Menu
2019-05-13T18:08:15-03:00
Movimento contra o presidente

Doria diz que prefeito de Nova York exagerou sobre Bolsonaro

Presidente foi alvo de protestos contra a homenagem que receberia da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos

13 de maio de 2019
18:07 - atualizado às 18:08
Governador do estado de São Paulo, João Doria
João Doria - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), chamou de "erro" e "exagero" as críticas do prefeito de Nova York, Bill de Blasio, ao presidente Jair Bolsonaro.

"Não cabe a um prefeito de Nova York fazer avaliações sobre esta ou aquela tendência de um presidente da República. Ele cometeu um erro, exagerou na sua condição política e não fez jus a um regime de liberdade do qual Nova York é seu maior símbolo, a partir da própria estátua da liberdade", afirmou o governador nesta segunda-feira, 13. O tucano cumpre agenda oficial na cidade americana.

Bolsonaro cancelou a viagem que faria nesta semana a NY após protestos contra a homenagem que receberia da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos. De Blasio liderou o movimento, afirmando que o brasileiro é um ser humano "perigoso" por causa de "seu racismo e homofobia evidentes".

A premiação ainda foi alvo de boicote de ativistas ligados à causa ambiental e aos direitos LGBTQ. Primeiro, a Câmara teve dificuldade em achar um lugar que aceitasse sediar o jantar de gala. Depois, pelo menos três empresas decidiram deixar de patrocinar o evento.

Para Doria, o prefeito novaiorquino "exacerbou na sua condição ao condenar e fazer manifestações nas redes sociais e na imprensa".

O governador paulista disse que a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, que acontece anualmente em Nova York no mês de setembro, recebe "gente de todas as matizes de países do mundo", em um sinal de que a cidade é "aberta" e símbolo de liberdade de expressão.

Em Nova York, Doria participa de reuniões com investidores e eventos organizados pelo mercado financeiro. Participam de parte dos encontros também os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli.

Os encontros são parte de uma agenda paralela sobre Brasil ao evento organizado anualmente pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos.

Até o início do mês, antes de Bolsonaro cancelar a viagem a Nova York, organizadores dos eventos previam a participação do presidente nos encontros e de ministros do alto escalão, como Paulo Guedes (Economia).

Sem a ida a NY, o Itamaraty organizou, às pressas, uma viagem de Bolsonaro a Dallas, no Texas. O presidente chegará à cidade americana na quarta-feira para uma agenda de dois dias que inclui reunião com empresários e lideranças políticas.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Gestão na crise

Ouro e euro: a combinação do BTG Pactual para proteção e reserva de valor na crise

Fundamentos para alta do ouro continuam válidos, mas não espere um “boom” do metal após valorização recente, diz José Lúcio do Nascimento, sócio e gestor da BTG Asset

Exclusivo SD Premium

Segredos da bolsa: O cachorro louco segue à solta nos mercados

Agenda repleta de balanços corporativos e indicadores econômicos importantes no Brasil, na China, nos EUA e na Europa promete deixar os investidores com os nervos à flor da pele esta semana

Balanço

Saudi Aramco vê lucro cair 73,3% com menor demanda e queda do preço do petróleo

Estatal saudita lucrou apenas US$ 6,6 bilhões no segundo trimestre, em razão de crise desencadeada pela pandemia de coronavírus

Para bater a renda fixa

Queda na bolsa no mês de julho deixou retorno dos fundos imobiliários mais atrativo

Para analistas do Banco Inter, queda dos FII em julho foi apenas um ajuste; com juro baixo e preço menor, rentabilidade potencial cresceu

O tamanho da conta

Conta da pandemia chega a R$ 700 bilhões

Segundo levantamento do Estadão, pandemia deve custar isso só em 2020, o equivalente a quase 10% do PIB e a R$ 3,3 mil para cada brasileiro. Quantia seria suficiente para pagar o Bolsa Família por 21 anos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements