Menu
2019-07-22T18:23:15-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
De olho na China

Confuso com o setor de proteína animal? JBS e BRF são boas pedidas, diz Itaú BBA

Para os analistas do Itaú BBA, o surto de febre suína que atinge a China tende a abrir boas oportunidades para as empresas do setor de proteína animal — e JBS e BRF podem continuar se beneficiando

22 de julho de 2019
13:26 - atualizado às 18:23
Embalagem de carne bovina
JBS e BRF são apontadas pelo Itaú BBA como potenciais beneficiadas da atual dinâmica do setor de agropecuáriaImagem: Shutterstock

Entre as dez ações do Ibovespa que acumulam os melhores desempenhos desde o início de 2019, há ativos dos mais diferentes setores — siderurgia, construção civil e saneamento são alguns dos representados no top 10. No entanto, há apenas um segmento com dois representantes: o de proteína animal, com JBS ON (JBSS3) e BRF ON (BRFS3).

As ações ON da JBS, inclusive, lideram a ponta positiva do índice, com uma alta de quase de 115% desde o início do ano — BRF ON aparece na nona posição, com ganho de 57% em 2019. Para o Itaú BBA, contudo, não é hora de se desfazer desses papéis. Pelo contrário: a instituição vê amplo espaço para os ativos continuarem se valorizando.

Em amplo relatório, os analistas Antonio Barreto, Gustavo Troyano e Renan Moura discutem o atual momento do setor de agropecuária, focando nas questões relativas ao surto de febre suína africana que atinge os animais da China — e em como o gigante asiático precisará aumentar suas importações em função disso —, à guerra comercial e aos riscos de recessão global, entre outros fatores de incerteza.

Para os analistas, o cenário para os próximos seis meses inclui um aumento nas exportações de carne bovina dos Estados Unidos e do Brasil. "A China já está importando 41% a mais, mas de países que não conseguirão aumentar ainda mais as exportações no segundo semestre", escrevem os especialistas do Itaú BBA.

Além disso, a instituição afirma que as importações chinesas de frango mal começaram — para a equipe liderada por Barreto, o governo de Pequim precisa aumentar as compras de aves numa magnitude entre 29% e 330% em relação aos níveis atuais.

Ações do Ibovespa com melhor desempenho em 2019
Ações do Ibovespa com melhor desempenho em 2019 - Imagem: Seu Dinheiro

"As importações mensais de carne de porco aumentaram em 61% em maio, mas essa taxa deve crescer entre 28% e 87%", escrevem os analistas, afirmando que o Canadá e os Estados Unidos foram os principais fornecedores de suínos — o Brasil tem espaço para contribuir mais.

Em meio às perspectivas de crescimento na demanda por proteína animal por parte do mercado chinês, o Itaú BBA pondera que as empresas desse setor tendem a se beneficiar nos próximos anos. No entanto, a instituição afirma que é essencial que tais companhias reduzam sua alavancagem durante o 'super ciclo' da febre suína africana, que deve durar entre 2019 e 2021.

"Quanto mais forte for o potencial de ganhos desse ciclo, mais potente será a desaceleração que provavelmente irá se suceder", escrevem os analistas. "Por isso, estamos focados no fluxo de caixa do acionista (FCFE) de cada empresa".

Dupla dinâmica

Considerando todos esses fatores, o Itaú BBA destaca duas empresas: a JBS e a BRF. A primeira possui recomendação 'outperform' (acima da média) e é classificada como "a principal escolha" no setor — a instituição ainda elevou o preço-alvo para os papéis ao fim de 2019, de R$ 15,00 para R$ 32,00.

Como resultado, as ações ON da JBS fecharam em alta de 3,97% por volta nesta segunda-feira (22), a R$ 24,85. Assim, em relação à cotação atual, o novo preço-alvo do Itaú BBA representa um potencial de ganhos de mais de 28% em relação ao patamar atual dos ativos.

Quanto à BRF, a instituição elevou a recomendação para as ações de neutro para 'outperform' — é a primeira vez em quatro anos que o Itaú BBA atribui essa classificação aos papéis da empresa. O preço-alvo também subiu, passando de R$ 23,00 para R$ 37,00.

Considerando os ganhos de hoje de BRF ON  — alta de 3,29%, a R$ 34,55 —, a nova meta da instituição implica num espaço de mais de 7% para que as ações continuem avançando.

Barreto, Troyano e Moura ponderam que a BRF possui um potencial maior para ser a principal beneficiada com o surto de febre suína, uma vez que as importações de frango pela China tendem a aumentar em maior escala. Contudo, o Itaú BBA vê um fluxo de caixa ao acionista menos atrativo na BRF.

E as outras empresas?

As demais companhias do setor de proteína animal — Marfrig e Minerva — também foram analisadas pelo Itaú BBA. E a instituição também mostra-se relativamente otimista com as perspectivas para as duas empresas.

Em relação às ações ON da Minerva (BEEF3), os analistas mantiveram a recomendação 'outperform' e o preço-alvo em R$ 11 — um potencial de alta de mais de 28% em relação à cotação atual, de R$ 8,56. "Acreditamos que a Minerva é uma boa opção no segundo semestre, já que irá se beneficiar da aceleração nas exportações de carne do Brasil".

Por fim, a instituição manteve a recomendação para os papéis ON da Marfrig (MRFG3) em neutro, com preço-alvo em R$ 7,00, citando o desempenho financeiro da empresa e afirmando que a companhia segue como "um desafio". As ações fecharam a R$ 6,36, o que implica em espaço limitado para alta.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Problemas no paraíso

Cesp, Engie, AES Brasil e mais: seca reduz brilho de ações do setor de geração hídrica

Com menos água, as empresas geram menos em hidrelétricas, mas não ficam livres de cumprir os contratos de fornecimento de energia

Jabuti do bem?

MP da Eletrobras: contratação de térmicas a gás pode diminuir conta de luz, diz estudo da Abegás

A medida vem sendo criticada pela maioria das elétricas, que alegam que ela vai na contramão da modernização e competitividade do setor

Viagem bilionária

Bilhete dourado: comprador misterioso gasta R$ 1,4 bilhão para ir ao espaço com Jeff Bezos

O turista espacial superou cerca de sete mil ofertas em um leilão beneficente realizado para definir o tripulante da espaçonave New Shepard

Fechamento dos mercados

Vacinação no Brasil volta a fazer preço, e Ibovespa sobe 0,59%, deixando para trás cautela com ‘Super Quarta’; dólar recua mais de 1%

Mercado deve operar em compasso de espera até a próxima quarta-feira, quando os BCs do Brasil e dos Estados Unidos divulgarão as suas decisões de política monetária

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies