🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2019-05-23T11:51:47-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mais mercado, menos bancos

Crédito total no país é de R$ 9,5 trilhões ou 138% do PIB e governo fica com quase metade disso

Banco Central passa a apresentar dados sobre o crédito ampliado, que além das operações feitas no sistema financeiro, agrega títulos públicos, privados e operações externas

23 de maio de 2019
11:51
Montagem com fachada de agências dos bancos Santander, Itaú, Bradesco e Banco do Brasil
Fachada de agências dos bancos Santander, Itaú, Bradesco e Banco do Brasil - Imagem: Montagem Andrei Morais / Estadão Conteúdo / Shutterstock

O Banco Central (BC) passará a apresentar em base mensal estatísticas de crédito ao setor não financeiro no conceito ampliado, que abrange além das operações feitas por bancos e outras instituições financeiras, os créditos obtidos via emissão de títulos da dívida pública e privada, como debêntures, e aqueles concedidos por não residentes.

Os primeiros dados apresentados pelo BC, mostram uma relação crédito sobre o Produto Interno Bruto (PIB) bem maior do que aquela que estamos acostumados a ver mensalmente nas estatísticas da autoridade monetária.

No conceito ampliado, o crédito no país fechou 2018 em R$ 9,446 trilhões, o que representa 138,3% do PIB. Ao considerarmos apenas as operações feitas no âmbito do sistema financeiro nacional (SFN), o valor foi de R$ 3,473 trilhões, ou 50,9% do PIB, que é o número usualmente conhecido.

Entre 2016 e 2018, o crédito no âmbito do SFN teve crescimento nominal de 5,37%, enquanto a emissão de títulos da dívida avançou 30,5%, e os empréstimos classificados como dívida externa subiram 18,2%. Com isso, temos que o crédito ampliado cresceu 17,5% nesse mesmo período.

crédito pib

A abertura dos dados vai nos ajudar a observar um fenômeno que o próprio BC vem destacando em algumas de suas publicações, que trata de uma substituição do SFN pelo mercado de capitais, principalmente, no financiamento às empresas.

Há um esforço do BC e do governo em fazer um movimento para aprofundar o mercado de capitais como fonte de financiamento e toda essa agenda também conversa com as medidas de ajuste fiscal.

Os temas parecem desconexos, mas a coisa é mais ou menos assim. Como o governo gasta mais do que arrecada, se torna um firme demandante pelos recursos disponíveis na economia. Como tem risco de calote quase zero e títulos públicos são “quase dinheiro” (preferência pela liquidez), o tamanho do Estado no mercado de crédito promove o chamado “crowding out” do setor privado.

Com o Estado reduzindo sua necessidade de financiamento, tenderíamos a ver uma maior oferta de recursos para financiar o setor privado, que faria então o chamado "crowding in". Isso sem falar na taxa de juros. Pois com juros elevados, não tem nada melhor que emprestar para o governo, mas com Selic baixa e estável a coisa começa a mudar de figura.

Em suma, é o que o presidente do BC, Roberto Campos Neto, vem advogando em praticamente todos os seus discursos públicos: "O mercado precisa se libertar da necessidade de financiar o governo e se voltar para o financiamento ao empreendedorismo."

Quem fica com esse dinheiro?

Pouco mais da metade desses quase R$ 9,5 trilhões, ou 56% para ser mais exato, estão com empresas privadas, públicas e famílias. Já o governo consome os 44% restantes, entre administração pública federal, estadual e municipal. O que reforça os argumentos acima.

Em dezembro de 2018, o maior componente do crédito total foi o de títulos públicos, respondendo por 35% do total, seguido pela carteira do SFN, com 34%. A dívida externa representou 22% do crédito total, enquanto o mercado de capitais e os outros empréstimos corresponderam a 6% e 2%, respectivamente.

Abrindo os dados para empresas e famílias, temos R$ 5,3 trilhões em crédito no fim de 2018, ou 77,7%  do PIB. Aqui, a carteira do SFN domina, respondendo por 59% do saldo total. A segunda fonte de financiamento mais relevante é o crédito fornecido por não residentes, com 26%. O mercado de capitais e os outros empréstimos responderam, na ordem, por 11% e 4%, respectivamente.

Já o crédito ampliado ao governo geral, que compreende recursos para custeio e investimento da administração pública (excluída as empresas estatais), foi de R$ 4,1 trilhões em dezembro de 2018, ou 60,6% do PIB.

Segundo o BC, sua maior parcela corresponde aos títulos emitidos no mercado doméstico, com 90%, e adquiridos por residentes e não residentes. As operações de crédito do SFN representam somente 3% desse total.

Abrindo os dados

Dentro do grupo títulos da dívida, estão os papéis emitidos no mercado doméstico por pessoas jurídicas não financeiras e por entidades do setor público, excluídos aqueles detidos por não residentes, que são classificados na dívida externa.

Aqui temos debêntures e instrumentos de securitização, como Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA) e direitos creditórios em carteira de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC).

Há uma natural prevalência dos títulos públicos, que fecharam 2018 somando R$ 3,326 trilhões, ou 48,7% do PIB. Mas observado os demais componentes observamos crescimento relevante e superior ao da dívida pública, que aumentou 28,8% desde 2016.

No segmento de títulos privados, onde entram as debêntures, o valor era de R$ 371 bilhões, ou 5,4% do PIB, ante R$ 256 bilhões no fim a de 2016, avanço de 45%.

Em instrumentos de securitização (CRI, CRA e FIDC), o avanço no período foi de 34%, de R$ 167 bilhões para R$ 224 bilhões, ou 3,3% do PIB.

Dívida externa

O conceito aqui abrange ao saldo dos recursos captados no exterior mediante a contratação de empréstimos ou a emissão de títulos. São as operações de crédito concedidas por não residentes para residentes.

Em 2018, a dívida externa total fechou em R$ 2,052 trilhões, ou 30% do PIB. Desse total, tínhamos R$ 1,332 trilhão em empréstimos, contra R$ 1,110 trilhão, em 2016. Outros R$ 312 bilhões em títulos emitidos no mercado externo (R$ 212 bilhões em 2016) e mais R$ 407 bilhões em títulos emitidos no mercado local (R$ 413 bilhões em 2016).

A íntegra do estudo pode encontrada aqui. Esse estudo faz parte da divulgação do Relatório de Economia Bancária, que será apresentado na íntegra na terça-feira da próxima semana. Os dados mais aguardados do REB são os referentes ao spread bancário e à concentração e concorrência no sistema financeiros.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

ROTA DO BILHÃO

Warren Buffett: Como o megainvestidor acumulou uma fortuna de US$ 95 bilhões e se tornou o sexto homem mais rico do mundo

Aos 11 anos, Buffett fez seu primeiro investimento na bolsa de valores; CEO da Berkshire Hathaway, construiu riqueza com alocações a longo prazo e baixo risco

TRILHAS DE CARREIRA

Orgulho LGBTQIAP+ e carreira: três passos para a sua afirmação profissional

Sendo parte da comunidade LGBTQIAP+, sinto o dever de falar sobre carreira para todos os que, de alguma forma, não conseguem se ver representados no ambiente de trabalho

Fraqueza nos números

Entrega de veículos da Tesla (TSLA34) recua no segundo trimestre e vem abaixo da expectativa do mercado

Apesar do crescimento das vendas na comparação anual, houve uma queda em relação ao trimestre anterior

Mais uma vítima

Após tomar calote do 3AC, exchange Voyager Digital suspende saques, depósitos e negociações de clientes

Corretora de criptomoedas tomou calote de mais de US$ 670 milhões, mas, apesar de ter tomado empréstimos, precisou paralisar atividades

Bancões na área

Vão sobrar uns cinco ou dez bancos digitais, e o Next está entre eles, diz CEO do banco digital do Bradesco

Renato Ejnisman diz ainda que Next visa a mais aquisições e pensa ainda em internacionalização

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies