Menu
2019-09-26T19:11:35-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Alianças aéreas

Reviravolta nos céus: Delta anuncia a compra de 20% da Latam por US$ 1,9 bilhão

A Delta surpreendeu o mercado, fechando a aquisição de uma fatia de 20% da Latam e anunciando outros investimentos no grupo chileno. A transação levanta uma dúvida: e agora, como fica a Gol?

26 de setembro de 2019
19:04 - atualizado às 19:11
Avião da Latam
Imagem: Shutterstock

Um anúncio inesperado chacoalhou o setor aéreo brasileiro no início da noite desta quinta-feira (26): a americana Delta acertou a compra de 20% da Latam, pelo valor de US$ 1,9 bilhão — a transação será realizada através de uma oferta pública de aquisição, ao preço de US$ 16 por papel do grupo chileno.

  • O Melhor Curso de Análise Gráfica está com INSCRIÇÕES ABERTAS. Vagas exclusivas e promocionais para leitores Seu Dinheiro, apenas por este link.

A Delta ainda irá investir US$ 350 milhões para "dar suporte ao estabelecimento da parceria estratégica", além de comprar quatro aviões Airbus A350 da Latam e assumir o compromisso de aquisição de outras 10 aeronaves do mesmo tipo, com entrega prevista entre 2020 e 2025.

Por fim, a Delta terá direito a um assento no conselho de administração da Latam. A empresa americana irá emitir dívida e usar parte do caixa para concretizar a operação. "A Delta pretende permanecer dentro dos níveis desejados de alavancagem [após a transação]", diz a companhia.

A notícia pode embaralhar o equilíbrio de forças na aviação comercial do Brasil, já que, atualmente, a Delta possui uma fatia de 9,4% na Gol. Assim, fica uma dúvida no ar: a empresa americana venderá sua participação na rival da Latam?

Composição acionária da Gol
Composição acionária da Gol - Imagem: Relação com Investidores da Gol

O mercado reagiu de maneira bastante intensa à movimentação da Delta. No after market da bolsa americana — uma espécie de prorrogação da sessão regular —, as ações da Latam (LTM) estavam disparando 47,9% por volta de 18h40 (horário de Brasília), a US$ 13,48. Já os recibos de ações (ADRs) da Gol recuavam 10,7% no mesmo horário, a US$ 14,68.

Alianças

O anúncio feito pela Delta é surpreendente porque, na aviação comercial, há diversas alianças firmadas entre as companhias aéreas globais — e não é incomum que as empresas que façam parte de um mesmo grupo fechem investimentos e parcerias entre si.

Há, por exemplo, a Oneworld, que tem entre seus membros a Latam, a American Airlines e a British Airways, entre outras. Outra aliança importante é a SkyTeam, com Air France, Delta, KLM e Aeroméxico — a Gol não é um membro formal desse grupo, mas é bem próxima dele. Por fim, há a Star Alliance, que conta com a Lufthansa e a United Airlines em seus quadros.

Assim, a transação entre Delta e Latam é inesperada porque rompe a lógica das alianças globais. E, além de trazer incerteza à Gol, também mina as intenções da American Airlines, que buscava algum tipo de acordo de parceria com a Latam, sua companheira dentro da Oneworld.

Composição acionária da Latam
Composição acionária da Latam - Imagem: Relação com Investidores da Latam

A compra de 20% da Latam pela Delta ainda precisa passar por todas as aprovações governamentais e regulatórias. Mas, de qualquer maneira, a empresa americana já diz esperar que a operação resultará num aumento do lucro por ação nos próximos dois anos.

Já a Latam diz que a parceria com a Delta irá melhorar a geração de caixa da empresa, reduzir o endividamento e melhorar sua estrutura de capital, dando fôlego para que a companhia consiga executar seu plano estratégico de longo prazo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Ao vivo

Eletrobras é destaque de alta na B3 com MP da privatização em análise na Câmara; acompanhe a votação

O governo corre contra o tempo para aprovar a proposta, que perderá a validade às 24h da próxima terça-feira

É para quando?

Ainda vai levar “algum tempo” para início da redução de estímulos econômicos, defende dirigente do Fed

James Bullard enfatizou que a retirada começará apenas quando a instituição tiver registrado um avanço “substancial” em direção a suas “métricas”.

Embarque imediato

Depois de incorporação, acionistas da Smiles aprovam saída do Novo Mercado

Além disso, assembleia votou a destituição do conselho de administração e a eleição de novos membros, inclusive do presidente

Procuram-se semicondutores

Falta de chips adia recuperação da indústria automobilística

O setor deve perder a chance de recuperar mercado no segundo semestre, período em que tradicionalmente se vendem mais carros

Mais uma na bolsa

Investindo no banco de investimentos: BR Partners sobe forte na estreia na bolsa

A BR Partners, banco de investimentos independente, concluiu seu IPO e estreou na bolsa nesta segunda — e a recepção do mercado foi boa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies