2019-04-30T10:47:53-03:00
Nicolas Gunkel
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP) com Nanodegree em Marketing Digital pela Udacity. Foi editor de Redes Sociais e repórter do site Exame, além de repórter no jornal Metro São Paulo.
QUERIDINHOS

Nubank, Inter e Neon são melhores bancos do Brasil, aponta ranking da Forbes

Lideradas pela dona do popular cartão roxo, as queridinhas fintechs foram as mais bem avaliadas pelos clientes no país, seguidas por alguns tradicionais bancões

9 de março de 2019
9:33 - atualizado às 10:47
Cartão da fintech Nubank: a melhor do Brasil, segundo ranking da ForbesImagem: Divulgação / Nubank

“A tecnologia está revolucionando o mercado bancário global e as expectativas dos clientes por suas instituições financeiras são maiores do que nunca”.

É com essa frase, tão óbvia quanto verdadeira, que a prestigiada revista americana Forbes inicia o texto que inaugura seu mais novo ranking: o dos melhores bancos do mundo.

Os vencedores da categoria no Brasil em 2019 não poderiam combinar mais com a assertiva da publicação. As três primeiras posições pertencem a fintechs de vida curta se comparadas aos grandes bancos.

São elas Nubank, a dona do popular cartão roxo baseada em São Paulo, o mineiro Banco Inter e o também paulista Neon. Em seguida, em quarto e quinto lugar, figuram velhos conhecidos dos brasileiros, a Caixa Econômica Federal e o Itaú Unibanco.

Tamanho é documento?

Além do gap de longevidade das instituições, um fator que chama a atenção entre as top 5 é a disparidade do número de funcionários que compõem o quadro de cada empresa.

Enquanto Nubank, Inter e Neon contam apenas com algumas centenas de colaboradores, os tradicionais bancões passam da casa dos 80 mil. Fica a pergunta no ar: são melhores apesar de serem menores? Ou são melhores justamente porque são menores?

Foco no consumidor

Diferentemente do que faz normalmente com seu tradicional ranking de maiores bancos dos Estados Unidos, a Forbes não se apoiou em planilhas e balanços das instituições, mas sim no índice de satisfação de mais de 40 mil consumidores. A pesquisa foi realizada em mais de 20 países numa parceria com a consultoria Statista.

Os bancos foram avaliados pelos níveis de recomendação e satisfação de seus clientes e também em cinco subcritérios: confiança, termos e condições, serviços aos clientes, serviços digitais e aconselhamento financeiro. Entendeu por que seu banco ficou dentro (ou fora) da lista?

O primeiro dos primeiros

Em nível mundial, o gigante holandês ING Group desponta na liderança da pesquisa. Com um amplo "legado de inovações", como aponta a Forbes, o banco obteve pontuação alta em nada menos que oito dos países que compuseram o índice.

O único outro banco que esteve na dianteira em mais de cinco países foi o Citibank.

O “rival” da Nubank?

Outro destaque do ranking é o banco digital alemão N26, que conquistou uma vaga no lugar mais quentinho do coração dos consumidores de cinco países europeus.

Sem nenhuma base física nos países onde atua, a instituição levantou US$ 160 milhões no ano passado em uma rodada de financiamento série C liderada pela multinacional chinesa Tencent. O famoso capitalista de risco Peter Thiel, co-fundador do PayPall, e o fundo soberano de Cingapura são outros dos investidores de peso por trás do player.

Na semana passada, o diretor da companhia no Brasil (sim, no Brasil!) anunciou que o N26 irá abrir uma subsidiária por aqui. Alguns veículos de imprensa, inclusive, apressaram-se em apelidá-lo de “rival da Nubank”.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Dadas as similaridades nos modelos de negócio e o número parelho de clientes – ambos têm cerca de 2,5 milhões de contas digitais abertas – a comparação até que cai bem.

Vale lembrar, porém, que as empresas também têm características geográficas distintas. De um lado, o N26 já mostrou seu potencial de capilaridade com atuação em 26 países. A Nubank, do outro, já conseguiu se consolidar como peso pesado no nada fácil mercado brasileiro. Lembremos que o Brasil, amigos, não é para amadores.

Não sei quanto a vocês, mas para mim, que venha a briga. Quem tem a ganhar com alguns dos melhores bancos do mundo (e mais concorrência no setor), é o investidor de varejo brasileiro.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

O MELHOR DA SEMANA

Ronaldo Fenômeno ficou maluco? Saiba como funciona a SAF, que permitiu ao craque pagar R$ 400 milhões pelo Cruzeiro

Conheça também os principais candidatos a Sociedade Anônima de Futebol e para que tipo de clube ela pode ser mais interessante

Dê o play!

Com a Selic acima de 10%, quais os próximos passos do BC? O podcast Touros e Ursos debate o futuro da taxa de juros

No podcast Touros e Ursos desta semana, a equipe do SD discutiu o cenário para a Selic e o BC em 2022. Até onde o Copom vai subir os juros?

Sinal amarelo

Marfrig (MRFG3) confirma participação em oferta da BRF (BRFS3), mas não poderá assumir o controle da empresa; entenda

Segundo um comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários hoje, as compras da Marfrig estarão limitadas a sua participação acionária atual

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa no azul apesar da volatilidade, bitcoin no vermelho e imbróglios com FII e Oi: o que marcou o mercado nesta sexta

Numa semana marcada pela escalada das tensões entre Rússia e Ucrânia, decisão de juros nos Estados Unidos e um discurso mais hawkish (duro contra a inflação) por parte do presidente do banco central americano, Jerome Powell, o Ibovespa conseguiu, mais uma vez, acumular alta. E as bolsas americanas – pasme – também. A sexta-feira (28) […]

DESINVESTIMENTOS

Em negócio bilionário, Petrobras (PETR4) vende ativos na Bacia Potiguar para subsidiária da 3R Petroleum (RRRP3); saiba quanto entrou nos cofres da estatal

A bola da vez é um conjunto de 22 concessões de campos de produção terrestre e de águas rasas, juntamente à sua infraestrutura de processamento, refino, logística, armazenamento, transporte e escoamento