Menu
2019-03-12T17:49:44-03:00
Estadão Conteúdo
Discurso dos otimistas

Maia diz que reforma da Previdência pode ser votada na CCJ até o fim do mês

Presidente da Câmara confirmou que a comissão será instalada na quarta-feira e afirmou que o diálogo sobre a reforma está avançando

12 de março de 2019
17:49
Rodrigo Maia
Maia disse que é preciso 350 votos para ter uma margem para votar a Previdência - Imagem: André Dusek/Estadão Conteúdo

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta terça-feira, 12, que a reforma da Previdência deverá ser votada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) até o dias 27 ou 28 de março. A comissão será instalada nesta quarta-feira, 13, e a proposta começará a tramitar. Se for aprovada, ela passa a ser analisada em uma comissão especial.

Para Maia, o diálogo sobre a reforma está avançando e o projeto vai ficando mais claro. "Os parlamentares vão entendendo a importância da votação da matéria", disse. O presidente foi questionado sobre a liberação de emendas por parte do governo em troca da aprovação da Nova Previdência e também de cargos. "Não estou sabendo sobre liberação de emendas. Há uma tramitação normal das emendas impositivas que é feita independentemente do governo, vai se criando um debate sobre algo que não existe", disse.

Sobre o "banco de talentos", ele afirmou que sempre foram feitas nomeações técnicas para o governo, embora, alguns possam "ter errado no nome". Maia elogiou o ministro da Economia, Paulo Guedes, e disse que, apesar dele nunca ter feito política, tem sido um bom articulador.

Para ele, o protagonismo da reforma é de Guedes e do presidente Jair Bolsonaro. "É importante que o governo assuma esse protagonismo", disse. "Se eles não lideram esse processo dificulta muito a tramitação e a votação da matéria na Câmara dos deputados", disse.

Pacto federativo

Maia afirmou que, sobre o pacto federativo, tem receio "de que alguns foquem num tema e esqueçam do outro". "Fico preocupado porque para um governador desvincular o orçamento em seu Estado, talvez resolva o problema nos quatro anos dele e ele possa abrir mão da Previdência", disse. Para Maia, se o problema de curto prazo de alguns estados for solucionado, pode "tirar a vontade" de votar a Previdência. "Essa é minha preocupação. Agora, acho que pode tramitar junto e pode avançar", disse.

Em relação à pressão dos servidores públicos, ele minimizou a questão. "Servidor público que sabe fazer conta vai defender reforma, porque, se não for assim, quem vai ficar sem receber salário são os servidores públicos. Assim já acontece em Estados e municípios e assim vai acontecer no governo federal", disse.

Por fim, Maia disse que é preciso 350 votos para ter uma margem para votar a Previdência. O necessário para que a reforma seja aprovado em dois turnos no plenário são 308 votos em cada uma das vezes.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Airbus A320

Itapemirim começa a receber aeronaves para voos comerciais após Anac autorizar

A Itapemirim diz que a segunda aeronave Airbus A320 de sua frota deve chegar ao aeroporto de Confins (MG) neste domingo

Efeito reverso

Elon Musk fez piada sobre o Dogecoin na TV aberta — e as cotações desabaram

Elon Musk fez a aguardada participação no SNL no último sábado, fazendo piada sobre si mesmo e falando do Dogecoin — mas a cotação caiu forte

Pesquisa da FGV

Presente mais caro: inflação do Dia das Mães é a maior dos últimos quatro anos

Levantamento da FGV mostra que a inflação no Dia das Mães é a maior desde 2017; eletrodomésticos e passagens aéreas tiveram maiores saltos

Expansão

SPX Capital assume operações do Carlyle no país

As operações do Carlyle no Brasil serão absrovidas pela SPX Capital. Com isso, a gestora de Rogério Xavier se expande em private equity

ESTRADA DO FUTURO

Um pé no abismo e outro na casca de banana: como identificar ações de empresas decadentes

Excesso de otimismo, planos mirabolantes e desprezo pela inovação estão entre as receitas para uma empresa falhar, segundo o gestor que se dedicou a descobrir empresas terríveis

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies