Menu
2019-06-14T19:34:44-03:00
Estadão Conteúdo
Agora vai?

Anbima vê avanço no ambiente político, mas diz que há dúvidas se é duradouro

Uma vez aprovada a reforma, Comitê Macroeconômico da Associação diz ter dúvidas sobre a intensidade de aceleração do Produto Interno Bruto

14 de junho de 2019
19:34
Bandeira do Brasil em meio a tempestade
Brasil - Imagem: Shutterstock

O Comitê Macroeconômico da Anbima se reuniu nesta sexta-feira, 14, e a avaliação dos economistas é que houve avanço no ambiente político em Brasília nas últimas semanas, mas a dúvida é se esta melhora é persistente ou transitória.

O diretor do Comitê, Luiz Fernando Figueiredo, ex-diretor do Banco Central e sócio da Mauá Capital, ressalta que houve discussão se o avanço é somente para aprovar a reforma da Previdência ou se mais permanente, para a agenda do governo de Jair Bolsonaro.

Aprovada a reforma, Figueiredo destaca que há dúvidas no Comitê sobre a intensidade de aceleração do Produto Interno Bruto (PIB).

Há algum tempo, havia mais consenso de que a atividade fosse se recuperar com a reforma, mas agora a discussão é qual será o ritmo dessa melhora.

Não se sabe, por exemplo, se o governo vai conseguir avançar com outras agendas da pauta econômica após a Previdência.

"A reforma da Previdência vai produzir impacto na economia, a dúvida é o tamanho", disse Figueiredo.

Para o Comitê, é preciso sucesso do governo em novas medidas econômicas após aprovar a reforma para fazer o PIB avançar mais rapidamente. Para 2020, a previsão é que o PIB avance 2,2%.

A previsão da Anbima é que o PIB, após contrair no primeiro trimestre, deve crescer apenas 0,3% no segundo período de 2019. "A impressão é que a economia não está indo para lugar nenhum, talvez um pouco para trás", disse o ex-diretor do BC.

Juros

O Comitê Macroeconômico da Anbima se reuniu nesta sexta-feira e o consenso entre 25 economistas que fazem parte é que é muito difícil o Banco Central não sinalizar na reunião de política monetária da semana que vem mudança no balanço de riscos para a inflação, que melhorou, avalia o presidente do Comitê, Fernando Honorato Barbosa, e economista-chefe do Bradesco.

A Anbima espera agora corte de juros este ano pelo BC. Até a reunião anterior do Comitê, a expectativa era de manutenção das taxas. Mudanças do cenário internacional, a fraca atividade econômica e redução das estimativas para a inflação estão entre os fatores que apoiam um corte de juros.

A mediana das previsões do Comitê prevê que o corte comece em setembro ou seja ainda antes previsão de aprovação final da reforma da previdência no Congresso, esperada para ocorrer mais para o fim do ano.

Um dos membros da Anbima que acredita que o corte deve começar antes é o diretor do Comitê, Luiz Fernando Figueiredo. Ele afirma que se o corte vier neste mês, ou seja, sem os documentos da autoridade monetária sinalizarem uma redução, esse movimento não arranharia a credibilidade da instituição.

"Credibilidade não é ter juro alto, ou mais alto do que deveria", disse ele, destacando que mudaram muito rapidamente os fatores que amparavam a manutenção da Selic.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Nova operação

Lava Jato mira ex-funcionário da Petrobras pela 2ª vez por US$ 2,2 mi em propinas

Agentes cumprem dois mandados de busca e apreensão em Angra dos Reis e Araruama, no Rio de Janeiro

diversificação

BR Distribuidora entra para o mercado de comercialização de eletricidade

Empresa adquire participação na comercializadora Targus Energia por R$ 62,1 milhões, de olho na atração de novos clientes

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

9 notícias para começar o dia bem informado

Os investidores estão no meio de um cenário nebuloso. Neste momento, não dá para enxergar com clareza o que vem pela frente. Há chances grandes de esbarramos nas seguintes situações: A segunda onda de covid-19 chega ao Brasil e o isolamento social fica mais forte. Shoppings e restaurantes voltam a ser fechados nas grandes cidades. A pandemia […]

esquenta dos mercados

Com bolsas americanas fechadas, embate entre Guedes e Campos Neto ganha os holofotes

O ministro da Economia rebateu as críticas do presidente do Banco Central, que disse que o governo precisa de um plano mais concreto para passar credibilidade e maior confiança com o cenário fiscal,

NOVAS METAS

Petrobras planeja investir US$ 55 bilhões até o final de 2025

Plano estratégico prevê que maior parte dos recursos serão destinados ao pré-sal e redução da dívida bruta a US$ 60 bilhões até 2022

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies