Menu
2019-10-09T16:20:30-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juros

Ata do Fed mostra maior preocupação com crescimento nos EUA

Documento também faz comentários sobre chance de recessão apontada por modelos estatísticos e inversão da curva de juros

9 de outubro de 2019
16:20
Fed banco central americano
Sede do Federal Reserve (Fed) - Imagem: Federal Reserve

A ata da reunião de 18 de setembro do Federal Reserve (Fed) mostra um banco central mais preocupado com o ritmo de crescimento da atividade nos Estados Unidos em comparação com as discussões de julho.

Entre os vetores de preocupação estão a guerra comercial, o Brexit e as tensões geopolíticas em Hong Kong e Oriente Médio. Esses eventos podem resultar em queda dos investimentos e no ritmo de contratação, trazendo consequências negativas sobre o consumo e a economia como um todo.

O documento também mostra que alguns participantes comentaram sobre os modelos de previsão e inversão da curva de juros mostrando um “aumento notável” na probabilidade de recessão nos próximos meses. Por outro lado, também foi destacada a dificuldade de se extrair os sinais corretos desses modelos de projeção.

Corte ou manutenção?

Nas discussões sobre política monetária, a maioria dos participantes achou apropriada a redução de 0,25 ponto percentual no juro, para o intervalo entre 1,75% e 2%. Mas sabemos que o placar não foi unânime, pois tivemos dois votos por manutenção e outro por corte de meio ponto.

Nessas discussões, a ata nos mostra que mais gente chegou a apoiar tanto a estabilidade, quanto o corte de meio ponto.

A parte predominante viu uma piora nos indicadores econômicos e inflação ainda longe da meta como vetores a favorecer o corte de 0,25 ponto. Para alguns deles, esse corte antecipado seria uma forma de dar melhor suporte para a economia enfrentar o ambiente de maior incerteza.

Os votos pela estabilidade se apoiaram na avaliação de que as projeções para a economia tinham mudado muito pouco desde a última reunião. Esse grupo reconhece o aumento das incertezas, mas não considera que isso seja suficiente para mudar a perspectiva de crescimento da economia. Outra preocupação expressada foi com relação a possíveis desequilíbrios financeiros.

Dois diretores chegaram a defender corte de meio ponto. Para eles, esse movimento ajudaria a reduzir os riscos de desaceleração da atividade e inflação ainda muito baixa. Esses dois membros do Fed também argumentaram que o Fed precisa de uma política de juro suficientemente acomodativa para afastar os EUA de uma combinação pouco desejável já vista em outros países de inflação baixa, atividade fraca e juro próximo de zero.

Sobre os próximos passos da política monetária, o consenso é de que não há um curso predeterminado e que as decisões seguirão dependendo da evolução dos dados.

O colegiado discutiu, no entanto, a necessidade de sinalizar ao mercado até que ponto o Fed pretende seguir afrouxando sua política. Alguns participantes destacaram que os preços de mercado sugerem mais cortes de juros e que seria interessante promover algum alinhamento de expectativas. Algo que pode acontecer no comunicado da reunião do dia 31 de outubro.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Olho no câmbio

BC: Fluxo cambial total em fevereiro até dia 21 é negativo em US$ 2,321 bi

Brasil encerrou janeiro com saídas líquidas de US$ 384 milhões

Dívida

Tesouro: Dívida Pública Federal fecha janeiro em R$ 4,229 trilhões

Dados foram divulgados nesta quinta-feira; em dezembro, o estoque estava em R$ 4,248 trilhões

Não desceu redondo

‘Sem brilho’: confira como os analistas reagiram ao balanço da Ambev

Apesar de registrar lucro trimestral e anual, resultado demonstra que desafio à frente é grande

mudança no bancão

Brasileiro Sergio Rial é indicado para o conselho da matriz do Santander

Rial faz parte do grupo Santander desde 2015 e deve manter o cargo de presidente do banco no Brasil

após medidas do bc...

Aposta do governo, setor imobiliário tem alta de 16,2% nas concessões em 12 meses

Presidente do BC tem destacado a importância do setor imobiliário para a recuperação da economia brasileira

Efeito coronavírus

Gestores de fundos multimercados reduziram posições mais otimistas, diz pesquisa da XP

Dos gestores consultados pela corretora, 71% tomaram alguma medida de redução de exposição ou aumento de hedge (proteção) após o agravamento do surto do coronavírus

começando os trabalhos

Petrobras inicia teste de longa duração em águas profundas na Bacia SE-AL

Segundo a estatal, o poço está localizado em lâmina d’água de aproximadamente 2,5 mil metros, “sendo o mais profundo que a Petrobras já colocou para produzir no Brasil”

INSTABILIDADE NO SISTEMA

Em mais um dia de instabilidade, investidores voltam a reclamar de problemas no home broker da XP

Em resposta a um usuário que contestava os problemas no site e pelo app, a corretora pediu desculpas e disse que estava trabalhando para normalizar os serviços na plataforma

em ascensão

Partido Novo cresceu 154% desde 2018; PSL encolheu desde saída de Bolsonaro

Sigla criada em 2011 por um grupo de empresários elegeu oito deputados federais e o governador de Minas Gerais, Romeu Zema

tensão em brasília

Crise com o Congresso pode trocar reformas prioritárias por pautas bombas

Acirramento dos ânimos depois que o presidente disparou de seu celular um vídeo convocando apoiadores a irem às ruas para defendê-lo contra o Congresso ampliou as incertezas da agenda econômica

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements