Menu
2019-07-31T17:51:46-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Corte de segurança

Fed corta juro, mas fala de presidente não agrada e bolsas caem

Redução é a primeira desde a grande crise financeira de 2007/2008. Presidente Jerome Powell fala que ciclo não será longo, pois não enxerga risco de recessão ou severa crise econômica. Em tese boa notícia, mas mercados não gostaram

31 de julho de 2019
15:06 - atualizado às 17:51
Jerome Powell Fed
Presidente do Fed, Jerome Powell. - Imagem: Federal Reserve

O Federal Reserve (Fed), banco central americano, cortou a taxa de juros em 0,25 ponto percentual para o intervalo de 2% a 2,25% ao ano, ante o range anterior de 2,25% a 2,5%, que perdurava desde o fim do ano passado. A decisão não foi unânime, com dois diretores votando pela manutenção.

No comunicado, o colegiado presidido por Jerome Powell fala que decidiu cortar os juros em função das implicações do cenário global sobre a economia americana em um ambiente sem pressões inflacionárias. O Fed também reafirma que atuará de forma apropriada para sustentar a expansão da economia americana.

A redução veio dentro do esperado pelo mercado e a primeira reação nas bolsas foi negativa. Antes da decisão, os índices operavam próximos da estabilidade, caíram um pouco após a divulgação e aprofundaram queda depois que Powell deixou claro que não se trata de um longo ciclo de cortes de juros. No fim do pregão, o Dow Jones caiu 1,23%, enquanto o Nasdaq  recuou 1,19% e o S&P 500 perdeu 1,09%.

Outra forma de enxergar tal postura do Fed é que a economia não está tão fraca como se antecipava (em tese, seria boa notícia). De fato, Powell deixou isso claro, ao dizer que o colegiado não vê a economia em recessão ou forte retração que justifique um longo ciclo de redução. "O que estamos vendo é que é apropriado ajustar a política para uma instância mais acomodativa ao longo do tempo", afirmou.

Por aqui, o Ibovespa, que recuava cerca de 0,70%, passou a cair cerca de 1%, perdendo a linha dos 102 mil pontos, e até fechar com queda de 1,09% aos 101.812 potnos. O dólar, que chegou a cair mais de 1%, fechou com alta de 0,75%, a R$ 3,8199. A decisão e os acenos do Fed também têm reflexos na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que por voltas das 18 horas apresenta sua decisão para a taxa Selic, atualmente fixada em 6,5% ao ano. Há firme divisão no mercado com relação a uma redução de 0,25 ponto ou meio ponto percentual.

Essa é a primeira redução de juros feita pelo Fed desde a crise de 2007/2008 e acontece depois de um período de acenos do BC americano que passou a enxergar riscos à expansão da atividade econômica decorrentes da guerra comercial e ambiente de menor crescimento global. Vetores que podem impactar uma inflação que segue rodando abaixo da meta de 2%.

Dois últimos ciclos de corte do Fed. Áreas cinzas são recessões. Será diferente desta vez? Aqui está o link para o gráfico interativo do FRED.

A decisão foi dividida, com Esther George e Eric Rosengren votando pela estabilidade do juro entre 2,25% e 2,5%. Na reunião passada, o dissidente entre os 10 membros do colegiado do Fed tinha sido James Bullard, votando por redução.

No comunicado, o Fed volta a falar que o mercado de trabalho permanece forte, com crescimento moderado da atividade. Apesar da melhora nos gastos do consumidor, os investimentos têm sido fracos. No lado da inflação, os índices permanecem "baixos".

Corte de segurança

Na entrevista que concede após a decisão, Jerome Powell, disse que o cenário para a economia permanece positivo e que a ação de hoje foi tomada para manter esse quadro. Além disso, o corte de juro também busca acelerar o retorno da inflação à meta de 2%.

Perguntado se o corte de 0,25 ponto será suficiente para atingir os objetivos de crescimento e inflação nas metas. Powell disse que a ação pode ser vista como uma forma de ajustar a política monetária para algo mais acomodativo, garantido proteção contra os riscos de baixa que ameaçam a economia.

Segundo Powell, o colegiado vai monitorar os desdobramento da guerra comercial, menor crescimento mundial e dados domésticos para tomar as próximas decisões.

Powell foi perguntado se o Fed fez um "corte de segurança" na reunião de hoje, tendo em vista que os dados da economia não garantiram, em tese, uma redução imediata. O presidente respondeu que sim, há um pouco dessa visão na atuação, pois há um "gerenciamento de riscos". Mas que o colegiado acredita que as questões globais e comercial estão sim impactando a economia americana.

"Acreditamos que esse é o movimento certo para o momento e que vai atender aos nossos objetivos [garantir proteção contra o risco de baixa da atividade proveniente da guerra comercial e menor crescimento global]", disse.

Novamente perguntado sobre a possível extensão do ciclo de cortes, Powell reafirmou que os próximos passos vão depender dos dados e dos riscos que se apresentam à economia. "A situação que vemos, agora, é que é apropriado ajustar a política para uma instância mais acomodativa."

Perguntado sobre pressões políticas ou se o Fed teria se dobrado aos pedidos de Donald Trump, Powell disse que o colegiado não leva em conta considerações políticas na sua tomada de decisão. “E não fazemos política monetária para provar nossa independência. Temos um mandato e sempre vamos atuar assim e usar nossas ferramentas para isso”, disse.

Novamente questionado sobre o ciclo de cortes Powell foi mais explícito: “Deixa eu ser claro. Eu disse que não é o começo de uma longa série de cortes. Também não disse que é apenas um corte ou qualquer coisa assim. Eu disse que quando pensamos em ciclos de corte, eles duram muito tempo. O comitê não está vendo isso. Você faria isso se visse uma fraqueza econômica real e pensasse que o juro teria de ser cortado muito. Não é isso que estamos vendo. O que estamos vendo é que é apropriado ajustar a política para uma postura mais acomodativa ao longo do tempo. E é assim que estamos olhando para a questão. O que eu disse foi que não é um longo ciclo de corte, referindo-se ao que fazemos quando há uma recessão ou uma crise muito severa. E isso é o que realmente estou descartando”, disse Powell.

Questionado sobre qual seria a postura do Fed diante de uma recessão, que invariavelmente vai ocorrer, Powell disse que "vamos usar todas as nossas ferramentas de forma agressiva" quando isso acontecer.

Demorou, mas não muito, para o presidente Trump dar seu pitaco sobre a decisão: "Como sempre, Powell nos decepcionou". Para o Trump, o que o mercado queria era o início de um longo e agressivo ciclo de corte de juros, que nos manteria alinhados com a China, União Europeia e outros países..."

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Sem alívio

Aversão ao risco continua elevada e mantém o Ibovespa em queda firme; dólar sobe a R$ 4,45

Os mercados seguem cautelosos com os desdobramentos do coronavírus. Nesse cenário, o Ibovespa dá continuidade às perdas de ontem, enquanto o dólar à vista busca novas máximas

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

olho no indicador

Índice que corrige o aluguel, IGP-M cai 0,04% em fevereiro

Com o resultado, indicador acumula variação de 6,82% nos 12 meses encerrados em fevereiro e de 0,44% em 2019

diálogo difícil

Reino Unido inicia diálogo comercial com UE com ameaça de abandoná-lo

Governo britânico admite que o tempo é “limitado”, mas “suficiente” para que um acordo preliminar seja alcançado nos próximos quatro meses

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

9 notícias para você começar o dia bem informado

É hora de soprar as cinzas da quarta-feira e encarar uma nova realidade de mercados mais voláteis e incertos. Os humores devem continuar a variar conforme dados sobre o avanço ou retrocesso do coronavírus forem divulgados.  Além da questão sanitária, o investidor deve refletir sobre as consequências reais do surto para a economia e o […]

olho nas cifras

Ambev registra lucro de R$ 12,5 bilhões em 2019

No quarto trimestre, lucro líquido ajustado chegou a R$ 4,6 bilhões, numa alta de quase 25%; ADRs da companhia, no entanto, caem no pré-mercado de NY

Esquenta dos mercados

Pressão do coronavírus continua e mercados globais seguem no vermelho

Incertezas com o impacto da doença na economia global é um dos maiores fatores para a queda. Enquanto o indicador segue incerto, a doença continua se alastrando pelo globo

barrados no baile

Facebook vai banir anúncios que prometem cura do coronavírus

Em meio à histeria por conta da epidemia do vírus, golpistas têm aproveitado para enganar pessoas pela internet, vendendo falsas soluções

agora vai?

Redes de shoppings voltam a investir em prédios residenciais e comerciais

Estimuladas pela melhora da atividade econômica e queda das taxas de juros, as companhias começam, aos poucos, a tirar da gaveta seus planos de expansão nessa área

Entrevista exclusiva

Ex-diretor do BC vê alta do dólar como necessária e projeta câmbio de equilíbrio a R$ 4,77

Agravamento do surto do coronavírus adiciona incerteza, mas desvalorização cambial não é transitória como parte do mercado acredita, afirma Reinaldo Le Grazie, sócio da Panamby Capital

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements