💰IPCA + 8% e outros títulos ‘premium’: receba as melhores ofertas de renda fixa no seu WhatsApp

Cotações por TradingView
2019-01-17T20:11:52-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Novo Governo

No início do governo, Bolsonaro é bem avaliado por 40% da população

Pesquisa XP Ipespe também mostra que 63% esperam que o novo presidente faça um mandato ótimo ou bom. Prioridade deve ser segurança pública

17 de janeiro de 2019
10:54 - atualizado às 20:11
Jair Bolsonaro Itamaraty 16 01 19
Presidente Jair Bolsonaro discursa em almoço oferecido ao presidente da Argentina, Mauricio Macri. - Imagem: Alan Santos/PR

Nova rodada da pesquisa XP Ipespe mostra que 40% da população avalia o governo Jair Bolsonaro como ótimo ou bom nos seus primeiros dias. Para 29%, esse início de gestão é regular, 20% avaliam como ruim ou péssimo e 11% não souberam opinar.

Foram realizadas 1.000 entrevistas telefônicas entre os dias 9 e 11 de janeiro. A abrangência é nacional e a margem de erro é de 3,2 pontos percentuais.

Segundo o relatório da pesquisa, essa aprovação de 40% reforça a existência de um período de lua de mel do novo presidente com a população. Tratamos desse tema ao falar dos desafios dos 100 primeiros dias, métrica de avaliação de governo que tem razões históricas e práticas.

Já a expectativa positiva com relação ao governo segue aumentando, com 63% esperando um mandando ótimo ou bom, contra 59% em dezembro e 57% em novembro. A expectativa negativa caiu de 20% no fim do ano passado para 15% agora.

Para a maior parcela dos entrevistados (58%), Bolsonaro deveria eleger a área de segurança pública como foco das primeiras medidas de seu governo. Na sequência estão as reformas econômicas, com 33% e, por último, questões relativas a valores e costumes, com 5%.

O primeiro ato do governo se confirmou nesta semana e, de certa forma, conversa com a questão de segurança. Bolsonaro cumpriu promessa de campanha e fez uma flexibilização na posse de armas de fogo e disse que isso seria apenas o começo.

Na área econômica seguem as discussões sobre a reforma da Previdência, mas o texto deve ser conhecido apenas em fevereiro ou, na melhor das hipóteses, após o presidente voltar do Fórum Econômico Mundial de Davos (Suíça), onde ele se apresenta à comunidade financeira internacional.

Já o item mais importante para avaliar o andamento da economia, segundo 55%, é a taxa de desemprego. Um dos indicadores que mais demora a reagir às alterações no cenário macroeconômico e mostra o desafio do governo em manter avaliações e expectativas positivas em alta. Para 18%, o item mais relevante é a inflação, seguido de situação financeira da família (14%). O comportamento da bolsa é um bom indicador para apenas 9%.

Congresso

A pesquisa também capta uma variação significativa na avaliação da população sobre o Congresso Nacional, que toma posse em fevereiro. A visão ainda é predominantemente negativa, com 37% de ruim e péssimo, 34% de regular e apenas 17% de ótimo e bom. Mas em dezembro, 63% dos entrevistados viam o Legislativo de forma negativa.

Para tentar resolver os problemas do país, 79% da amostra acredita que Bolsonaro deve dialogar e dividir as decisões com o Congresso. Apenas 16% avaliam que o melhor caminho é concentrar a tomada de decisões.

Personalidades

Os entrevistados também foram convidados a dar notas para 11 personalidades políticas. O ministro da Justiça, Sergio Moro, teve a melhor média, com 7,3, ficando na frente de Bolsonaro, com 6,7%. A pior nota foi do presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), com 3,8%.

Caso Coaf

A sondagem também trouxe uma pergunta para medir o conhecimento dos entrevistados sobre o caso envolvendo Flávio Bolsonaro, filho do presidente, e movimentações financeiras suspeitas de seu motorista, Fabrício Queiroz, captadas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

Para 63% dos entrevistados que tomaram conhecimento, o evento não alterou a opinião sobre o presidente. Para 14%, o caso teve impacto na avaliação sobre o presidente e 21% não tomaram conhecimento.

A culpa é de quem?

Questionados sobre quem seria o maior responsável pela situação econômica atual, 34% apontam o governo Lula, 21% o governo Dilma, 16% o governo Temer, 11% fatores externos e 3% o governo Bolsonaro. Os dados são interessantes, pois transmitem a ideia de uma consciência sobre “causas e consequências” de más decisões de política econômica.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

APAZIGUOU

CCR (CCRO3) faz acordo com governo do Paraná para encerrar pendência de R$ 321 milhões vinculadas à RodoNorte

7 de dezembro de 2022 - 20:33

O saldo remanescente relacionado ao equacionamento do desequilíbrio econômico do contrato de concessão será pago por meio de obras a serem combinadas entre as partes

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa recua antes de votação da PEC da Transição, Vale (VALE3) desagrada investidores, Petrobras (PETR4) corte preço do gás de cozinha e outros destaques do dia

7 de dezembro de 2022 - 20:01

Veja tudo o que movimentou os mercados nesta quarta-feira, incluindo os principais destaques do noticiário corporativo e as ações com o melhor e o pior desempenho do Ibovespa

NATAL CHEGOU MAIS CEDO?

CPFL Energia (CPFE3) paga última parcela de dividendos bilionários na próxima semana; veja quem terá direito a mais de R$ 1,8 bilhão em proventos

7 de dezembro de 2022 - 19:49

Serão distribuídos cerca de R$ 1,621140258 por ação na próxima semana, em 15 de dezembro

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa fecha em queda de 1% e dólar também recua com commodities e votação da PEC da Transição no Senado; Magazine Luiza (MGLU3) anota o maior tombo dia

7 de dezembro de 2022 - 18:56

s a espera pelo veredito dos parlamentares não foi a única a dar o tom dos negócios hoje: a última reunião do Copom também gerou expectativa nos investidores

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Entre a hipérbole e o eufemismo

7 de dezembro de 2022 - 18:54

Se estamos prestes a cometer um erro grave, e parcialmente cegos em relação a isso, o mercado fornecerá rapidamente um simulacro dos resultados desse erro: desvalorização cambial, alta dos juros futuros, queda da Bolsa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies