Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-09-09T11:04:13-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Acordo no horizonte?

Secretário do Tesouro dos EUA vê como ‘boa-fé’ ida de delegação chinesa a Washington

Mnuchin também assegurou que, se não houver um pacto comercial com o país asiático, Donald Trump, está “perfeitamente bem” com a preservação das tarifas punitivas atualmente em vigor

9 de setembro de 2019
10:59 - atualizado às 11:04
Luta de boxe entre Estados Unidos e China
Imagem: Shutterstock

O cenário parece propício para as negociações entre Estados Unidos e China. O secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, afirmou nesta segunda-feira (09) tomar como um "sinal de boa-fé" que representantes do governo da China vão a Washington ao longo das próximas semanas para continuar negociando, em um movimento de reaproximação.

Os dois governos devem enviar representantes do primeiro escalão para as reuniões que contarão com a presença do próprio Mnuchin, do representante comercial dos EUA (USTR, na sigla em inglês), Robert Lighthizer, e do vice-premiê chinês, Liu He.

Em entrevista à emissora Fox Business, Mnuchin reafirmou que obter "um bom acordo" com Pequim é o objetivo dos americanos e, se alcançarem esses termos, vão assiná-lo. O secretário ainda  negou que o rompimento das tratativas nos últimos meses tivesse a ver com a atividade de fiscalização das condições negociadas. "Em fiscalização, temos um acordo conceitual com a China", argumentou.

Mnuchin também assegurou que, se não houver um pacto comercial com o país asiático, o presidente dos EUA, Donald Trump, está "perfeitamente bem" com a preservação das tarifas punitivas atualmente em vigor, acrescentando não ver impactos da guerra comercial com a China sobre a economia americana. "Estamos trabalhando bem as exceções de algumas companhias, caso a caso."

Em outro momento da entrevista, Mnuchin concedeu que a economia global "terá um impacto moderado" sobre a americana, mas reforçou não enxergar no horizonte uma recessão nos EUA e comentou não ver "de forma nenhuma" que a curva de rendimentos dos Treasuries reflita esse cenário negativo. "Os EUA continuam sendo o ponto brilhante de crescimento da economia global", defendeu.

Por fim, Mnuchin comentou que as taxas de juros americanas "ainda estão altas em relação ao resto do mundo" e interligou essa leitura com a expectativa dos mercados por cortes pelo Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA). Questionado sobre o andamento da ratificação do Acordo EUA-México-Canadá (USMCA) no Congresso do país, o secretário lembrou que os parlamentares estão voltando do recesso de verão e que obter o aval do Legislativo é a "prioridade" do governo.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

2022 MAIS GORDO

Dividendos e JCP: Copel (CPLE6) engrossa a lista de pagamentos milionários aos acionistas; não fique fora dessa

Data da remuneração ainda não foi definida pela empresa, mas valerá para aqueles com posição até 30 de dezembro deste ano

FECHAMENTO DO DIA

Investidores tentam equilibrar noticiário e Ibovespa emplaca mais um dia de alta; dólar tem queda firme com ômicron no radar

Com o avanço da PEC dos precatórios, a pandemia se torna um dos únicos gatilhos negativos a rondar o Ibovespa,

DOBRANDO A ESQUINA

Lucro das empresas com ações na bolsa deve cair 6,3% em 2022, diz BTG Pactual

Mesmo assim ainda é possível encontrar setores em que o cenário é positivo; saiba quem é quem

Bateu o martelo

IPO do Nubank sai no topo da faixa indicativa, a US$ 9; banco ultrapassa Itaú (ITUB4) e é a instituição financeira mais valiosa da América Latina

Com isso, os BDRs, que serão negociados por aqui a partir da próxima quinta-feira (09), saem valendo R$ 8,38

Juros nas alturas

Selic decola a 9,25%, maior patamar em quatro anos; BC assume tom duro e indica nova alta de 1,5 ponto em fevereiro

Com a nova alta de 1,5 ponto concretizada hoje, a Selic saiu do patamar de 2% em janeiro e fecha o ano em 9,25%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies