Menu
2019-10-14T14:30:53-03:00
Estadão Conteúdo
Os efeitos da reforma da Previdência

CSLL das corretoras deveria cair, em vez de subir para 20%, defende Ancord

Aumento da alíquota para instituições financeiras constou no parecer do relator da reforma da Previdência, Samuel Moreira

25 de junho de 2019
18:52 - atualizado às 14:30
img20190425130235702MED
Relator, dep. Samuel Moreira (PSDB - SP) - - Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Uma elevação da alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) das corretoras e distribuidoras de 15% para 20% poderá minar o fôlego dessas companhias em manter seus negócios em um ambiente cada vez mais competitivo, com alta demanda por investimentos em tecnologia.

Para o presidente da Ancord, associação que reúne as corretoras e distribuidoras, Edgar Ramos, o ideal para o setor seria, diante do atual contexto, uma redução da taxa para 9%.

"Precisamos manter nosso sistema independente e funcionando e sendo bem remunerado", afirma Ramos, em entrevista ao Broadcast/Estadão.

O aumento da alíquota para 20% para instituições financeiras constou no parecer do relator da reforma da Previdência, Samuel Moreira (PSDB-SP). O intuito com tal aumento seria o de elevar arrecadação do governo, como forma de compensar uma economia menor do que a esperada com a reforma da Previdência.

Segundo Ramos, tal medida está na contramão do momento vivido no Brasil, no qual o brasileiro precisará buscar novos tipos de investimentos em um cenário de baixas taxas de juros.

"É preciso reduzir a alíquota para 9% para que o setor seja equiparado às demais empresas do Brasil. Por outro lado, se aumentar, será o mesmo que dizer que nosso setor não é necessário no País", afirma.

Um exemplo, comenta, é o fato do ranking de corretoras no Brasil ter nas primeiras colocações, primordialmente, casas estrangeiras. "Nas corretoras brasileiras faltam investimentos e tecnologia", diz ele.

Além do fato de um aumento da alíquota ter o potencial de tirar corretoras do mercado, o setor de corretoras e distribuidoras responde apenas por 1% do lucro agregado das instituições financeiras, comenta.

"Um aumento da alíquota faria pouco diferença em termos de contribuição ao governo", diz. O executivo destaca, ainda, que o momento é o de fortalecer as corretoras, que precisam funcionar com um canal de distribuição de oportunidades de investimentos.

A questão em Brasília sobre o aumento da alíquota da CSLL para instituições financeiras está sendo encabeçada pela Confederação Nacional das Instituições Financeiras (CNF), que tem direcionado o assunto.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Seleção da bolsa

As ações favoritas para o mês de março, segundo 13 corretoras

Com o cenário de incertezas ainda em alta, o mercado opta mais uma vez para papéis que podem atuar como porto seguro. Confira as principais recomendações dos analistaws

Sextou com o Ruy

A rentabilidade do vizinho é maior que a sua? Tome cuidado com os ganhos dos “traders perfeitos”

A inveja é, sem dúvida alguma, uma das piores inimigas de um investidor – isso se não for a pior. E quando estamos em um bull market (mercado em alta) parece que temos que lidar o tempo todo com ela

Vêm proventos por aí

B3 anuncia quase R$ 2 bi em dividendos, além de recompra e desdobramento de ações

Conselho de administração da companhia aprovou pagamento de dividendos do quarto trimestre e dividendos extraordinários referentes a 2020

Cenário pandêmico

B3 lucra R$ 4,2 bilhões em 2020, alta de 53%, com volatilidade dos mercados, ofertas de ações e juros baixos no Brasil

Cenário pandêmico acabou beneficiando os resultados da companhia, resultando em volatilidade e juros baixos que impulsionaram investidores e empresas a recorrerem ao mercado de capitais

O melhor do seu dinheiro

A semana que vem, enfim, chegou

Depois de uma série de adiamentos, a PEC Emergencial enfim foi aprovada em dois turnos pelo Senado. A medida permitirá o retorno do auxílio emergencial, que ficará limitado ao teto de R$ 44 bilhões, que quase foi derrubado, mas acabou ficando. O texto segue agora para a Câmara dos Deputados. O avanço foi comemorado pelo […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies