Menu
2019-04-04T12:35:51-03:00
Estadão Conteúdo
Presença nas redes sociais

Campanha paralela de Carlos Bolsonaro por Reforma da Previdência ataca oposição

Peças publicadas no Twitter adotaram estratégia de campanha eleitoral, atacando PT, MST, PSol, PDT, PCdoB e MTST e fez surgir uma “guerra de hashtags”

25 de março de 2019
11:24 - atualizado às 12:35
Carlos Bolsonaro
Carlos Bolsonaro - Imagem: Fábio Motta/Estadão Conteúdo

Diante das críticas pela falta de empenho pessoal de Jair Bolsonaro no debate sobre a reforma da Previdência na internet, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente, iniciou uma mobilização na rede em torno do pai para aprovar a reforma com ataques a partidos e entidades de oposição ao governo.

Peças publicitárias divulgadas pelo parlamentar no Twitter, na semana passada, adotaram a estratégia do "Nós contra eles" da campanha eleitoral, afirmando que PT, MST, PSol, PDT, PCdoB e MTST estão unidos na defesa das altas aposentadorias concedidas a "políticos" e juízes.

A campanha paralela à do governo logo detonou uma guerra de hashtags neste fim de semana no Twitter e no Facebook. De um lado a rede bolsonarista divulgou a hashtag #EuApoioNovaPrevidencia. E, do outro lado, internautas contrários ao governo espalharam #LutePelaSuaAposentadoria.

Numa das peças, Carlos destacou que a aposentadoria média de políticos e membros do Judiciário é de R$ 28 mil e R$ 26 mil, respectivamente, enquanto a do brasileiro comum é de R$ 1.240. A mensagem prega que, com a Nova Previdência, "você, políticos e juízes" vão ganhar um benefício com teto de R$ 5,8 mil.

Técnicos da equipe econômica do governo disseram à reportagem que a campanha "agressiva" contra os partidos de oposição é "coisa da cabeça do Carlos". A expectativa é que uma nova leva de peças publicitárias do governo chegue a aos outdoors e outros espaços das cidades nesta semana, mas num tom de conciliação. A proposta do governo é engajar "todos os setores".

Enquanto o Planalto não lançava sua campanha, a rede bolsonarista recrudescia contra a oposição na internet. "Pare de cair em papo furado de pessoas que mal sabem fazer as quatro operações básicas da matemática", destacou uma das mensagens. Numa tabela também divulgada na rede, a campanha ressaltou que, com a Nova Previdência, quem ganha R$ 1 mil contribuirá com 7,5%, menos que os atuais 8%. Já a contribuição de quem recebe mais de R$ 5 mil passará de 11% para 11,68%.

Na entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo na sexta-feira, 22, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, ressaltou ter conversado com a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann, sobre a importância de se obter o voto favorável à reforma de todos. "Não dá para dispensar voto de nenhum partido", alertou Maia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Ivan Sant'Anna

O novo superciclo das commodities já é uma realidade. Como você pode ganhar dinheiro com ele

Nas últimas décadas, tivemos três grandes bull markets de commodities. Agora, os astros estão se alinhando para um novo superciclo

Contas brasileiras em jogo

STF retoma julgamento sobre ICMS e PIS/Cofins; decisão pode ter impacto de R$ 258,3 bilhões para União

Os ministros já haviam declarado inconstitucional a cobrança de ICMS na base de cálculo do PIS/Cofins, mas o governo pede que a decisão não tenha efeito retroativo

São Jorge e o dragão inflacionário

A grande e ameaçadora besta da inflação começa a sair do seu sono profundo. Aos poucos, movimenta as asas e mexe sua cauda incendiária. Um vagaroso e temerário despertar. Nem de longe está cuspindo fogo — e quem viveu no Brasil nos anos 80 e 90 lembra bem do seu poder destrutivo. Mas mesmo o […]

FECHAMENTO

Dragão americano da inflação assombra ativos globais e resultado é bolsa, dólar e juros sob pressão; Ibovespa recua 2% e volta aos 119 mil pontos

A pressão inflacionária superou até mesmo o cenário político interno caótico nos holofotes do mercado e levou o principal índice brasileiro a amargar uma queda brusca

Primeiro encontro

Presidentes de Petrobras e BR se reúnem para tratar da saída da estatal da distribuidora

Os executivos, que assumiram os cargos há cerca de uma vez, discutirão a venda da participação de 37,5% que a Petrobras ainda detém na empresa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies