Menu
2019-08-12T09:36:25-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Gradual demais

Indicador de atividade cai no trimestre, fortalecendo corte de 0,5 ponto na Selic

Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) sobe acima do previsto em junho, mas cai 0,13% no segundo trimestre

12 de agosto de 2019
9:36
Setas-abaixo-acima
Imagem: Shutterstock

A atividade econômica na métrica do Banco Central (BC) surpreendeu para cima na passagem de maio para junho, mas olhando a variação trimestral, o IBC-Br teve queda de 0,13%, no segundo trimestre contra o primeiro. Resultado que ajuda a reforçar as apostas de um novo corte de meio ponto na Selic, no próximo encontro do Comitê de Política Monetária (Copom).

No lado dos nossos investimentos, como já escrevemos, acabou a mamata do juro, o tal 1% ao mês vai exigir tomada de risco e sofisticação dos investimentos. Fica a aqui a dica de leitura da matéria da Julia Wiltgen sobre o que fazer com a Selic voltando a cair. Também deixo como sugestão o nosso e-book gratuito sobre perspectivas de investimento no segundo semestre. No fim da matéria estão dois links com dicas de investimentos para investidores conservadores e arrojados.

De volta aos números do IBC-Br, o indicador teve alta de 0,3% na passagem de maio para junho, acima dos 0,10% estimados pelos analistas ouvidos pelo “Projeções Broadcast”. O resultado de maio foi revisado de 0,54% para 1,01%.

Como o indicador sofre revisões constantes, a leitura em 12 meses é mais estável e mostra crescimento de 1,08%. No ano até junho, o IBC-Br tem variação positiva de 0,62%. Na comparação trimestre contra igual trimestre do ano anterior, há uma alta de 0,85%.

A leitura trimestral negativa do IBC-Br pode trazer de volta discussões sobre a possibilidade vermos uma recessão técnica, caracterizada por dois trimestres seguidos de variação negativa do Produto Interno Bruto (PIB).

No primeiro trimestre, a economia encolheu 0,2%. No fim do mês, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apresenta os dados e há diferenças metodológicas com relação ao indicador do BC que podem garantir um resultado positivo.

E a Selic?

Atividade em lenta retomada e inflação e expectativas na meta, alimentam as expectativas de novos cortes na Selic, atualmente fixada em 6% ao ano. O Copom volta a se encontrar em 18 de setembro e as projeções devem se concentrar em torno de um novo corte de meio ponto.

O boletim Focus divulgado nesta manhã estima Selic de 5% no fim de 2019, contra 5,25% há uma semana. Para 2020, foi mantida a avaliação de juro básico em 5,5%.

Na semana passada, o presidente Roberto Campos Neto reforçou a mensagem de há espaço para ajuste adicional dos juros, como dito na última reunião do Copom, mas que a tomada de decisão depende, naturalmente, da evolução do cenário até as próximas reuniões.

O que está mudando é o lado externo, onde o aumento das tensões entre EUA e China pressiona os mercados e a cotação do dólar. Nesta segunda-feira, o dólar abriu sob forte pressão compradora e logo testou a linha dos R$ 4.

Também no radar dos investidores, as perspectivas com relação às eleições da Argentina, onde o candidato à reeleição, Mauricio Macri, perdeu as prévias eleitorais para o Alberto Fernández, que tem Cristina Kirchner como vice.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

QUESTIONAMENTOS

Frente parlamentar aciona STF para suspender reforma administrativa

A Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) para pedir a suspensão imediata da tramitação da reforma administrativa. No mandado de segurança, deputados e senadores argumentam que não é possível analisar a proposta por falta de informações técnicas. Segundo os parlamentares, a imposição de sigilo nos documentos que […]

BALANÇO

BC informa que 50 milhões de chaves já foram cadastradas no Pix

O Pix é um sistema que permitirá pagamentos e transferências 24 horas por dia, 7 dias por semana, todos os dias do ano.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Esse tal de BDR

O mercado financeiro adora usar termos e siglas em inglês, talvez para tornar a coisa mais difícil do que realmente é. Nos últimos dias você já deve ter lido, inclusive aqui no Seu Dinheiro, sobre um tal de BDR. As três letras vêm de Brazilian Depositary Receipts. O quê? Calma, nós chegamos lá. O BDR é […]

As queridinhas

Tesla, Apple e Mercado Livre são os BDRs mais negociados no 1º dia de mercado aberto a todos os investidores

Empresas de tecnologia dominaram o primeiro dia de negociações liberadas a qualquer investidor, que teve volume superior à média

embalou

Ibovespa fica perto dos 102 mil pontos com disparada dos bancos e alta em NY; dólar cai abaixo do R$ 5,60

Papéis de Itaú, Banco do Brasil e Bradesco terminam sessão entre as cinco maiores altas do índice, que fechou perto da máxima; moeda americana recua 0,36% e juros sobem em dia de leilão do Tesouro e à espera de novidades fiscais. Lá fora, expectativa para estímulos alivia bolsas americanas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies