Menu
2019-03-25T08:18:31-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Novidades nos EUA

Não há evidências suficientes para provar o conluio entre a campanha de Donald Trump e a Rússia, destaca carta

O procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, informou agora à tarde (24) às autoridades americanas uma parte do conteúdo do relatório do conselheiro especial do DoJ, Robert Mueller

24 de março de 2019
16:58 - atualizado às 8:18
O presidente dos EUA Donald Trump
O presidente americano Donald Trump - Imagem: Shutterstock

Depois de muito suspense sobre o tema, o procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, informou agora à tarde (24) que não há evidências suficientes para provar o conluio entre a campanha de Donald Trump e o governo russo. As informações são da CNN.

A carta de Barr torna pública a conclusão do relatório de Robert Mueller, conselheiro especial do Departamento de Justiça (DoJ), responsável pelas investigações.

No documento, o procurador ressalta que não há evidências suficientes para provar o crime de obstrução de justiça de Trump, de forma ilegal.  Mas aponta que "apesar de o relatório não poder concluir que o presidente cometeu um crime, isso não o isenta", destacou Barr.

O documento não foi divulgado na íntegra, mas o procurador afirmou hoje que pretende divulgar mais partes de seu conteúdo.

As conclusões estavam sendo esperadas pelos analistas do mercado por conta de possíveis impactos nas bolsas americanas. A expectativa dos especialistas era que os ativos iriam reagir com grande volatilidade nos próximos dias.

Reação da Casa Branca

Após a divulgação da carta, a secretária de imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders, se manifestou e disse que o resultado das investigações do DoJ "isentam de forma total e completa o presidente dos Estados Unidos".

As investigações

Depois de quase dois anos, o procurador especial, Robert Mueller, entregou nesta sexta-feira (22/03) o relatório final das investigações sobre a suposta interferência nas eleições presidenciais de 2016.

Mueller investigava os supostos laços entre a Rússia e a equipe de campanha do então candidato pelo Partido Republicano e agora presidente dos EUA, Donald Trump, avaliando inclusive a possibilidade de que o mandatário possa ter obstruído a Justiça, desde maio de 2017. Até agora, o procurador especial acusou 34 pessoas, entre elas seis ex-assessores do governante.

*Mais informações em breve

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

uma bolada

Bradesco paga R$ 5 bilhões em juros sobre capital próprio

Valor representa R$ 0,416 por ação ordinária e R$ 0,458 por ação preferencial, após o desconto do Imposto de Renda

seu dinheiro na sua noite

Dólar abaixo de R$ 5, Selic de volta aos 7% e o investimento da Petz em página de gatinhos

Apesar dos avanços na vacinação e do relaxamento nas medidas de distanciamento social, o fato de ainda estarmos convivendo com o coronavírus e uma elevada mortalidade pela covid-19 faz com que 2021 tenha um sabor de 2020 – parte 2. Assim tem sido, pelo menos para mim. Imagino que também seja assim para todas as […]

atenção, acionista

Weg e Lojas Renner anunciam juros sobre capital próprio; confira valores

Empresa de fabricação e comercialização de motores elétricos paga R$ 86,1 milhões; provento da varejista chega a R$ 88 milhões

Alívio no câmbio

Dólar fica abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez em mais de um ano — e o empurrão veio dos BCs

O dólar à vista terminou o dia em R$ 4,96, ficando abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez desde 10 de junho de 2020. O Ibovespa caiu

Constitucionalidade em xeque

Autonomia do Banco Central: STF retoma julgamento no dia 25, mas recesso pode estender votação até agosto

A lei em análise restringe os poderes do governo federal sobre a autoridade máxima da política monetária do País

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies