Menu
2019-08-02T20:37:31-03:00
Estadão Conteúdo
Só falta ela

Caixa confirma início de busca por parceiro em maquininhas

Banco público propõe uma joint venture de 20 anos e interessados têm até o dia 12 de agosto para se manifestarem

2 de agosto de 2019
20:37
Fachada da Caixa Economica Federal
Imagem: Shutterstock

A Caixa Econômica Federal anunciou na sexta-feira, 2, o início da procura por um parceiro no setor de maquininhas, conforme antecipou na semana passada a Coluna do Broadcast, no dia 22 de junho. O banco público propõe uma joint venture de 20 anos e interessados têm até o dia 12 de agosto para se manifestarem.

A Caixa é o único grande banco que não tem os pés no mercado de adquirência. Como atrativo para o eventual parceiro, a instituição oferece exclusividade em seu balcão, que conta com 4.170 agências.

Atualmente, a Caixa trabalha com Cielo, do Banco do Brasil e Bradesco, e também a Rede, do Itaú Unibanco. "A Caixa comunica que, em alinhamento com seu plano estratégico e buscando fortalecer sua atuação no mercado de meios de pagamentos eletrônicos, promoverá processo competitivo para a realização de parceria societária em Adquirência", informa o banco, em comunicado ao mercado.

A Caixa esperava iniciar a busca por um parceiro em maquininhas em junho, mas, conforme noticiou a Coluna do Broadcast, em 22 de junho, o processo atrasou devido a trâmites processuais, inclusive, uma consulta junto ao Tribunal de Contas da União (TCU). O envio do convite (RFP, em inglês) aos interessados já era esperado para o final desta semana.

O mercado de maquininhas vive um momento de intensa concorrência e transformação no Brasil com a chegada de novos entrantes. A elevada concorrência levou, inclusive, o BB a avaliar sua participação na líder Cielo, conforme antecipou na quinta-feira a Coluna do Broadcast. Também pesa, de acordo com fonte, uma pressão da equipe econômica do governo de Jair Bolsonaro, que vê a necessidade de diminuir o tamanho dos bancos públicos.

Nesse sentido, o BB trocou seu representante no Conselho de Administração da Cielo, essa semana. Com a renúncia do vice-presidente do BB, Carlos Hamilton, após apenas 175 dias no assento, o colegiado aprovou a indicação do assessor especial do presidente do banco, Mauro Ribeiro Neto.

Ele é considerado especialista em desinvestimentos e direito empresarial e societário, com parte de sua carreira dedicada ao tema.

Ao ser indicado para o colegiado da Cielo, teria uma missão para pensar alternativas para a companhia, que atravessa uma reestruturação nas mãos de Paulo Caffarelli, que chegou na presidência da número um das maquininhas no fim do ano passado, vindo do BB.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

ficou para esta quinta

Para privatizar Eletrobras, governo aceita mais 19 emendas à MP

Por acordo entre os senadores, o texto da MP será votado apenas amanhã, 17, a partir das 10h, e até lá, eles poderão apresentar sugestões de destaques, que podem alterar o teor do parecer

seu dinheiro na sua noite

A Selic subiu mais um pouco – e na próxima reunião tem mais

Esta “Super Quarta” terminou com os bancos centrais brasileiro e americano apertando um pouquinho mais a torneirinha dos juros. A inflação pressiona, aqui e na terra do Tio Sam, e as autoridades monetárias querem mostrar que permanecem vigilantes. O Federal Reserve ainda não elevou propriamente as taxas de juros, que foram mantidas entre zero e […]

Entrevista

Sinais do Copom apontam para Selic a 7% no fim do ano, diz Padovani, do banco BV

Economista-chefe do banco BV, Roberto Padovani destacou o tom mais ríspido do Banco Central e a indicação de que a Selic continuará em alta

MUDANÇA NOS JUROS

COMPARATIVO: Veja o que mudou no novo comunicado do Copom

Veja o que ficou igual e o que mudou no comunicado da decisão do Copom a respeito da taxa Selic, elevada ao patamar de 4,25% ao ano

Subiu de novo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 4,25% ao ano

Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies