2019-10-17T14:51:06-03:00
de olho no certame

Chinesa State Grid pode avaliar Eletrobras e garante presença em leilão de transmissão

Presidente da empresa ressaltou que todas as informações que possui sobre a venda da Eletrobras vem da imprensa e que a questão do modelo de venda ainda terá que ser debatida no Congresso

17 de outubro de 2019
14:50 - atualizado às 14:51
Imagem: shutterstock

A falta de clareza sobre a privatização da Eletrobras impede a chinesa State Grid de avaliar se pretende participar de uma eventual privatização da estatal, afirmou nesta quinta-feira (17) o presidente da empresa no Brasil, Chang Zhonjiao. Ele não descartou, porém, avaliar a oferta do governo quando for concretizada.

Por volta das 14h40 desta quinta, as ações ordinárias da Eletrobras (ELET3) eram negociadas a R$ 36,22, numa baixa de 0,41%. Acompanhe nossa cobertura de mercados.

Zhonjiao, da State Grid, confirmou que a estatal asiática estará no leilão de linhas de transmissão, em dezembro, setor que concentra os investimentos da companhia que está no Brasil há 10 anos.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

"Temos interesse em aquisições se tiverem em conformidade com os planos do grupo, não temos muitos detalhes, mas se for em conformidade com o nosso plano de expansão, por que não?", disse Zhonjiao referindo-se a possível privatização da Eletrobras, prevista para 2020.

O executivo participou nesta quinta-feira de cerimônia do lançamento do primeiro relatório de sustentabilidade editado pela State Grid fora da China.

Ele ressaltou que todas as informações que possui sobre a venda da Eletrobras vem da imprensa e que a questão do modelo de venda ainda terá que ser debatida no Congresso Nacional. "O Congresso ainda está discutindo qual modelo será, não há detalhes, então continuo dizendo que não existe ideal pra gente, um modelo único que aceitamos, precisamos de detalhe para começar a pensar", explicou.

Investimentos

Desde 2010, a State Grid já investiu US$ 12,4 bilhões no Brasil, 60% de todos os investimentos feitos no mundo. Esta semana, entrou em operação o maior projeto brasileiro da companhia, o segundo bipolo da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, onde foram investidos R$ 8,7 bilhões para trazer energia no norte do País até o Rio de Janeiro, no município de Paracambi.

O "linhão de Belo Monte" tem 2.539 quilômetros e atravessa os Estados do Pará, Tocantins, Goiás, Minas Gerais e Rio de Janeiro, com capacidade para transmitir 4 mil megawatts.

"Este é maior projeto de linha de transmissão de alta tensão do mundo", disse Zhonjiao, comemorando a entrada oficial da operação esta semana depois da liberação do Operador Nacional do Sistema (ONS).

A empresa conseguiu antecipar o projeto da segunda linha de transmissão de Belo Monte em cinco meses e considerou o processo de licenciamento "razoavelmente tranquilo".

Para a construção da linha foi necessário desviar de aldeias indígenas e quilombolas, comunidades onde a empresa também desenvolve projetos econômico-sociais.

*Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Enxugando

Bancos públicos devem acelerar vendas de ativos em 2020

Juntos, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES devem vender, só no primeiro semestre de 2020, mais de R$ 60 bilhões em ativos

Obras a todo vapor

A economia brasileira segue patinando, mas o setor de construção dá sinais de força

O segmento de construção continua aquecido, com a retomada nos lançamentos e um crescimento no volume de vendas. E as prévias operacionais da Helbor, Direcional e MRV dão suporte ao otimismo do mercado

Aval do presidente

Bolsonaro aprova fundo eleitoral de R$ 2 bilhões em orçamento para 2020

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a inclusão do fundo eleitoral no Orçamento do governo de 2020 — um mecanismo que prevê gastos de R$ 2 bilhões para as campanhas das eleições municipais

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: Bolha? Que bolha?

A matéria que discute uma suposta bolha nos fundos imobiliários foi a mais lida desta semana. Oi, aposentadoria e bolsa também estiveram entre os assuntos de destaque

Em busca de investidores

Guedes vai a Davos para ‘vender’ o Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, será a principal autoridade brasileira no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

LIÇÕES DO PAI RICO, PAI POBRE

Ganhando bem, mas longe de ser rico?

Robert Kiyosaki, autor do best seller Pai Rico, Pai Pobre, escreve aos sábados sobre suas lições de finanças

DE OLHO NOS EMPRÉSTIMOS

BNDES aprova empréstimos a exportações de Embraer, Marcopolo, Mercedes e Scania

A maior das operações foi para a fabricante de aviões Embraer, que tomou empréstimo de US$ 285 milhões para financiar a exportação de 11 aeronaves modelo E175 para a American Airlines, nos Estados Unidos

FUNDOS DE PENSÃO

Assessores de Guedes e mais 28 viram réus por rombo em fundos de pensão

“O Ministério Público Federal produziu e apresentou a este Juízo peça acusatória formalmente apta, acompanhada de vasto material probatório, contendo a descrição pormenorizada contra todos os denunciados”, anotou Vallisney.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

De volta para o futuro

Quando escrevi aqui na newsletter que não é possível prever o futuro, um leitor me corrigiu. Em alguns casos podemos sim antecipar com razoável grau de precisão o que vai acontecer: que o diga a previsão do tempo. Ele tem razão, mas a mesma premissa válida para a meteorologia não se aplica ao mercado financeiro. […]

Bolsa forte

Otimismo externo se sobrepõe à hesitação local e Ibovespa sobe 2,58% na semana

Apesar do viés “misto” dos mais recentes dados da atividade doméstica, o otimismo em relação ao acordo EUA-China e a força mostrada pela economia chinesa sustentaram o bom desempenho do Ibovespa

Menu