Menu
2019-10-14T14:11:29-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Desceu quadrado

Guedes critica relatório sobre a reforma da Previdência e diz que cortes acabaram com o projeto

Ministro disse que o impacto fiscal reduzido da reforma tornou irrelevante a supressão da parte do texto original que permitia o sistema de capitalização

14 de junho de 2019
15:45 - atualizado às 14:11
Paulo Guedes
Ministro da Economia, Paulo Guedes - Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta sexta-feira, 14, que, como o relatório da proposta de emenda constitucional de reforma da Previdência na comissão especial da Câmara dos Deputados, elaborado pelo relator Samuel Moreira (PSDB-SP), teve seu impacto fiscal reduzido, tornou irrelevante a supressão da parte do texto original que permitia a implementação de um sistema de capitalização.

Ao apresentar o relatório na quinta-feira, o deputado Moreira informou que o impacto fiscal da proposta para a União, conforme o relatório, ficaria em R$ 913,4 bilhões em dez anos.

A meta da proposta do governo federal era de R$ 1,2 trilhão. No relatório, para compensar a perda de impacto fiscal com mudanças propostas, o relator sugeriu aumentar a alíquota da Contribuição sobre Lucro Líquido dos bancos de 15% para 20%, o que renderia R$ 5 bilhões por ano. O relatório também sugeriu a transferência dos repasses do FAT do BNDES para a Previdência.

"Não precisava nem tirar a emenda de capitalização. Só o fato de tirar (economizar) R$ 860 bilhões, já acabou com a nova Previdência. Achei redundante tirar a emenda de capitalização. Não vamos fazer mesmo", afirmou Guedes, já entrando no carro, após participar de evento no Consulado-Geral da Itália, no Rio.

A jornalistas, Guedes disse que, com as mudanças do relatório, a economia fiscal da reforma da Previdência ficou em R$ 860 bilhões em dez anos, e não nos R$ 913,4 bilhões informados pelo relator.

Para ele, está vencendo a velha Previdência. "Se sair só R$ 860 bilhões de cortes, o relator esta dizendo o seguinte: abortamos a Nova Previdência e gostamos mesmo da velha Previdência. Cedemos ao lobby dos servidores públicos, que eram os privilegiados", afirmou o ministro.

O ministro ainda fez críticas com relação à inclusão de novos impostos para compensar os cortes da reforma. "Isso aí (o valor de R$ 913,4 bilhões anunciado) estão pegando imposto, botando imposto sobre banco. Isso é política tributária. Estão buscando dinheiro de PIS/Pasep, mexendo em fundos. Estão botando a mão no dinheiro do bolso dos outros", afirmou.

Guedes também lamentou o fato de o relatório de Moreira deixar de fora da reforma previdenciária os Estados e municípios, "porque eles estão fragilizados financeiramente".

"Se fizerem um numero de R$ 860 bilhões, estão dizendo que vamos ter problemas lá na frente, porque Estados e municípios estão fora", afirmou o ministro.

Segundo Guedes, com a reforma do jeito que ficou após o relatório, será necessário fazer novos ajustes no futuro. "Para o governo Bolsonaro, está resolvido. Já levantaria os R$ 860 bilhões. Agora, daqui a cinco ou seis anos tem outra reforma. Continuam com a velha Previdência", afirmou o ministro.

Guedes também comentou rapidamente os protestos contra a reforma da Previdência, que tomam as ruas do País nesta sexta-feira. Para o ministro, os atos deveriam ser aos sábados e domingos, para não atrapalhar o trânsito, o que segundo ele serve para dar a impressão que os protestos são grandes.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

CORONAVÍRUS

Janet Yellen diz que, dependendo de como o vírus se espalhar, impacto pode levar os EUA a recessão

Mas ela fez algumas ressalvas e disse que ainda vê um cenário bastante sólido nos Estados Unidos

Sem alívio

Aversão ao risco continua elevada e mantém o Ibovespa em queda firme; dólar sobe a R$ 4,45

Os mercados seguem cautelosos com os desdobramentos do coronavírus. Nesse cenário, o Ibovespa dá continuidade às perdas de ontem, enquanto o dólar à vista busca novas máximas

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

olho no indicador

Índice que corrige o aluguel, IGP-M cai 0,04% em fevereiro

Com o resultado, indicador acumula variação de 6,82% nos 12 meses encerrados em fevereiro e de 0,44% em 2019

diálogo difícil

Reino Unido inicia diálogo comercial com UE com ameaça de abandoná-lo

Governo britânico admite que o tempo é “limitado”, mas “suficiente” para que um acordo preliminar seja alcançado nos próximos quatro meses

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

9 notícias para você começar o dia bem informado

É hora de soprar as cinzas da quarta-feira e encarar uma nova realidade de mercados mais voláteis e incertos. Os humores devem continuar a variar conforme dados sobre o avanço ou retrocesso do coronavírus forem divulgados.  Além da questão sanitária, o investidor deve refletir sobre as consequências reais do surto para a economia e o […]

olho nas cifras

Ambev registra lucro de R$ 12,5 bilhões em 2019

No quarto trimestre, lucro líquido ajustado chegou a R$ 4,6 bilhões, numa alta de quase 25%; ADRs da companhia, no entanto, caem no pré-mercado de NY

Esquenta dos mercados

Pressão do coronavírus continua e mercados globais seguem no vermelho

Incertezas com o impacto da doença na economia global é um dos maiores fatores para a queda. Enquanto o indicador segue incerto, a doença continua se alastrando pelo globo

barrados no baile

Facebook vai banir anúncios que prometem cura do coronavírus

Em meio à histeria por conta da epidemia do vírus, golpistas têm aproveitado para enganar pessoas pela internet, vendendo falsas soluções

agora vai?

Redes de shoppings voltam a investir em prédios residenciais e comerciais

Estimuladas pela melhora da atividade econômica e queda das taxas de juros, as companhias começam, aos poucos, a tirar da gaveta seus planos de expansão nessa área

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements