Menu
2019-07-24T12:08:16-03:00
Racha nacional?

Onyx segue Bolsonaro e critica governadores do NE, mas garante pacto federativo

A despeito do endosso às críticas de Bolsonaro e da crise desencadeada pelos polêmicos comentários, considerados ofensivos a todos os nordestinos, porque Bolsonaro os classificou de “paraíbas”, Lorenzoni disse que tudo isso “faz parte do jogo político”

24 de julho de 2019
12:08
Onix Lorenzoni
Ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni - Imagem: Fábio Motta/Estadão Conteúdo

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), endossou as críticas que o presidente da República, Jair Bolsonaro, fez aos governadores da Paraíba e do Maranhão, respectivamente João Azevedo (PSB) e Flávio Dino (PCdoB), num áudio vazado na última sexta-feira, 19 em uma conversa com a imprensa estrangeira.

Lorenzoni era o interlocutor de Bolsonaro na conversa e disse que o comentário do mandatário, que gerou mais uma crise para o governo, ocorreu porque esses governadores "são muito agressivos com o governo e com o presidente, partindo até para o campo pessoal", criticou, em entrevista concedida na manhã desta quarta-feira, 24, à Rádio Gaúcha.

A despeito do endosso às críticas de Bolsonaro e da crise desencadeada pelos polêmicos comentários, considerados ofensivos a todos os nordestinos, porque Bolsonaro os classificou de "paraíbas", Lorenzoni disse que tudo isso "faz parte do jogo político" e que não haverá nenhuma espécie de boicote do governo federal a esses entes federativos.

Na entrevista à rádio, Lorenzoni disse que o presidente, antes de tomar posse, já havia pedido desculpas pelas "eventuais caneladas" que deu quando ainda era deputado federal, e que o presidente da República, nos comentários feitos na última sexta-feira, não quis se referir ao Nordeste de forma pejorativa quando falou dos "paraíbas".

"O presidente estava se referindo especificamente aos governadores dos Estados da Paraíba e do Maranhão", reiterou o ministro da Casa Civil. E partiu para o endosso das críticas: "estes dois, principalmente, têm um discurso em Brasília e outro em suas bases".

Lorenzoni assegurou, no entanto, que não há nenhuma intenção da gestão federal represar recursos aos Estados citados e que há o compromisso do governo em "fazer o pacto federativo, sem fechar as torneiras, inclusive ao Maranhão", cujo governador Flávio Dino foi classificado por Bolsonaro como "o pior deles (governadores nordestinos)".

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Gestão na crise

Ouro e euro: a combinação do BTG Pactual para proteção e reserva de valor na crise

Fundamentos para alta do ouro continuam válidos, mas não espere um “boom” do metal após valorização recente, diz José Lúcio do Nascimento, sócio e gestor da BTG Asset

Exclusivo SD Premium

Segredos da bolsa: O cachorro louco segue à solta nos mercados

Agenda repleta de balanços corporativos e indicadores econômicos importantes no Brasil, na China, nos EUA e na Europa promete deixar os investidores com os nervos à flor da pele esta semana

Balanço

Saudi Aramco vê lucro cair 73,3% com menor demanda e queda do preço do petróleo

Estatal saudita lucrou apenas US$ 6,6 bilhões no segundo trimestre, em razão de crise desencadeada pela pandemia de coronavírus

Para bater a renda fixa

Queda na bolsa no mês de julho deixou retorno dos fundos imobiliários mais atrativo

Para analistas do Banco Inter, queda dos FII em julho foi apenas um ajuste; com juro baixo e preço menor, rentabilidade potencial cresceu

O tamanho da conta

Conta da pandemia chega a R$ 700 bilhões

Segundo levantamento do Estadão, pandemia deve custar isso só em 2020, o equivalente a quase 10% do PIB e a R$ 3,3 mil para cada brasileiro. Quantia seria suficiente para pagar o Bolsa Família por 21 anos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements