Menu
2019-10-22T17:48:28-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
107.381,11 pontos

Com os ventos favoráveis da Previdência, o Ibovespa voou alto e bateu novos recordes

O Ibovespa seguiu em alta e alcançou níveis inéditos, amparado pelo otimismo em relação à reforma da Previdência. O dólar à vista também teve um dia de alívio e recuou para R$ 4,07

22 de outubro de 2019
10:25 - atualizado às 17:48
Asa delta
Imagem: Shutterstock

Os ventos do mercado financeiro andavam pouco convidativos para um voo de asa delta. Não é que as correntes de ar fossem totalmente contrárias — o cenário era de imprevisibilidade, com mudanças súbitas na direção dos sopros. Nesse panorama, o Ibovespa não arriscava voos mais altos.

A previsão do tempo, no entanto, mudou nas últimas semanas. As rajadas violentas e multidirecionais deram lugar a uma brisa constante, sempre num sentido favorável à decolagem. E, nesta terça-feira (22), não foi diferente: o vento estava tão adequado que o índice brasileiro arriscou uma altura inédita.

O Ibovespa já havia atingido um novo recorde na sessão passada, terminando pela primeira vez acima dos 106 mil pontos. Hoje, ele foi além: fechou em alta de 1,28%, aos 107.381,11 pontos, renovando a máxima — no melhor momento do dia, tocou os 107.420,73 pontos (+1,32%).

Essa mudança nos ares se deve a uma série de desenvolvimentos positivos na atmosfera dos mercados. O tornado da guerra comercial entre EUA e China perdeu boa parte de sua intensidade, com as partes mostrando-se mais propensas ao diálogo.

E, por aqui, o avanço das pautas econômicas do governo, somado à perspectiva de juros cada vez mais baixos — os indicadores econômicos do Brasil ainda mostram uma certa fraqueza no nível de atividade local — também contribuiu para diminuir o vendaval e criar um ambiente mais controlado para o voo.

E o front doméstico foi o responsável por soprar a brisa que levou o Ibovespa às alturas — mais especificamente, a reforma da Previdência. Desde o início do dia, os agentes financeiros mostraram-se animados quanto à possibilidade de votação do texto pelo plenário do Senado, em segundo turno, ocorrer ainda hoje, concluindo a tramitação no Congresso.

Os olhos dos agentes financeiros estiveram voltados para Brasília: durante a manhã, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado deu sinal verde para o texto aprovado no primeiro turno no Senado, abrindo caminho para que a matéria seja votada em segundo turno ainda hoje.

E a expectativa do mercado é a de que as novas regras da aposentadoria sejam aprovadas no plenário da Casa ainda nesta terça-feira — o que permitiria a promulgação pelo Congresso em sequência. Com esse cenário otimista em mente, o Ibovespa manteve-se no campo positivo durante quase todo o pregão.

A finalização do trâmite da Previdência é aguardada pelos mercados por dois motivos: por um lado, há o fechamento desse capítulo e a formalização do montante a ser economizado com as novas regras; por outro, abre-se caminho para que outras pautas defendidas pelo governo — como as reformas administrativa e tributária — sejam discutidas.

"De certa forma, o mercado já espera, já dá como precificada a aprovação. Agora, temos que ver se a votação ainda terá algum destaque ou se termina hoje", diz Vitor Beyruti, economista da Guide Investimentos, lembrando que a PEC paralela que trata da inclusão de Estados e municípios também precisa ser aprovada no futuro.

Alívio e tensão no exterior

Lá fora, as discussões comerciais entre Estados Unidos e China seguiram no centro das atenções — autoridades dos dois países têm adotado um discurso mais conciliador, sinalizando que as negociações estão avançando.

"Lá fora, o mercado mostra uma dinâmica mais favorável desde ontem, com EUA e China mostrando um entendimento melhor", afirma Beyruti. "Além disso, os balanços corporativos nos Estados Unidos têm surpreendido e vindo acima do esperado".

No meio da tarde, contudo, o noticiário vindo da Europa trouxe algum desconforto aos mercados. O parlamento do Reino Unido deu sinal verde para o projeto de lei do Brexit seguir tramitando na casa, mas rejeitou o pedido do primeiro-ministro, Boris Johnson, para que o processo seja acelerado — a meta era concluir toda a discussão até o dia 31.

Com isso, cabe à União Europeia decidir se irá conceder uma extensão de prazo ao Reino Unido — situação que trouxe insegurança aos mercados internacionais. Como resultado, o Dow Jones encerrou com leve baixa de 0,14% e o S&P 500 caiu 0,32% — apenas o Nasdaq teve perdas mais intensas, de 0,72%.

O Ibovespa, no entanto, pouco foi afetado pelos eventos da Europa.

Alívio no câmbio

O dólar à vista passou por uma forte despressurização nesta terça-feira, também pautado pela expectativa em relação à aprovação da reforma da Previdência: a moeda americana caiu 1,34%, a R$ 4,0755, menor nível de fechamento desde o dia 4 —na mínima, bateu os R$ 4,0624 (-1,65%).

O desempenho do mercado de câmbio brasileiro chamou a atenção: divisas como o peso mexicano, o rublo russo e o rand sul-africano também se fortaleceram em relação ao dólar, mas o real foi a moeda emergente de melhor desempenho — evidenciando a importância do cenário doméstico para as negociações nesta terça.

Já as curvas de juros terminaram em alta, tanto na ponta curta quanto na longa. Mais cedo, o IBGE divulgou uma alta de 0,09% na inflação medida pelo IPCA-15 em outubro ante setembro, dado que ficou ligeiramente acima do esperado pelo mercado.

Nesse cenário, os DIs devolveram parte das baixas acumuladas desde a semana passada: as curvas para janeiro de 2021 subiram de 4,43% para 4,54%, as com vencimento em janeiro de 2023 avançaram de 5,42% para 5,52%, e as para janeiro de 2025 foram de 6,11% para 6,20%.

Beyruti, no entanto, pondera que o resultado do IPCA-15 não muda o cenário-base de cortes mais agressivos na Selic até o fim de ano, uma vez que a alta de 0,09% não representa maiores pressões inflacionárias. Trata-se, apenas, de um movimento de correção pontual.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Ainda falta chão...

Reforma administrativa dá mais um passo na Câmara dos Deputados

O relator leu hoje seu parecer pela constitucionalidade da proposta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ); votação deve ocorrer a partir do dia 20

Novo momento

Fertilizantes Heringer registra prejuízo líquido de R$ 7,46 milhões no 1º tri

Empresa teve melhor Ebitda da história para um primeiro trimestre, mas resultado foi impactado por despesas financeiras

na b3

GetNinjas estreia em queda na bolsa, após IPO com ação abaixo do previsto

Empresa levantou R$ 550 milhões na oferta inicial de ações, com desconto de quase 20% do valor do papel em relação ao preço mínimo da faixa

Diversificando

BTG Pactual lança fundo de investimento 100% em bitcoin

O lançamento vem em linha com a diversificação de ativos oferecidos pelo banco

Exile on Wall Street

Um investidor conservador sabe que uma boa ação tem seus defeitos

“Sou reacionário. Minha reação é contra tudo que não presta.” Se o sábado é uma ilusão, a segunda-feira deve ser a mais dura e fria realidade. Começamos a semana com Nelson Rodrigues. O conservador é um cético na capacidade de grandes revoluções oferecerem um futuro não testado que seja superior ao que sobreviveu ao teste […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies