Menu
2019-05-28T19:12:17-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
É agora ou nunca

Diretor da FGV defende ajuste fiscal rápido e diz que Guedes “começa a sentir pressão”

Yoshiaki Nakano defendeu um grande corte de gastos acompanhado de flexibilização da política monetária e desvalorização cambial para estimular a economia

28 de maio de 2019
19:12
O ministro da economia do governo Bolsonaro, Paulo Guedes
Paulo Guedes - Imagem: Jefferson Rudy/Agência Senado

O diretor da Escola da Economia da Fundação Getúlio Vargas, Yoshiaki Nakano, defendeu que o ajuste fiscal seja feito de forma rápida ou "teremos um inferno".

"O ministro da Economia Paulo Guedes está começando a sentir pressão e dificuldade. Quanto tempo ele vai aguentar? Em quanto tempo vamos fazer a reforma", questionou, em evento do Conselho de Assessoramento Técnico (CAT) da Instituição Fiscal Independente (IFI).

Nakano defendeu um corte grande de gastos acompanhado de flexibilização da política monetária e desvalorização cambial para estimular o economia brasileira."Estamos em uma enrascada feia e o grande problema é o estado brasileiro", acrescentou.

O economista disse ainda que é preciso mudar a dinâmica dos gastos públicos brasileiros e que só aumentar impostos não adianta, porque as despesas continuam em crescimento.

Imposto unificado

No mesmo encontro da IFI, economistas também fizeram discursos em defesa das mudanças no sistema tributário brasileiro. O diretor do Centro de Cidadania Fiscal, Bernard Appy, defendeu a criação de regras unificadas para todos os contribuintes.

"O mero conceito de regra única já tem impacto positivo, tanto no crescimento quanto do ponto de vista distributivo. É um bom desenho", afirmou Appy, autor de estudos que baseiam a proposta de reforma tributária em tramitação no Congresso Nacional.

O ex-presidente do Banco Central Gustavo Loyola também ressaltou a necessidade de mudanças tributárias. "Nosso sistema tributário contribui em muito para as ineficiências que existem na economia brasileira", afirmou.

Ele defendeu ainda o projeto de autonomia do Banco Central e disse que há espaço para a autoridade monetária baixar juros "um pouco mais".

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Energia elétrica

IPCA pode ir a 6,5% na bandeira vermelha

A bandeira vermelha 2, que tem custo adicional de R$ 6,243, iria a R$ 7,571 caso adotada a proposta da consulta pública

Esquenta dos Mercados

Relatório da inflação, leitura do PIB dos EUA e queda de ministro devem guiar a bolsa hoje

Assim como uma noite no deserto, o investidor deve ficar atento aos sinais para atravessar um momento de dificuldade

Volta ao original

Câmara rejeita emendas do Senado e retoma texto original de MP que eleva imposto para bancos

Deputados retomaram a alíquota de 25% na CSLL também para as agências de fomento e bancos de desenvolvimento estaduais

Para dar e vender

Defensivas e com potencial de crescimento: como as ações do setor de saúde ainda podem dar muitas alegrias na bolsa

A combinação de baixo endividamento, bons níveis de caixa e espaço para consolidação tornam as ações do segmento muito atrativas, segundo analistas

Fernando Cirne

A importância das fusões e aquisições para a Locaweb

Já avaliamos mais de 1.900 empresas e, desde o IPO, concluímos 10 importantes aquisições, que se somaram às outras seis concretizadas antes da abertura de capital

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies