Menu
2019-04-04T14:12:11-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
tuitando

Bolsonaro: Não seremos mais o paraíso de bandidos

Bolsonaro foi ao “Twitter” comentar notícia de que Cesare Battisti admitiu envolvimento em quatro assassinatos. Por ora, nada sobre articulação política das reformas

25 de março de 2019
11:48 - atualizado às 14:12
Bolsonaro e Lula
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O presidente Jair Bolsonaro usou sua conta no “Twitter” para comentar o noticiário envolvendo o italiano Cesare Battisti, que admitiu envolvimento em quatro assassinatos nos anos 1970. Battisti se dizia inocente.

Bolsonaro reforçou as críticas ao PT e ao PSOL que teriam proporcionado uma colônia de férias ao terrorista e disse que a nova posição do Brasil é um recado ao mundo: “não seremos mais o paraíso de bandidos!”

O italiano ficou foragido por quase 40 anos e conseguiu refugio no Brasil em 2009, concedido pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Michel Temer reviu a decisão em dezembro do ano passado e depois uma tentativa de sair do Brasil, ele acabou preso na Bolívia e extraditado no começo deste ano.

Bolsonaro esteve reunido com os ministros Paulo Guedes (Economia), Onyx Lorenzoni (Casa Civil ), general Santos Cruz (ministro da secretaria de governo), e o general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) para tratar da tramitação da reforma da Previdência, que passa por dificuldades depois de desentendimentos com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Sobre esse assunto, não temos, por ora, nenhum tuíte ou comentário do presidente e demais membros do governo.

Esse tuíte sobre a confissão de Battisti pode ser lido dentro de uma estratégia de comunicação do presidente, de manter sua base de apoio engajada nas redes sociais. Essa estratégia do presidente e seus familiares, no entanto, está no centro do desgaste com Maia. Com falamos aqui, é possível manter o apoio e o “calor” das redes, sem agredir aliados.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

ESTRADA DO FUTURO

Um pé no abismo e outro na casca de banana: como identificar ações de empresas decadentes

Excesso de otimismo, planos mirabolantes e desprezo pela inovação estão entre as receitas para uma empresa falhar, segundo o gestor que se dedicou a descobrir empresas terríveis

Novo competidor

Grupo catarinense que fatura R$ 8,8 bi vai abrir 1º atacarejo no estado de SP

O Grupo Pereira vai abrir uma unidade da Fort Atacadista, sua bandeira de atacarejo, na cidade de Jundiaí; forte competição em SP é desafio

Tensão em Brasília

Racha no Congresso põe reformas em xeque

A decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de fatiar a reforma tributária foi vista como a pá de cal nas chances de avanço das reformas no Congresso até o fim do atual governo. Embora Lira tenha prometido abrir o diálogo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para definir os próximos passos, […]

Rapidinhas da semana

BLINK: Itaúsa, B2W, Eletrobras e mais recomendações rápidas

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Alpargatas, Eletrobras, Itaúsa, Lojas Americanas e muito mais no Blink

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies