Menu
2019-06-27T19:59:24-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
tá liberado

BC facilita tomada de crédito por empresas com recebível de cartão

Medida acaba de vez com a chamada “trava bancária”, liberando lojistas para negociarem melhores taxas de antecipação com bancos, fundos e fornecedores

27 de junho de 2019
19:59
Cartões de crédito
Cartões de crédito - Imagem: Shutterstock

Os lojistas ficaram finalmente liberados para negociar com qualquer banco a antecipação de suas vendas feitas nas maquininhas de cartão crédito e débito. O Banco Central (BC) acabou de vez com a chamada “trava bancária” ao anunciar as condições para o registro de recebíveis. Assim, empresas de qualquer porte poderão buscar melhores condições para antecipar vendas dentro e fora do sistema financeiro. As regras entram em vigor em agosto de 2020.

Antes de avançar no assunto vale fazer um breve histórico. Pela regra atual, explica o BC, todos os recebíveis de um estabelecimento comercial ficam à disposição da instituição financeira na qual ele obteve crédito.

Dessa forma, se um comerciante tem R$ 10 mil de recebíveis e pegou um empréstimo de R$ 5 mil em um banco, não pode usar o restante dos recebíveis como garantia em outras operações, com outros bancos ou fora do sistema financeiro. Por isso da expressão “trava bancária”.

O BC já tinha feito uma flexibilização nessa regra, mas agora vai permitir que o comerciante solicite o registro de seus recebíveis junto a uma entidade registradora. Com esse registro, ele pode utilizar parte ou totalidade dos recebíveis de acordo com suas necessidades.

A ideia é que com o registro dos recebíveis haja maior concorrência e menores taxas de antecipação cobradas dos estabelecimentos comerciais.

“Com mais segurança, concorrência e eficiência, o mercado poderá aumentar a oferta de crédito para os estabelecimentos comerciais, de forma mais barata”, diz o BC em nota.

Além de fazer essa operação com um banco, também há possibilidade de a empresa ceder o fluxo de recebíveis performados (vendas feitas) e a performar (vendas futuras) para Fundos de Direitos Creditórios ou fornecedores.

As alterações também podem resultar em um novo mercado de crédito privado, baseado nesses recebíveis.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

com a palavra, Pedro Guimarães

Presidente da Caixa diz sentir retomada no setor imobiliário

“Estamos otimistas com os próximos meses em termos de economia”, afirmou Pedro Guimarães, durante coletiva virtual de imprensa

Vai uma limonada aí?

Estreante, seguradora Lemonade dispara 132% na bolsa de Nova York

As ações da empresa abriram a sessão ao preço de US$ 50,06 e, na máxima, foram negociadas a US$ 67,46. Isso avalia a empresa em US$ 3,7 bilhões, bem acima da rodada de investimentos que recebeu em 2019

40,5% de queda em relação a 2019

Venda de veículos novos cresce 113,6% em junho ante maio, diz Fenabrave

O volume registrado em junho, se comparado a igual mês do ano passado, apresenta queda de 40,5%

para enfrentar a crise

Embraer quer implementar PDV para funcionários em licença remunerada

Desde março, a fabricante de aeronaves já adotou trabalho remoto integral (home office), concessão de férias coletivas, suspensão de contratos de trabalho e redução de jornada, por conta da crise causada pela pandemia

questões do emprego

Governo estuda novo marco do trabalho com menores custos de contratação

O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, disse que o governo está trabalhando em um novo marco do trabalho, com redução de custos para contratação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements