Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-02T11:38:07-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
tempo bom

Conglomerado do bilionário Warren Buffett supera expectativa de analistas no terceiro trimestre

Berkshire Hathaway divulgou um lucro operacional de US$ 7,86 bilhões no terceiro trimestre – um salto de 14% em relação ao mesmo período do ano passado

2 de novembro de 2019
11:25 - atualizado às 11:38
Warren Buffett
O bilionário Warren Buffett - Imagem: Shutterstock

A Berkshire Hathaway, do lendário investidor Warren Buffett, tem um motivo para comemorar. O conglomerado do bilionário americano divulgou um lucro operacional de US$ 7,86 bilhões no terceiro trimestre, cifra que representa um salto de 14% em relação ao mesmo período do ano passado e um recorde a empresa.

O lucro operacional por ação classe A corresponde a US$ 4,816 mil. Mas analistas do mercado esperavam, em média, que a cifra ficasse em US$ 4.405,16 por papel. Na sexta, os ativos da Berkshire terminaram o dia cotados a US$ 323,4 mil. Veja como foi o dia dos mercados.

O conglomerado do bilionário Warren Buffett informou ainda, em documento divulgado ao mercado, que encerrou setembro com um recorde de US$ 128,2 bilhões em caixa, mesmo com a recompra de US$ 700 milhões em ações no trimestre realizada pela empresa. Apesar dos bons resultados mencionados, o lucro líquido caiu 11%, para US$ 16,52 bilhões.

Conglomerado bilionário

Com sede em Omaha, Nebraska, nos Estados Unidos, a Berkshire opera mais de 90 empresas, incluindo a seguradora Geico, a companhia ferroviária BNSF e a rede de sorvetes Dairy Queen. A companhia vale hoje cerca de US$ 500 bilhões na Bolsa de Nova York.

Nos seus primeiros 40 anos, a empresa do bilionário Warren Buffett investiu fortemente em negócios de seguros, mas de 2007 para cá passou a adquirir uma sucessão de grandes companhias industriais. Desembolsou mais de US$ 100 bilhões por cerca de 160 companhias nesse período.

A empresa pagou dividendos pela primeira vez em sua história em 1967 (US$ 0,10 por ação). Foi também a última vez em que isso aconteceu. Em todos os outros anos, o bilionário Warren Buffett garantiu que conseguiria investir melhor o lucro da Berkshire do que seus acionistas, se eles aplicassem os dividendos.

Para honrar com esse compromisso, o megainvestidor americano está sempre atrás de aquisições parrudas - que nem sempre dão certo.

Em 2017, por exemplo, a Berkshire não conseguiu concluir as negociações para a compra de uma empresa elétrica no Texas, assim como se frustrou com os planos da aquisição da Unilever pela Kraft Heinz, gigante de alimentos que tem a empresa de Buffett e o fundo 3G, do brasileiro Jorge Paulo Lemann, como acionistas.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies