Menu
2019-10-14T14:32:14-03:00
atento ao PIB

Recuperação da economia permaneceu gradual no 1º semestre de 2019, diz BC

BC afirmou que o mercado financeiro “permanece apreensivo em relação a atrasos ou interrupções na aprovação da reforma da Previdência no Senado”

10 de outubro de 2019
12:07 - atualizado às 14:32
roberto campos neto
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. - Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Banco Central avaliou nesta quinta-feira (10) por meio do Relatório de Estabilidade Financeira (REF), que "o ritmo de recuperação da economia brasileira permaneceu gradual no primeiro semestre de 2019". Em função disso, "o índice de utilização da capacidade de produção da indústria seguiu baixo, com leve redução na taxa de desocupação".

Conforme o BC, o financiamento amplo às empresas não financeiras no Brasil avançou no primeiro semestre de 2019 em ritmo semelhante ao visto no segundo semestre de 2018. "O recuo no crédito bancário foi compensado pelo expressivo aumento do financiamento via mercado de capitais", pontuou o BC. "O crédito às famílias, por sua vez, foi pouco afetado pelo desempenho da economia e manteve a tendência de aceleração apresentada nos semestres anteriores", acrescentou.

Reformas

O Banco Central afirmou que o mercado financeiro "permanece apreensivo em relação a atrasos ou interrupções na aprovação da reforma da Previdência no Senado, mas a aprovação na Câmara Federal atenuou o nível de preocupação que vigorava anteriormente".

A reforma da Previdência ainda depende de votação em segundo turno no plenário do Senado.

Ao tratar dos riscos ao sistema financeiro, o BC afirmou que não houve alterações relevantes no cenário. "A dívida bruta do governo e o persistente aumento dos ativos problemáticos na carteira às grandes empresas continuam sendo os principais pontos de atenção", disse o BC no REF, que trata do cenário visto no primeiro semestre deste ano.

"O mercado reduziu sua preocupação com os riscos político-fiscais - embora ainda os considere a maior fonte de vulnerabilidade para a estabilidade financeira -, mas aumentou a apreensão com o cenário externo. As instituições permanecem confiantes na capacidade de o sistema financeiro absorver choques adversos", acrescentou o BC.

Ao tratar do exterior, o BC citou elevação do risco, "em razão da tensão comercial entre Estados Unidos da América (EUA) e China".

Crédito imobiliário

O Relatório de Estabilidade Financeira considera que, em um cenário no qual a Selic tende a permanecer nas mínimas históricas, a poupança se mantém como um instrumento competitivo de captação, possibilitando o aumento nas concessões do crédito imobiliário.

O BC lembra, porém, que enquanto os depósitos da poupança representam um passivo de curtíssimo prazo para as instituições financeiras, as operações de crédito para imóveis têm prazos mais longos. Além disso, devido ao mercado secundário pouco desenvolvido no setor, esses ativos são desprovidos de liquidez.

"Esse descasamento entre ativos e passivos precisa ser gerenciado pelas instituições e pode tornar-se fonte de instabilidade para o sistema em uma eventual conjuntura de estresse caracterizada por resgates líquidos persistentes dos depósitos de poupança, em especial se aliada a um ciclo de elevação da taxa Selic", afirma o documento.

Segundo o BC, em uma reversão de cenário dessa natureza, os bancos precisariam captar recursos a custos mais elevados, comprimindo a margem financeira a ponto de colocar em risco a sustentabilidade do mercado de crédito imobiliário.

"Dados esses possíveis desdobramentos, o montante recolhido compulsoriamente no BC assume o papel de um colchão de liquidez, podendo ser liberado de forma a reduzir, naquele momento, os efeitos do choque de captação do sistema, contribuindo para o gerenciamento do descasamento entre ativos e passivos do crédito imobiliário", completa o relatório.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

promessa

Se aparecer uma terceira vaga no STF, Augusto Aras entra fortemente, diz Bolsonaro

Segundo o presidente, o atual procurador-geral da República não deve ser indicado para nenhuma das duas vagas que serão abertas

de olho na crise

Senado aprova linha de crédito para profissionais liberais

Medida serve para reduzir os impactos financeiros do setor na pandemia

efeitos da pandemia

França e Itália têm queda de 5,3% do PIB no primeiro trimestre

Retração da ambas as economias evidenciam os impactos da crise do novo coronavírus

de olho no balanço

Hering e Marisa divulgam resultados do trimestre; confira

Hering registrou lucro líquido de R$ 5,043 milhões; Marisa, por outro lado, registrou prejuízo líquido de R$ 107,1 milhões; veja outros números

tentativa de esfriar os ânimos

Alcolumbre se reúne com Bolsonaro e prega ‘pacificação’

Reunião ocorreu horas após o Bolsonaro ameaçar descumprir decisões do Supremo

Exclusivo SD Premium

O erro de Michael Jordan – ­ e uma carteira de fundos imobiliários com um clique

O que me parece fazer mais sentido agora é buscar uma boa dose de diversificação e, na atual conjuntura, um belo fundo de fundos imobiliários (famosos FoFs) é uma opção bastante adequada

Sextou com o Ruy

Davi vs Golias: as vantagens de ser um pequeno investidor

Você, investidor comum, possui uma enorme vantagem contra os fundos de investimento bilionários na hora de encontrar as melhores oportunidades de investimento em ações

Dados atualizados

Brasil tem 26.764 mil mortes por coronavírus; casos superam 438 mil

Nas últimas 24 horas, segundo o levantamento do portal G1, houve 1.156 novas mortes causadas pelo coronavírus

ajuste tarifário

Arsesp reduz em 12,1% tarifas de gás natural para clientes industriais da Comgás

O principal fator que provocou a queda das tarifas de gás foi a diminuição dos custos da molécula e do transporte, atrelados ao preço do petróleo e à variação da taxa de câmbio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements