Menu
2019-06-07T18:45:36-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Devagar, devagarinho

Ibovespa fica praticamente no zero a zero, aguardando novidades no front político

O feriado no meio da semana gera uma onda de calmaria em Brasília — e, como resultado, o Ibovespa e o dólar tiveram um dia de poucas emoções

29 de abril de 2019
10:27 - atualizado às 18:45
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
Tanto o Ibovespa quanto o dólar ficaram perto da estabilidade nesta segunda-feira - Imagem: Seu Dinheiro

O Ibovespa e o dólar tiveram um dia fraco. Ambos passaram boa parte da sessão oscilando ao redor da estabilidade, sem um grande fator para dar direção às negociações — e tudo isso por causa do cenário político.

E não que alguma notícia bombástica tenha trazido cautela extrema ao mercado. Pelo contrário: com Brasília às moscas por causa do feriado do meio da semana, o noticiário político entrou em compasso de espera.

E o mercado local, extremamente dependente da pauta política, foi junto: o Ibovespa fechou o dia em queda de 0,05%, aos 96.187,75 pontos, enquanto o dólar à vista teve alta de 0,24%, a R$ 3,9409.

No início do dia, o principal índice da bolsa brasileira até chegou a dar indícios de que poderia engatar uma recuperação, tocando os 97.123,09 pontos na máxima (+0,92%). No entanto, esse movimento rapidamente perdeu força, em meio à ausência de notícias relevantes no front político.

A fraqueza também é evidenciada pelo baixo volume de negociações. o Ibovespa encerrou o pregão desta segunda-feira com giro financeiro de R$ 10,4 bilhões — apenas os pregões de 6 de março (quarta-feira de cinzas, com R$ 8,68 bilhões) e 22 de abril (R$ 10,117 bilhões) tiveram montantes inferiores em 2019.

Já o dólar oscilou dentro de uma faixa relativamente estreita ao longo do dia: entre R$ 3,9216 (-0,25%) e R$ 3,9446 (+0,33%), também em meio ao marasmo local.

Vazio

Isso tudo porque, com Brasília esvaziada, é baixa a perspectiva de algum avanço na reforma da Previdência ao longo dos próximos dias — e mesmo a articulação política parece ter dado uma pausa.

"Estaremos fechados na quarta-feira, mas nos Estados Unidos será um dia normal, com decisão de política monetária do Fed. Sem fatos novos, creio que ninguém vai querer ficar posicionado", comenta um operador.

Há a perspectiva de que o calendário para os trabalhos da comissão especial da Câmara seja definido amanhã (30) — as sessões para discussão da reforma pelo colegiado deve ter início apenas na semana que vem.

Mas, em termos de noticiário, o mercado teve pouco material para trabalhar hoje. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, voltou a afirmar que o foco da casa, agora, é a reforma da Previdência. E, em Ribeirão Preto, o presidente Jair Bolsonaro anunciou linhas de crédito e seguro para o agronegócio.

Isso foi muito pouco para que o mercado assumisse riscos. "O cenário externo até ajudou um pouco, mas aqui a gente ficou de lado. Falta alguma manchete", diz outro operador.

Lá fora, as bolsas americanas fecharam o dia no azul, embora sem mostrar ganhos intensos: o Dow Jones teve alta de 0,04%, o S&P 500 avançou 0,11% e o Nasdaq subiu 0,19% — o S&P 500 atingiu um novo recorde de fechamento, aos 2.943 pontos. No mercado de câmbio, o índice DXY, que mede o desempenho do dólar ante uma cesta com as principais divisas do mundo, manteve-se em leve queda ao longo da tarde.

Na comparação com as divisas de países emergentes, o dólar teve um dia misto, perdendo terreno ante o rublo russo e o rand sul-africano, mas ganhando força em relação ao peso mexicano, ao peso colombiano e ao peso chileno. E, em meio à fraqueza no noticiário político, o real fez companhia às demais moedas latino-americanas.

As curvas de juros também tiveram um dia de poucas movimentações. Os DIs para janeiro de 2020 subiram de 6,56% para 6,59%, e os DIs para janeiro de 2021 avançaram de 7,11% para 7,14%. Na ponta longa, as curvas com vencimento em janeiro de 2023 tiveram alta de 8,24% para 8,26%, e as com vencimento em janeiro de 2025 foram  de 8,77% para 8,78%.

Agitação na Petrobras

As ações da Petrobras fecharam sem direção única, refletindo o noticiário corporativo agitado a respeito da empresa. Os papéis ON caíram 0,46%, enquanto os PN avançaram 0,44%.

Em entrevista ao Broadcast, o presidente da estatal, Roberto Castello Branco, disse que a empresa quer se desfazer de seus negócios de distribuição de gás e da rede de postos de combustíveis no Uruguai — a petroleira colocará à venda a rede com 70 postos naquele país.

Além disso, o conselho de administração da companhia autorizou a venda de oito refinarias e de participação na BR Distribuidora, "permanecendo a Petrobras como acionista relevante".

Hypera sobe forte

As ações ON da Hypera lideraram os ganhos do Ibovespa nesta segunda-feira, com alta de 5,96%, com o mercado digerindo os resultados trimestrais da companhia — entre janeiro e março de 2019, a empresa teve lucro líquido de R$ 321,2 milhões, alta de 7,1% ante o mesmo intervalo de 2018, mas a receita líquida recuou 58,7% na mesma base de comparação, para R$ 383,6 milhões.

Em relatório, o BTG Pactual diz que a forte queda na receita já era esperada, em meio ao processo de redução de capital de giro e de estoque que está atualmente em andamento na empresa. No entanto, o banco diz esperar por uma recuperação gradual na receita ao longo de 2019, com a margem bruta voltando aos níveis de 2018 no ano que vem.

Dadas as expectativas para o futuro, O BTG elevou o preço-alvo para as ações da Hypera, de R$ 29 para R$ 30, mantendo recomendação de compra para os papéis.

Sinal amarelo no Smiles

Os papéis do Smiles apareceram entre os piores desempenhos do Ibovespa hoje, em queda de 1,36%. A empresa encerrou o primeiro trimestre deste ano com lucro líquido de R$ 141,9 milhões, queda de 8,5% na comparação com os primeiro três meses de 2018.

No entanto, o mercado também repercute negativamente a notícia de que a Gol poderá reajustar os preços que cobra do Smiles cada vez que um cliente troca suas milhas por passagens aéreas — assim, há a possibilidade de que mais milhas Smiles sejam necessárias para comprar bilhetes da Gol.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Bola rebola

Show das poderosas: Nubank estreia dueto com Anitta e cala os críticos com primeiro lucro

Fintech que já vale US$ 30 bilhões tem primeiro resultado positivo na história e anuncia contratação da cantora para compor o conselho de administração

Temperatura subindo

Febraban: carteira de crédito continua em expansão e deve registrar melhor índice desde 2013

As concessões de empréstimos devem apresentar crescimento de 4,7% em maio, acumulando aumento de 6,9% nos últimos 12 meses

Fim de papo

Bolsonaro se irrita com questão de frete e termina conversa na saída do Alvorada

Antes, ao ser cobrado quais as propostas para atender a categoria, Bolsonaro repetiu que o “maior problema de vocês (caminhoneiros)” é o preço dos combustíveis e os tributos

Nova realidade?

UBS prevê queda nos preços de minério de ferro e rebaixa Rio Tinto

Para os analistas, problemas com oferta no Brasil, intensificados pela pandemia, e atuação do governo chinês devem pressionar cotação do insumo

Muito além do pix

Bancos Centrais da Suíça e França testam transações com moedas digitais entre países

O experimento visa investir no mercado de empréstimos de “atacado” entre bancos, ao invés de transações públicas diárias, mas será o primeiro teste com as CBDC

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies