Menu
2019-06-04T12:44:40-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Palavras mágicas

Fed está pronto para atuar se guerra comercial afetar a economia dos EUA

Presidente Jerome Powell reforça expectativa de corte de juro que voltou a rodar mercados americanos com mais força

4 de junho de 2019
12:44
Jerome Powell, presidente do Fed
O presidente do Fed, Jerome Powell, está pronto para atuar visando manter a expansão da economia americana. - Imagem: Fed

O presidente do Federal Reserve (Fed), banco central americano, Jerome Powell, afirmou que está pronto para atuar se a guerra comercial e outros assuntos afetarem a economia americana.

O discurso de Powell foi disponibilizado pelo Fed e antes de entrar no assunto de sua palestra, ele pediu licença para falar sobre os recentes desenvolvimentos envolvendo negociações comerciais e outros assuntos.

“Não sabemos como ou quando esses problemas serão resolvidos. Estamos monitorando de perto a implicação desses eventos sobre as perspectivas econômicas americanas e, como sempre, vamos atuar de forma apropriada para sustentar a expansão, com um mercado de trabalho forte e inflação próxima de nossa meta simétrica de 2%”, afirmou.

A fala de Powell, estimulou o movimento de alta dos mercados americanos, com o Dow Jones subindo 1,7%, enquanto o Nasdaq e o S&P 500 avançavam 1,95% e 1,5%, respectivamente.

A próxima reunião do Fed acontece nos dias 18 e 19 de junho. A taxa básica está entre 2,25% e 2,5% ao ano desde dezembro do ano passado.

Ontem, o mercado já tinha tomado impulso depois da fala do diretor do Fed de Saint Louis, James Bullard, de que um corte de juros poderia se fazer necessário, em breve, em função dos riscos que a economia americana enfrenta em função do acirramento da guerra comercial e da inflação baixa.

O tema central da palestra de Powell é a revisão de longo prazo na estratégia de política monetária e comunicação do Fed.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Contas analisadas

CMN aprova balanço do Banco Central no 2º semestre de 2019, com lucro de R$ 64,5 bilhões

Com os R$ 21,04 bilhões de lucro no primeiro semestre, o resultado total do ano para a instituição em 2019 foi de R$ 85,57 bilhões

Novidade na área

Caixa confirma parceria om Visa em cartões

Acordo marca o primeiro negócio fechado pelo banco público para constituir um braço de meios de pagamentos

Ano trágico

Vale tem prejuízo de US$ 1,7 bilhão em 2019; provisões e despesas por Brumadinho chegam a US$ 7,4 bilhões

A Vale fechou 2019 com um prejuízo bilionário, fortemente pressionada pelas provisões relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho — efeitos que superaram em muito os ganhos relacionados à valorização do minério de ferro no ano

Gigante do varejo

Carrefour registra lucro líquido a controladores de R$ 636 milhões no 4º trimestre de 2019

Resultado representa uma alta de quase 20% na comparação com o mesmo período do ano anterior

Adiou de vez

Bolsonaro confirma envio de reforma administrativa só depois do carnaval

Presidente disse que a reforma administrativa está “madura”, embora ainda não esteja pronta

Na ponta do lápis

Vale, SulAmérica, Carrefour e B2W: os balanços que movimentam o mercado no pré-Carnaval

Na maratona de balanços anuais de 2019, novos peso-pesados do mercado anunciaram seus números

Retorno maior com juro baixo

Menos liquidez, mais diversificação: como os clientes ricos do Itaú andam investindo

Com juro baixo, clientes private do Itaú vêm reduzindo alocação em renda fixa pós-fixada e migrando para ativos com mais risco de mercado ou liquidez, como ações, multimercados e investimentos de baixa liquidez.

Seu Dinheiro na sua noite

Hoje tem recorde do dólar?

Tem, sim senhor. Em mais um dia sem a presença do Banco Central no mercado, a moeda do país de Donald Trump tirou tinta dos R$ 4,40, mas perdeu um pouco de força e fechou aos R$ 4,391, alta de 0,60%. A alta recente do dólar, um movimento que na verdade começou lá em agosto […]

Sem alívio

Mais uma sessão, mais um recorde: dólar segue em alta e chega pela primeira vez aos R$ 4,39

O mercado de câmbio continuou pressionado pelo coronavírus e pela fraqueza da economia doméstica. Nesse cenário, o dólar à vista ficou a um triz de bater os R$ 4,40, enquanto o Ibovespa caiu mais de 1% e voltou aos 114 mil pontos

Ele fica

Ministro chama de ‘maior mentira’ história de pedido de saída de Guedes

Ruído sobre eventual saída do titular da Economia do governo se espalhou pelos mercados nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements