Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-02T17:11:38-03:00
Estadão Conteúdo
Evitou entrar na briga

Cronograma de votação quem define é o parlamento, diz Marinho, sobre reforma

Secretário disse que o fato de 13 partidos terem se posicionado contra alguns pontos da proposta, como BPC e aposentadoria rural, não significa que essas legendas se recusarão a dialogar e a votar a reforma

27 de março de 2019
12:49 - atualizado às 17:11
Previdência Social,Reforma da Previdência

Após o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, Felipe Francischini (PSL-PR), marcar a votação da admissibilidade da reforma da Previdência no colegiado para o dia 17 de abril, o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, evitou responder se está mantida a previsão do governo da votação da proposta nas duas casas legislativas ainda neste primeiro semestre. "Cronograma de votação quem define é o Parlamento", limitou-se a dizer.

O secretário disse que o fato de 13 partidos terem se posicionado contra alguns pontos da proposta, como BPC e aposentadoria rural, não significa que essas legendas se recusarão a dialogar e a votar a reforma.

Para Marinho, esse é um indicativo de que esse grupo de parlamentares fará emendas na comissão especial para alterar a proposta do governo. "Não acreditamos que o projeto sairá incólume, será aperfeiçoado", disse.

A ideia do governo é continuar o trabalho de conversas com as bancadas e os parlamentares sobre a reforma. Na comissão especial, os técnicos abrirão números detalhados do impacto que cada uma das medidas representam dentro da proposta. Marinho ressaltou que o Congresso tem a prerrogativa de mudar a proposta. "Nossa missão é continuar defendendo o projeto do governo", afirmou.

Em caso de eventuais mudanças, Marinho defende que o debate seja transparente. Ele faz um alerta que se a economia for menor que R$ 1 trilhão em dez anos haverá menos espaço no Orçamento para retomar investimentos.

O secretário destacou ainda que a pauta da Previdência "está acima de questões menores".

Sobre a posição dos 13 partidos contra a desconstitucionalização das regras previdenciárias, Marinho voltou a dizer que qualquer eventual mudança cabe ao Congresso.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

roxinho com mais crédito

Nubank promete aumentar limite em cartão de crédito de 35 milhões de clientes

Segundo a companhia, até o final de 2021, 10 milhões de clientes serão impactados pela novidade do cartão; três milhões em agosto

A vida depois da pandemia?

Ações da Multiplan sobem 5% após balanço que mostra recuperação dos shoppings

Resultados mostram avanço nas vendas e nas receitas de aluguel, à medida que a vacinação avança e os shoppings reabrem

Balanço sólido

Lucro líquido da Mastercard dispara 46% e vai a US$ 2 bilhões no segundo trimestre; resultado superou previsões dos analistas

O resultado foi impulsionado, segundo o CEO da empresa, pela contínua recuperação dos gastos domésticos e internacionais

De olho no futuro

Lucro e receita acima do esperado, mas ação em baixa. O que acontece com a Ambev?

Como de costume, mercado toma decisões baseado nas projeções, e segundo analistas, custos de produção e margens ainda preocupam

Estreia do dia

Brisanet estreia na bolsa em queda de mais de 4% após IPO no piso da faixa indicativa

A empresa desembarca na bolsa brasileira após uma oferta bilionária que levantou R$ 1,4 bilhão, com os papéis no piso da faixa indicativa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies