🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2019-05-10T17:32:29-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
depois da Previdência

Para Guedes, pacto federativo será aprovado “relativamente rápido”

Segundo o ministro da Economia, medida fará parte de uma agenda positiva que será lançada após a conclusão da reforma da Previdência

10 de maio de 2019
14:41 - atualizado às 17:32
06/05/2019 Reunia?o com o Ministro da Economia, Paulo Guedes
Para o ministro, governos anteriores não quiseram enfrentar o conflito que é promover uma reforma como a de Bolsonaro - Imagem: Isac Nóbrega/PR

O ministro da Economia, Paulo Guedes, diz acreditar que não terá dificuldade de aprovar um pacto federativo. Para ele, governadores e prefeitos concordam sobre a necessidade de promover mudanças.

Segundo Guedes, o pacto fará parte de uma agenda positiva que será lançada após a conclusão da reforma da Previdência.

Entre as mudanças previstas, o ministro citou a desvinculação de receitas e despesas dos orçamentos de Estados e municípios e também a redução da alíquota de imposto de importação, que deve cair 10% em média. A redução deve ser gradativa, ano a ano, segundo o ministro.

O ministro falou durante uma palestra no 31º Fórum Nacional, que acontece em escritório do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no Centro do Rio.

Dinâmica virtuosa

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta sexta-feira, 10, que o Brasil está vivendo uma dinâmica virtuosa. Para ele, essa é mais uma razão para "atacar" a Previdência Social.

"Tenho convicção de que estamos numa dinâmica virtuosa, por isso que tem que atacar a reforma da previdência ou vai explodir o teto, se formos pelo caminho da Argentina, ou da Venezuela", disse.

Guedes afirmou que os governos anteriores não quiseram enfrentar o conflito que é promover uma reforma como pretende o governo de Jair Bolsonaro, e que antes da atual gestão "quebraram tudo para ver o que acontece no final", referindo-se aos déficits nas contas de estatais, municípios e estados herdados dos governos anteriores.

Ele criticou também o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico (BNDES) pelos empréstimos que fez nos governos passados, que, segundo Guedes, poderiam ter sido feitos por qualquer banco privado.

Segundo o ministro, o Banco Central foi a única instituição que conseguiu ficar fora de uma administração lesiva porque aperfeiçoou os seus algoritmos (modelos).

"O BNDES tem que ter os algoritmos do BC, tem que trabalhar o aperfeiçoamento dos algoritmos de vocês", disse ao lado do presidente do banco, Joaquim Levy, ressaltando que foi justamente para fazer isso que trouxe Levy de fora do País para o cargo.

Para Guedes, o banco tem que ser mais seletivo nos seus empréstimos e analisar a necessidade do País, não apenas dos empresários.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Mais uma vítima

Após tomar calote do 3AC, exchange Voyager Digital suspende saques, depósitos e negociações de clientes

Corretora de criptomoedas tomou calote de mais de US$ 670 milhões, mas, apesar de ter tomado empréstimos, precisou paralisar atividades

Bancões na área

Vão sobrar uns cinco ou dez bancos digitais, e o Next está entre eles, diz CEO do banco digital do Bradesco

Renato Ejnisman diz ainda que Next visa a mais aquisições e pensa ainda em internacionalização

No vermelho

Magazine Luiza (MGLU3) é a ação com o pior desempenho do Ibovespa no primeiro semestre de 2022; outras varejistas e techs também sofreram no período

Com queda acumulada de quase 70% no ano, ações do Magalu são as piores do Ibovespa no semestre que acaba de terminar

Proteção

Qual título público comprar no Tesouro Direto? Santander recomenda papel indexado à inflação para o mês de julho; veja qual

Recomendação do banco para o Tesouro Direto visa proteção contra a inflação e possibilidade de valorização

enxugando gelo

Alivia agora para apertar depois: corte de impostos sobre combustíveis e energia reduz estimativas de inflação para 2022, mas pressão volta em 2023

Economistas revisam suas projeções para o IPCA e alertam que fiscal e volta do PIS/Cofins podem voltar a bater na inflação no ano que vem

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies