Menu
2019-04-20T16:36:37-03:00
Estadão Conteúdo
Derrota À vista para o governo

Senadores devem aprovar engessamento do Orçamento

Texto da PEC será apresentado na quarta-feira (3) na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, onde começará a tramitar.

28 de março de 2019
8:05 - atualizado às 16:36
senado
Senado - Imagem: Alessandro Dantas/Fotos Públicas

Após ser derrotado na Câmara dos Deputados com a votação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que engessa ainda mais o Orçamento da União, hoje a tendência é que o governo também perca no Senado. O texto será apreciado na quarta-feira, 3, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa, onde começará a tramitar. Segundo aliados, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), deve entregar a relatoria da matéria ao senador aliado Marcos Rogério (DEM-RO).

Líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), disse ontem que a PEC será votada no plenário logo após apreciação do colegiado: "Havia pressão de alguns líderes para que a matéria pudesse ser analisada ainda hoje no plenário, mas prevaleceu o bom senso do apelo que fizemos para que primeiro fosse vista na CCJ, após a avaliação dos desdobramentos dessa decisão."

Após entender a derrota, o Planalto deflagrou uma operação para derrubar a PEC no Senado. Qualquer alteração na redação do texto obriga a proposta a ser devolvida para Câmara e passar por nova tramitação nas comissões. Mesmo se for acelerado, o trâmite de uma PEC nas comissões ainda pode perdurar por dois meses, já que não existe urgência para emendas constitucionais.

Durante a votação na Câmara, os deputados disseram ter seguido orientação do governo para votar a favor. A aliados, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, Felipe Francischini, disse ter perguntado ao ministro da Economia, Paulo Guedes, qual o posicionamento do governo em relação à proposta. Disse ter ouvido dele que poderiam votar favorável, dando assim mais poder ao Parlamento.

Derrota

A Câmara aprovou a PEC na terça-feira, 26, em menos de duas horas. A proposta engessa parcela maior do Orçamento e torna obrigatório o pagamento de despesas hoje passíveis de adiamento, como emendas de bancadas estaduais e investimentos em obras. Por reduzir o poder do Executivo sobre gastos públicos, a decisão de terça tem sido vista como uma importante derrota para o governo na Câmara. "Não vejo como uma derrota. O processo político é um processo contínuo", discordou o senador Bezerra.

Os placares foram de 448 e 453 votos a favor, no primeiro e segundo turno respectivamente. Houve votos favoráveis inclusive do próprio PSL.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

em busca de energia limpa

Criptomoedas: Elon Musk diz que Tesla vendeu 10% do que detinha em bitcoin

Segundo executivo, operação prova que a criptomoeda poder ser liquidada facilmente “sem mover o mercado”

imunização

Governo de São Paulo adianta em 30 dias vacinação contra a covid-19; veja novas datas

Plano é vacinar toda a população adulta do estado, ao menos com a primeira dose, até o dia 15 de setembro

luto

Ex-presidente do BC Carlos Langoni morre de covid-19 no Rio

Carlos Langoni trabalhou no governo na virada das décadas de 1970 e 1980, quando foi presidente do BC; ele colaborou com a equipe econômica do ministro Paulo Guedes, quase 40 anos depois

nos eua

Nova ‘ação meme’? Orphazyme dispara quase 1400% em um dia e mercado não sabe por quê

Investidores da empresa aguardam uma importante atualização sobre um tratamento experimental para a doença de Niemann-Pick; sem novidades, mercado não sabe a razão da alta

entrevista

Superávit primário pode voltar em 2024, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt diz que a melhora no quadro fiscal do País não é “sorte”; confira a entrevista

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies