2019-04-10T17:18:26-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juros

IPCA surpreende mercado e BC, mas apenas reforça Selic estável em 6,5%

Depois de meses ficando abaixo das expectativas, inflação tem maior alta mensal desde a greve dos caminhoneiros

10 de abril de 2019
10:27 - atualizado às 17:18
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central (BC) - Imagem: Pedro França/Agência Senado

Um fato raro aconteceu nesta quarta-feira com a divulgação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Tanto o mercado quanto o Banco Central (BC) erram a projeção para baixo, depois de meses superestimando o comportamento dos preços.

Mas antes de olharmos os números, vamos ao que nos importa aqui. O desvio para cima não muda o cenário de Selic estável em 6,5% ao ano, que vem sendo reforçado pela cautela, serenidade e perseverança do BC.

Postura que deve ser reafirmado, ainda hoje, pelo presidente Roberto Campos Neto, que faz palestra em evento em Nova York. Seu discurso deve ser divulgado pela assessoria do BC, por volta das 11 horas.

O BC tem destacado que não reage a mudanças pontuais de cenário para cima ou para baixo, apenas quando enxerga mudança de tendência nas variáveis que acompanha.

O IPCA fechou o mês de março em 0,75%, vindo de 0,43% em fevereiro. Os analistas ouvidos pela “Projeções Broadcast” estimavam inflação entre 0,55% e 0,67%, com mediana de 0,63%. Já o BC, em seu último relatório de inflação, projetou IPCA de 0,55%.

A leitura mensal foi a maior para o meses de março desde 2015 (1,32%) e em 12 meses passou de 3,89% para 4,58%, maior leitura desde fevereiro de 2017 (4,76%).

Segundo o IBGE, a aceleração da inflação foi determinada pelas altas de 1,37% no grupo Alimentação e Bebidas e de 1,44% nos Transportes. Juntos, esses grupos responderam por 80% do índice do mês. Todos os grupos pesquisados no IPCA subiram de preço, exceto Comunicação, que com queda 0,22%, único com deflação.

Os núcleos, que tentam captar a tendência da inflação e são observados de perto pelo BC, não tiveram altas significativas.

Na sua última ata e no Relatório de Inflação, em março, o BC antecipava uma elevação da inflação nos próximos meses, “que deverá levar a inflação acumulada em doze meses a atingir um pico em torno de abril ou maio próximos. Em seguida, a inflação acumulada em doze meses deve recuar e encerrar o ano em torno dos níveis projetados”.

Para 2019, a meta de inflação é de 4,25% com banda de tolerância de 1,5 ponto, para 2020, que começa a ter peso crescente para o colegiado, a meta é de 4%. As projeções do BC com Selic estável e câmbio a R$ 3,85, apontam para IPCA de 4,1% neste ano de 4% em 2019.

A surpresa inflacionária de março deve promover uma redução nas apostas quanto a novos cortes de juros, que vinham aumentando já que os preços seguiam surpreendendo para baixo e atividade continua em rimo bastante moderado.

O BC também tem destacado a importância das reformas, notadamente a da Previdência, como "fundamentais para a sustentabilidade do ambiente com inflação baixa e estável, para o funcionamento pleno da política monetária e para a redução da taxa de juros estrutural da economia, com amplos benefícios para a sociedade”.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas tentam se recuperar da queda após decisão do Fed e Ibovespa busca manter ritmo de alta mesmo com risco fiscal no radar

Depois de tocar os 112 mil pontos ontem (26), a bolsa brasileira precisa enfrentar o ajuste de carteiras ao novo cenário de juros altos

Exclusivo

Na “caça aos unicórnios”, Itaú lança fundo para aplicar em gestores de investimentos alternativos

O banco acaba de abrir para captação o Polaris, fundo com objetivo de retorno de até 25% ao ano e foco em investimentos que vão bem além do “combo” tradicional de bolsa, dólar e juros

CONSTRUTORAS COM DESCONTO

Vendas de imóveis em alta, ações em baixa. A queda das incorporadoras abriu uma oportunidade de compra na bolsa?

Os resultados do quarto trimestre mostram que as empresas do setor entregaram desempenhos sólidos, mas as ações caminham na direção contrária

COMPRA PROGRAMADA

‘Vale Gás’: Ultragaz cria cartão que permite ‘congelar’ o preço e parcelar a compra do gás de cozinha

O GLP é um dos derivados de petróleo afetado pela alta do dólar frente ao real e pela valorização da commodity no mercado internacional

SALTO COM FINANÇAS

Itaú (ITUB4) escala 53 posições em ranking e se torna único brasileiro entre 500 marcas globais mais valiosas; veja lista completa

Além de figurar entre as marcas mais valiosas, o Itaú conquistou uma posição na lista dos 250 principais CEOs ou “guardiões de marca”