Menu
2019-04-15T20:42:03-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Principal pauta do governo

Presidente da CCJ da Câmara diz que discussão da Previdência deve começar terça com votação até quarta

Felipe Francischini afirmou ainda que a sessão de discussão da Previdência pode ter mais de 30 horas

15 de abril de 2019
20:42
Felipe Francischini, presidente da CCJ
Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, Felipe Francischini (PSL-PR), afirmou que a proposta de emenda à Constituição da reforma da Previdência só deve começar a ser discutida nesta terça, 16, e que a votação pode ficar para a semana que vem caso os mais de 100 deputados inscritos para falar não abram mão deste tempo. A intenção do governo é conseguir votar a proposta até esta quarta, 17.

"Vamos tentar votar a PEC do Orçamento Impositivo ainda hoje (segunda). Pretendo ir até acabar essa votação, nem que tenha que ir até às 4h. Provavelmente, a discussão da reforma da Previdência deve se iniciar amanhã (terça)", disse.

Francischini afirmou ainda que a sessão de discussão da Previdência pode ter mais de 30 horas. Para ele, há votos suficientes para aprovar a admissibilidade da PEC na CCJ.

Questionado se seria uma derrota a votação ficar para semana que vem, ele afirmou que isso "o governo que tem de dizer". "O governo está ligando para os deputados? Está se esmerando para aprovar a reforma? Se ele está fazendo isso, eu torço para que a gente consiga votar o mais rapidamente possível", disse.

O deputado reclamou também da atuação de seus pares na comissão. Para ele, os parlamentares que deveriam defender a reforma da Previdência não estão se posicionando de forma forte e transparente. "Eu fico pautando requerimentos e ninguém defende. Eu não entendi o meu partido. Se eu falasse pelo PSL na comissão, eu não votaria pela inversão de pauta", disse.

Mais cedo, a comissão aprovou um requerimento para que a proposta do orçamento impositivo fosse votada antes da reforma da Previdência na comissão. O PSL e a liderança do governo encaminharam a votação a favor da inversão da pauta.

Francischini também explicou que a deputada Maria do Rosário (PT-RS) foi escolhida por ele para ler a ata da última reunião da comissão. "Foi a primeira que eu vi", disse.

A ala governista tentou inverter a ordem dos trabalhos para que a ata fosse lida depois das votações, mas a oposição, com a ajuda de partidos do bloco da maioria, derrotaram o pedido e a ata teve que ser lida no início da reunião. Parlamentares reclamaram da escolha da petista ao alegarem que ela "demorou muito para ler".

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

O melhor do seu dinheiro

A B3 terá uma rival? Oportunidades no segmento de tecnologia, energia solar ganhando força e outras notícias do dia

Todo grande herói precisa de um antagonista à altura, nem que seja apenas para realçar seus feitos. Podemos até admitir que Gotham City seria uma cidade muito mais segura sem o Coringa, mas o que o Batman faria se não tivesse o grande inimigo? O mesmo acontece nos esportes. Michael Schumacher venceu sete campeonatos da […]

Fechando o cerco

Bitcoin cai 6% após Banco da China ameaçar encerrar contas envolvidas com criptomoeda

Além disso, a retirada de mineradores do país está afetando a taxa de mineração, que valida e dá segurança para a rede do bitcoin

Interesse estrangeiro

IPOs de grandes empresas devem trazer mais investidor estrangeiro para a Bolsa

Desde janeiro, o saldo de dinheiro estrangeiro na B3, a bolsa de valores de São Paulo, já chega a R$ 44 bilhões – número que contrasta fortemente com o primeiro semestre do ano passado

De volta no mercado

Brasil ‘reestreia’ no mercado de fabricação de TV

Agora o movimento de volta das nacionais é capitaneado por três indústrias com tradição na fabricação de eletroportáteis e eletrônicos: Mondial, Britânia e Multilaser.

Perspectiva de crescimento

Pandemia reaquece setor de terrenos e total de lotes disponíveis despenca

De 2018 para cá, o total de lotes disponíveis recuou à metade: de 125,4 mil para 67,4 mil. Só no ano passado, a queda foi de 33%, de acordo com a Aelo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies