Menu
2019-03-28T05:39:16-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado ecoa apelo de Maia

Após nova troca de farpas, presidente da Câmara, Rodrigo Maia, faz apelo e pede para presidente Jair Bolsonaro “parar de criticar”

28 de março de 2019
5:39
Mercado
Tensão começou após Bolsonaro afirmar que Maia está “abalado”

A relação entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o presidente Jair Bolsonaro voltou a ficar tensa ontem, o que deve manter o nervosismo no mercado financeiro hoje. Os dois trocaram farpas desde o fim da tarde e a discussão foi encerrada com um apelo do deputado ao chefe do Executivo: “Pare, chega, peça ao entorno para parar de criticar”. E os investidores tendem a ecoar essas palavras, para evitar uma espiral negativa nos ativos.

Desde o fim da semana passada, a relação entre os dois poderes vinha se deteriorando, o que já pressionava os negócios locais. Ontem, houve novo bate-boca, após Bolsonaro afirmar que Maia estaria “abalado” por questões pessoais - em referência à prisão de seu sogro, o ex-ministro Moreira Franco. O deputado afirmou que “abalados estão os brasileiros” e cutucou dizendo que o presidente estava “brincando de presidir o Brasil”.

Bolsonaro retrucou e Maia fez o apelo. A questão é que durou pouco mais de um dia a promessa do presidente, de que iria manter o foco apenas na reforma da Previdência. A decisão havia sido tomada em reunião com o núcleo político e a equipe econômica, na terça-feira, quando o presidente foi advertido sobre o impacto dos ruídos na comunicação com o Congresso.

A falta de tato do governo para lidar com os parlamentares e a incapacidade em coordenar a articulação política para aprovar a reforma da Previdência ainda neste semestre fizeram o mercado doméstico perder a paciência - e a confiança, em meio ao “apagão político-gerencial” de Bolsonaro. A menos de 100 dias de mandato, o Palácio do Planalto vive uma nova crise e simplesmente não consegue concentrar no que é relevante ao país.

Não desce pro play

Com isso, os ativos locais não tiveram um péssimo desempenho ontem, após o estrago causado pela derrota do governo na Câmara na quarta-feira à noite. O tom ameaçador na fala do ministro Paulo Guedes (Economia), dizendo que “tem vida fora” e nenhum “apego ao cargo”, em nada ajudou a pacificar o ambiente. Ao contrário, serviu para mostrar a estratégia suicida do governo - que será via ameaça ou pela força.

Ao final da sessão, a Bolsa brasileira viu seu principal índice acionário, o Ibovespa, cair 3,5%, abaixo dos 92 mil pontos, enquanto o dólar superou a faixa de R$ 3,95, em alta de mais de 2%. O movimento refletiu a piora no ambiente político em Brasília, após os deputados aprovarem em uma votação-relâmpago de dois turnos, e com mais cerca de 450 votos a favor em cada rodada, o chamado Orçamento Impositivo.

E hoje cabem novos ajustes. Afinal, o fim do mês está chegando - e, de quebra, do primeiro trimestre deste ano - e os investidores precisam adequar suas carteiras de investimento ao cenário político mais desfavorável à votação da reforma da Previdência. Os ativos de risco, é bom lembrar, embutiram no preço uma aprovação das novas regras para aposentadoria ainda neste semestre e com poucas alterações.

Porém, à medida que abril (e o segundo trimestre) se aproxima, esse cronograma parece mais apertado. Da mesma forma, a queda de braço entre os poderes amplia os riscos de desidratação da proposta ampla e dura por uma Nova Previdência. Ainda mais com Guedes e Bolsonaro afirmando que “a bola está com o Congresso” e tirando o time do Executivo do campo, sem jogar junto na disputa por votos entre os parlamentares.

Por isso, qualquer melhora local deve ser pontual e insuficiente para trazer alívio. A sensação é de que não tem espaço para uma retomada mais firme, em meio ao clima político tenso. Afinal, o recado da Câmara foi duro e a derrota escancara a desarticulação política e a falta de liderança do governo, minando as apostas mais otimistas. Ainda mais quando o Palácio do Planalto prefere jogar com interferência externa ou deixar o play.

Exterior no vermelho

O ambiente externo novamente negativo em pouco deve ajudar a aliviar a tensão doméstica, mantendo a pressão nos negócios locais. As principais bolsas asiáticas encerraram a sessão em queda, prejudicadas pelas perdas em Wall Street na véspera. Os índices futuros das bolsas de Nova York seguem no vermelho nesta manhã, contaminando a abertura do pregão europeu.

Novos relatos de que as negociações comerciais entre Estados Unidos e China têm tido progresso “em todas as frentes” são incapazes de animar os mercados. Afinal, ainda não há um cronograma para a assinatura de um acordo final, apesar dos esforços de Pequim para coibir as transferências forçadas de tecnologia. A expectativa, agora, é de que um encontro entre os presidentes Donald Trump e Xi Jinping seja adiado para junho.

Com isso, o foco dos investidores se volta para o mercado de bônus, que antecipa sinais de recessão econômica à frente. O título norte-americano de 10 anos (T-note) é negociado nos níveis mais baixos desde dezembro de 2017, ao passo que o rendimento (yield) do “bund” alemão de mesmo vencimento afunda ainda mais em terreno negativo, fortalecendo a visão de que a Europa está se “Japãonificando” - sem crescimento econômico nem inflação.

Já o bônus australiano segue nas mínimas recordes, enquanto o papel referencial japonês cai ao menor nível desde agosto de 2016. Esse movimento fortalece o dólar em relação às moedas rivais e de países emergentes, ao mesmo tempo em que pesa nas commodities. Entre os destaques, estão a libra, em meio à falta de consenso sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) um dia antes do prazo final. A lira turca também cai forte.

RTI e PIB dos EUA em destaque

A agenda econômica desta quinta-feira traz como destaques o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) do Banco Central, logo cedo (8h), e o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos, às 9h30. Em ambos os casos, porém, não devem haver novidades.

Enquanto o documento do BC, referente ao primeiro trimestre deste ano, devem apenas chancelar o recado trazido na ata da reunião deste mês do Comitê de Política Monetária (Copom), os dados do PIB norte-americano ao final de 2018 devem confirmar a leitura anterior, com uma expansão robusta de 2,5%.

Com isso, as atenções locais se voltam para a entrevista coletiva a ser concedida pelo BC para comentar o documento, a partir das 11h. É esperada a participação do novo comandante da autoridade monetária, Roberto Campos Neto, que falará à imprensa pela primeira vez e pode mandar novos recados.

Após encontrarem as digitais do ex-executivo do Santander na ata da primeira reunião sob seu comando, os investidores querem entender quanto tempo será necessário para o BC avaliar a economia e, então, sinalizar novos cortes na taxa básica de juros. Ao que tudo indica, ele deve reafirmar a necessidade das reformas, notadamente as de natureza fiscal.

Ainda por aqui e também às 8h sai o resultado deste mês do IGP-M, que deve vir ainda mais salgado, com a taxa mensal acima de 1%, acumulada um resultado em 12 meses de mais de 8%. A alta dos preços deve ser conduzida pelos preços no atacado, em meio à pressão do dólar sobre as commodities agrícolas e industriais.

No mesmo horário, sai o índice de confiança do comércio em março. Ontem, as leituras sobre o sentimento do consumidor e no setor da construção civil mostraram um recuo para os menores níveis desde as eleições presidenciais, em outubro passado, já interrompendo a melhora observada na virada do ano, que foi em um ritmo aquém do esperado.

Na zona do euro, também será conhecido o índice de confiança do consumidor na região em março, também logo cedo (7h). Já a agenda econômica norte-americana traz também os pedidos semanais de auxílio-desemprego feitos nos EUA (9h30) e dados do setor imobiliário em fevereiro (11h).

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Tema do momento

Acionista do Carrefour, Abilio Diniz quer que a empresa se torne referência na luta contra o racismo

No evento online, o empresário também falou sobre o futuro do varejo e suas visões positivas para a economia brasileira

BOAS NOTÍCIAS

País tem saldo positivo recorde de vagas formais em outubro

Mercado de trabalho registra a abertura de 394.989 vagas em outubro, de acordo com Caged, superando projeções

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

abrindo os negócios

Ibovespa abre em queda com desentendimento entre Guedes e Campos Neto; dólar e juros sobem com temor fiscal

Embate no seio da equipe econômica deixa investidores cautelosos. Mercados nos Estados Unidos ficam fechados por ocasião do Dia de Ação de Graças

DINHEIRO NO BOLSO

Smiles e Guararapes anunciam pagamento de JCP

Empresa de fidelidade vai pagar R$ 53,9 milhões, enquanto confecção vai repassar R$ 202,5 milhões aos acionistas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies