Menu
2019-07-10T16:16:01-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Ao infinito e além!

Virgin Galactic, do bilionário Richard Branson, pode ser 1ª empresa criada para levar turistas ao espaço listada em bolsa

O valor estimado da nova firma será de US$ 1,5 bilhões. O montante representa 1,5 vezes o capital investido e segundo a expectativa dos fundadores, a companhia deve apresentar um potencial de geração de caixa (Ebitda) que deve equivaler a 5,5 vezes o valor da firma

10 de julho de 2019
14:57 - atualizado às 16:16
VSS Unity Rockets to Space on Historic First Spaceflight
VSS Unity Rockets to Space on Historic First Spaceflight -

Se antes o sonho de ter uma empresa de turismo espacial de capital aberto listada na bolsa de valores parecia distante, agora ele pode se tornar realidade. O bilionário britânico Richard Branson anunciou ontem (9) que a sua companhia de turismo espacial Virgin Galactic fará uma fusão com a empresa de investimentos Social Capital Hedosophia (SCH).

A união das duas empresas levará a criação da primeira empresa de turismo espacial de capital aberto listada em bolsa de valores. De acordo com o que foi divulgado, a SCH terá 49% da empresa e a expectativa é que as transações sejam concluídas até a segunda metade de 2019.

Richard Branson à direita.

O valor estimado da nova firma será de US$ 1,5 bilhões. O montante representa 1,5 vezes o capital investido e segundo a expectativa dos fundadores, a companhia deve apresentar um potencial de geração de caixa (Ebitda) que deve equivaler a 5,5 vezes o valor da firma.

"Após a conclusão desta operação, a maioria dos fundos no capital da SCH deverá se somar ao saldo da Virgin Galactic para financiar sua operação e crescimento", falaram os sócios, no comunicado de fusão.

O CEO e fundador da SCH, Chamath Palihapitiya, ainda disse que irá investir US$ 100 milhões adicionais quando a transação for concluída. Além de contribuir com tal quantia, Palihapitiya será o presidente da nova companhia.

No documento apresentado pela Virgin Galactic (VG), a ideia é que o capital recebido com a fusão das duas empresas consiga fornecer o suporte necessário que a companhia precisa para comercializar os seus produtos e serviços. A fusão inclui a integração técnica e operacional adquirida ao longo de 15 anos.

Quem é essa tal de VG?

Mesmo sem fazer voos definitivos, a Virgin Galactic já está vendendo passagens por aproximadamente US$ 250 mil. Segundo o que foi informado no comunicado, a companhia possui reservas de mais de 600 pessoas de 60 nações diferentes e já recebeu depósitos de cerca de US$ 80 milhões de dólares.

Criada pelo bilionário Richard Branson, a Virgin tenta ganhar destaque de concorrentes como a SpaceX, do fundador da Tesla, Elon Musk, e da Blue Origin, do fundador da Amazon, Jeff Bezos.

Segundo o que falou o Palihapitiya, "hoje, há 2500 pessoas na fila de espera para se tornar consumidores. Há mais pessoas que querem ir ao espaço do que cadeira para transportá-los", destacou o futuro presidente da nova empresa no comunicado.

Hoje, as ações da Social Capital Hedosophia comandada por Palihapitiya são negociadas na bolsa de valores de Nova Iorque (NYSE). A abertura de capital da empresa ocorreu em setembro de 2017.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

acompanhe

LIVE: Tudo sobre a melhor semana de cripto da história

Vitreo e Empiricus transmitem conversa sobre semana histórica para o investimento em criptomoedas

Recuperação à vista?

EUA pisam fundo na vacinação e economia responde entre fevereiro e abril

Confira os destaques do Livro Bege para o período de imunização acelerada e fortalecimento dos gastos dos consumidores

Crescimento gringo

BofA passa a recomendar compra de ação da MRV, otimista com atuação da empresa nos EUA

Banco incorporou avaliação da AHS à sua análise e considera que potencial de crescimento da empresa ainda não está precificado

Ninguém escapa

Cenário turbulento afeta até mesmo os IPOs da saúde, um dos setores preferidos dos investidores

Empresas com ofertas ambiciosas tiveram de reduzir suas estimativas de preços ou adiar datas para seguir com as operações

Disparada

No embalo do recorde do bitcoin, ações da Coinbase disparam mais de 70% na estreia na Nasdaq

O CEO da empresa, Brian Armstrong, comentou mais cedo sobre a abertura de capital da Coinbase ao portal CNBC

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies