Menu
2019-04-05T10:19:43-03:00
Estadão Conteúdo
Ex-presidente do BC

Gustavo Franco vê “ambiente favorável inédito” para reforma da Previdência

Para Franco, uma eventual tramitação em paralelo no Congresso da Previdência com o pacote anticorrupção do ministro da Justiça Sergio Moro não deve atrapalhar a aprovação da Previdência

1 de abril de 2019
11:05 - atualizado às 10:19
gustavo-franco
Gustavo Franco - Imagem: Felipe Rau/Estadão Conteúdo

O economista Gustavo Franco, sócio da gestora Rio Bravo e ex-presidente do Banco Central (BC), avalia que a reforma da Previdência conta com "ambiente favorável inédito" na opinião pública favorável ao assunto e há "indicativos muito bons" de que as medida serão aprovadas.

"Minha impressão é que a economia fiscal vai ficar mais perto do texto original", disse ao Broadcast nesta segunda-feira, ao participar do evento "Estadão Discute Corrupção", realizado na sede do jornal O Estado de S.Paulo em parceria com o Centro de Debate de Políticas Públicas (CDPP) e a editora Companhia das Letras para discutir as operações Lava Jato e Mãos Limpas.

"A ideia de desidratação soa como uma derrota do projeto e isso não pode acontecer", afirmou o ex-presidente do BC. O texto original prevê economia fiscal em 10 anos de R$ 1,1 trilhão. Para Franco, uma eventual tramitação em paralelo no Congresso da Previdência com o pacote anticorrupção do ministro da Justiça Sergio Moro, também presente no evento, não deve atrapalhar a aprovação da Previdência, pois são temas diferentes, uma de economia e outra de segurança. O complicado seria se fossem dois temas polêmicos da mesma área.

Para Franco, em razão da complexidade da reforma da Previdência, é natural que o projeto precise de tempo. "O texto é grande, complexo. A discussão no âmbito do Congresso é longa", disse ele, ressaltando que o ambiente favorável hoje para o tema é diferente de outros momentos no passado quando se tentou fazer uma reforma da Previdência e as condições eram mais adversas.

"Há indicações muito boas de aprovação." A prioridade do ministro da Economia, Paulo Guedes, na reforma da Previdência é acertada, avalia Franco. "É muito difícil ser diferente. É o primeiro assunto que tem que ser colocado."

Perguntado sobre os três primeiros meses de governo de Jair Bolsonaro, Gustavo Franco ressaltou que a transição de governo de Michel Temer para Bolsonaro é uma mudança importante de governo, com paralelo em outras como a do governo de Fernando Henrique para o de Luiz Inácio Lula da Silva.

"Não deixa de ser uma mudança paradigmática que atinge todas as estruturas de governo, possivelmente o jeito de governo, o jeito de os Poderes se relacionarem", afirmou o economista. "Essas coisas nunca estão prontas. Tem experimentos, tem adaptações", finalizou.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

gestão segue independente

Holding do BTG Pactual compra consultoria de energia PSR

Um dos principais objetivos da parceria é propiciar a expansão da companhia no mercado global de energia

recursos contra a doença

Câmara aprova liberação de R$ 1,9 bilhão para compra de vacinas contra Covid-19

Dinheiro vai custear contrato entre a Fiocruz, vinculada ao Ministério da Saúde, e o laboratório AstraZeneca; recursos virão da emissão de títulos públicos

permissão especial

Anvisa divulga regras para autorização emergencial de vacina contra covid-19

Modo simplificado terá menos exigências do que os registros de outros medicamentos e tratamentos, mas a agência declarou que serão garantidos requisitos de segurança

seu dinheiro na sua noite

Uma previsão (conservadora) para a bolsa em 2021

Depois de tudo que passamos em 2020 (e o ano ainda não acabou), eu admiro a coragem de quem se arrisca a fazer previsões para o desempenho dos investimentos. As estimativas podem parecer mero chute — e às vezes são mesmo — mas no geral têm fundamento. Com algum trabalho, é possível calcular o fluxo […]

emissão de dívida em dólar

Tesouro capta US$ 2,5 bilhões no exterior com títulos de 5, 10 e 30 anos

Houve forte demanda pelos títulos de dívida externa, que superou a oferta em mais de 3 vezes, diz instituição; volume emitido com bônus de 10 anos foi o maior, de US$ 1,25 bi

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies