulgado nesta manhã, o J.P. Morgan elevou o preço-alvo para as ações da Disney ao fim de 2019, de US$ 137,00 para US$ 150,00. E tudo isso por causa das boas perspectivas para a divisão de cinema da companhia.

"Estamos elevando nossa previsão de lucro por ação no segundo trimestre, de US$ 1,63 para US$ 1,67, principalmente por causa do desempenho melhor que o esperado de Capitã Marvel, que já arrecadou mais de US$ 1,1 bilhão no mundo", diz o J.P. Morgan. "Também elevamos nossa estimativa de lucro por ação para o terceiro trimestre, de US$ 1,73 para US$ 1,80, com base numa performance melhor que a antecipada de Vingadores: Ultimato".

O banco manteve a recomendação de compra para as ações da Disney, afirmando que as atividades centrais da empresa continuam a ter um desempenho muito bom, com diversos catalisadores que podem continuar a dar sustentação às ações nos próximos meses.

A visão do mercado é majoritariamente otimista em relação à Disney. De acordo com a Bloomberg, de 32 instituições de análise, 22 têm recomendação de compra para as ações da empresa — outras nove tem classificação neutra, e apenas uma possui recomendação de venda.

Arrasa-quarteirão

Segundo a Disney, "Vingadores: Ultimato" arrecadou cerca de US$ 350 milhões no mercado doméstico dos Estados Unidos e Canadá, e outros US$ 859 milhões no restante do mundo — em ambos os casos, estabelecendo novos recordes para um filme em seu fim de semana de abertura.

É importante ressaltar que os resultados globais foram impulsionados pela estreia simultânea no mercado chinês, algo que não ocorreu com o terceiro episódio da saga. Apenas na China, o filme teve bilheteria estimada de US$ 330,5 milhões em seu fim de semana inicial, também um resultado sem precedente.

A lista de recordes é extensa. Mas, daqui para frente, algumas métricas serão acompanhadas pelo mercado, em especial a taxa de queda de arrecadação entre a primeira e a segunda semana de exibição. A partir daí, será possível ter uma ideia melhor do potencial de "Vingadores: Ultimato" em termos de bilheteria total.

Considerando apenas o mercado doméstico dos Estados Unidos e Canadá, o recorde histórico pertence à "Guerra nas Estrelas: O Despertar da Força", com US$ 936,7 milhões. Em termos globais, "Avatar" ainda detém a maior bilheteria da história, com US$ 2,78 bilhões.

Joias do infinito

O império da Disney ganhou uma nova magnitude com uma onda de aquisições iniciada em 2006, quando a companhia acertou a compra da Pixar, estúdio de animação responsável por filmes como "Toy Story", "Procurando Nemo" e "Os Incríveis", por US$ 7,4 bilhões.

A partir daí, a Disney começou a ir atrás de outros ativos. Em 2009, adquiriu a Marvel Entertainment — casa de super-heróis como o Homem-Aranha, Thor, Homem de Ferro, Hulk e muitos outros que fazem parte dos Vingadores —, por cerca de US$ 4 bilhões.

Em 2012, comprou a LucasFilm, detentora da marca Star Wars, por US$ 4 bilhões. E, no último dia 20 de março, fechou a aquisição da 21st Century Fox, por US$ 71,3 bilhões.

Cada uma dessas transações ampliou ainda mais a base de conteúdo da Disney — como as "joias do infinito" do Universo Marvel, que dão poder quase ilimitado a seus detentores.

E qual a importância disso?

Disney+

Bom, a Disney agora possui direitos sobre um universo de personagens e franquias que vai dos Simpsons aos X-Men; do Mickey ao Luke Skywalker; de Frozen ao Pantera Negra.

E isso é especialmente importante porque a empresa tem um plano ambicioso a frente: o lançamento, ainda neste ano, de um serviço próprio de streaming de conteúdo, o Disney+. A ideia é enfrentar de igual para igual a gigante que domina essa arena, a Netflix.

No relatório de hoje, o J.P. Morgan diz acreditar que a empresas abrirá as inscrições para o Disney+ bem antes do lançamento, em 12 de novembro — e, com isso, um fluxo encorajador de notícias e rastreamento [de assinaturas] poderá surgir antes dessa data, dando mais força aos papéis.

"Embora reconheçamos que as atenções permanecerão em grande parte sobre o lançamento do Disney+, as engrenagens subjacentes da companhia parecem bem posicionadas para ter um bom desempenho e entregar um crescimento forte de lucro neste ano", conclui o banco.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

em meio à crise

GPA tem alta de 150% no lucro, com melhora operacional no Brasil

Cifra atingiu R$ 386 milhões; Assaí apresentou faturamento de R$ 10,1 bilhões, incremento de R$ 2,5 bilhões contra o ano anterior

Números fortes

Vale tem lucro líquido de US$ 2,9 bilhões no 3º tri, alta de 76% na comparação anual

Lucro líquido cresceu quase 76% em relação ao terceiro trimestre do ano passado; Ebitda ajustado chegou a mais de US$ 6 bilhões

Análise

O mercado trucou, e o Banco Central mandou descer ao bancar juro baixo

Emparedado pelo repique da inflação e pelo aumento do risco fiscal, o BC foi inflexível e sustentou o “forward guidance”, a sinalização de que a Selic permanecerá baixa por um longo período

Acelerou

Bolsonaro assina sanção da lei que prorroga incentivos para setor automotivo

A sanção do projeto, assinada por Bolsonaro, deve ser publicada até esta quinta-feira, 29, no Diário Oficial da União (DOU).

o pior já passou?

Petrobras tem prejuízo de R$ 1,5 bilhão no terceiro trimestre, com adesão a anistias tributárias

Analistas esperavam prejuízo de R$ 4,15 bilhões; após baixa com a pandemia, estatal aumentou a participação de mercado e manteve um patamar alto de exportações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies