2019-05-28T19:12:17-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
É agora ou nunca

Diretor da FGV defende ajuste fiscal rápido e diz que Guedes “começa a sentir pressão”

Yoshiaki Nakano defendeu um grande corte de gastos acompanhado de flexibilização da política monetária e desvalorização cambial para estimular a economia

28 de maio de 2019
19:12
O ministro da economia do governo Bolsonaro, Paulo Guedes
Paulo Guedes - Imagem: Jefferson Rudy/Agência Senado

O diretor da Escola da Economia da Fundação Getúlio Vargas, Yoshiaki Nakano, defendeu que o ajuste fiscal seja feito de forma rápida ou "teremos um inferno".

"O ministro da Economia Paulo Guedes está começando a sentir pressão e dificuldade. Quanto tempo ele vai aguentar? Em quanto tempo vamos fazer a reforma", questionou, em evento do Conselho de Assessoramento Técnico (CAT) da Instituição Fiscal Independente (IFI).

Nakano defendeu um corte grande de gastos acompanhado de flexibilização da política monetária e desvalorização cambial para estimular o economia brasileira."Estamos em uma enrascada feia e o grande problema é o estado brasileiro", acrescentou.

O economista disse ainda que é preciso mudar a dinâmica dos gastos públicos brasileiros e que só aumentar impostos não adianta, porque as despesas continuam em crescimento.

Imposto unificado

No mesmo encontro da IFI, economistas também fizeram discursos em defesa das mudanças no sistema tributário brasileiro. O diretor do Centro de Cidadania Fiscal, Bernard Appy, defendeu a criação de regras unificadas para todos os contribuintes.

"O mero conceito de regra única já tem impacto positivo, tanto no crescimento quanto do ponto de vista distributivo. É um bom desenho", afirmou Appy, autor de estudos que baseiam a proposta de reforma tributária em tramitação no Congresso Nacional.

O ex-presidente do Banco Central Gustavo Loyola também ressaltou a necessidade de mudanças tributárias. "Nosso sistema tributário contribui em muito para as ineficiências que existem na economia brasileira", afirmou.

Ele defendeu ainda o projeto de autonomia do Banco Central e disse que há espaço para a autoridade monetária baixar juros "um pouco mais".

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Político pesa no Ibovespa, projeções melhores para VIIA3 e outros destaques do dia

A inflação global elevada e as apostas cada vez maiores de que o mundo deve enfrentar um cenário de recessão econômica continuam alimentando os ursos do mercado financeiro nos quatro cantos do mundo, monopolizando a atenção dos investidores.  Mesmo com um cenário marcado por uma forte aversão ao risco, os principais índices de Wall Street […]

AUMENTA O SOM

Ex-ministro Milton Ribeiro diz ter recebido ligação de Bolsonaro sobre busca e apreensão — ouça o áudio

O telefonema ocorreu em 9 de junho, antes do ex-chefe da pasta da Educação ter sido alvo da operação da Polícia Federal (PF), deflagrada na quarta-feira (22)

FECHAMENTO DO DIA

Brasília domina e Ibovespa cai mais de 1% na semana; dólar vai a R$ 5,25

Os ruídos fiscais em Brasília, assim como a tensão em torno da Petrobras (PETR4) dividiram o palco com o temor de uma recessão ao longo da semana do Ibovespa

FIM DO ABORTO LEGAL

Como a suspensão do direito ao aborto pela Suprema Corte dos EUA impacta as grandes empresas do país?

As big techs e os bancos americanos garantem o custeio ou reembolso de viagens para outros estados que permitem o aborto; Disney também se pronunciou

VAI E VOLTA

Uma Via de mão dupla: entenda por que o Citi melhorou a avaliação da varejista, mas cortou o preço-alvo de VIIA3 para R$ 2,80

Potencial de valorização dos papéis é de 23%, segundo o banco, que manteve a recomendação neutra para a empresa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies