Menu
2019-05-06T11:32:08-03:00
Estadão Conteúdo
'Resfriamento na economia'

PMI composto cai de 53,1 em março para 50,6 em abril, mostra IHS Markit

IHS Markit avalia que a queda do PMI de serviços foi consistente com a estagnação do volume de produção do setor no mês. Já a quantidade de novos trabalhos cresceu pelo sétimo mês consecutivo, mas com o menor ritmo desde outubro

6 de maio de 2019
11:32
Gráfico indicando queda
Gráfico indicando queda - Imagem: Shutterstock

O índice de gerente de compras (PMI, na sigla em inglês) composto do Brasil caiu de 53,1 em março para 50,6 em abril, informou a IHS Markit nesta segunda-feira, 6. A queda foi resultado do pior desempenho do PMI de Serviços, que recuou de 52,7 para 49,9, e também do PMI industrial, que cedeu de 52,8 para 51,5 no mês passado, conforme foi divulgado na quinta-feira, 2. O PMI de serviços ficou abaixo da marca crítica de 50, que sugere expansão da atividade.

"Os dados do PMI para o setor de serviços reforçam a mensagem de um resfriamento na economia conforme o indicado pelos dados divulgados para o setor industrial em 2 de maio", sintetiza a economista da IHS Markit, Pollyanna de Lima.

A IHS Markit avalia que a queda do PMI de serviços foi consistente com a estagnação do volume de produção do setor no mês. Já a quantidade de novos trabalhos cresceu pelo sétimo mês consecutivo, mas com o menor ritmo desde outubro, se atenuando consideravelmente em relação ao pico de onze anos e meio observado em março, diz a IHS Markit.

Em abril, contudo, houve recuperação nos totais de venda, impulsionado pelo mercado interno, já que houve contração sólida de novos pedidos para a exportação. Quanto ao nível de emprego, as empresas do setor de serviços no Brasil registraram redução no período.

Os preços de insumos aumentaram no ritmo mais rápido em cinco meses, superando a média de longo prazo da pesquisa. Assim, alguns provedores de serviços elevaram seus preços para tentar manter as margens de lucro, mas a taxa de inflação se atenuou ante a março.

Os empresários mantiveram-se otimistas de que a atividade aumentará nos próximos 12 meses, mas o grau de otimismo caiu, atingindo um recorde de baixa em dez meses.

"Preocupações com as políticas do governo, privatizações e falências estiveram entre os fatores que restringiram o grau de sentimento positivo", afirma a instituição.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Precavidos

Toyota prevê mercado 25% maior em 2021, mas diz ter até ‘Plano X’

“Temos reunião com fornecedores toda semana e estamos caminhando com nosso plano”, afirmou o presidente da Toyota no Brasil.

fechando a conta

Em sessão volátil, Ibovespa fecha em baixa com tombo de bolsas nos Estados Unidos, mas mantém 101 mil

Índice chegou a perder 100 mil pontos, refletindo aversão ao risco no exterior com repique de casos de coronavírus lá fora que derrubou bolsas americanas e europeias. Dólar também recua, enquanto juros sobem em semana de Copom

Sem resultado

STF suspende julgamento de tributação por Estados de herança enviada do exterior

Um pedido de vista do ministro do STF, Alexandre de Moraes, suspendeu a votação, que não tem data para ser retomada.

Vai entrar?

Ant Group, de Jack Ma, deve levantar US$ 35 bi no maior IPO da história

Antes de seu IPO, a Ant será avaliada em aproximadamente US$ 280 bilhões.

dia negativo

Ações de shoppings, aéreas e CVC tombam no Ibovespa com repique de covid-19 lá fora

Investidores temem aumento de casos do coronavírus nos Estados e na Europa, ponderando possíveis medidas de distanciamento social com efeitos sobre essas empresas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies