Menu
2019-04-04T13:42:23-03:00
Estadão Conteúdo
Com variação do dólar

Gastos de brasileiros no exterior caem 19%, segundo Banco Central

Resultado reflete as despesas de brasileiros em outros países em janeiro, já descontadas os gastos de estrangeiros em viagem ao Brasil

26 de fevereiro de 2019
7:19 - atualizado às 13:42
Notas de dólares
Notas de dólares - Imagem: Shutterstock

A alta do dólar ante o real nos últimos meses continua segurando as despesas de brasileiros no exterior. Dados do Banco Central, divulgados nessa segunda-feira, 25, mostraram que os gastos líquidos com viagens em outros países foram de US$ 986 milhões em janeiro deste ano.

O montante é 19% inferior ao registrado em janeiro do ano passado.

Este resultado reflete as despesas de brasileiros em outros países em janeiro, já descontadas os gastos de estrangeiros em viagem ao Brasil. De acordo com o chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, o câmbio explica o desempenho mais recente da conta de viagens internacionais.

“Em janeiro de 2019, tivemos taxa média de câmbio de R$ 3,74. Em janeiro de 2018, de R$ 3,22. Isso significa uma desvalorização cambial de 16%”, pontuou, durante apresentação dos dados a jornalistas.

Na prática, com um dólar mais caro ante o real, os brasileiros estão pensando duas vezes antes de viajar ao exterior.

No ano passado, a conta de viagens internacionais do balanço de pagamentos ficou negativa em US$ 12,3 bilhões.

Para 2019, a projeção é de gastos líquidos de US$ 17,0 bilhões - o aumento esperado é justificado, em grande parte, pela perspectiva de crescimento maior da economia e da renda este ano. Os dados mais recentes do BC mostram que em fevereiro, até o dia 21, as despesas líquidas dos brasileiros com viagens a outros países somam US$ 590 milhões.

Conta corrente

Os dados do BC mostraram ainda que, em janeiro, o País registrou déficit de US$ 6,548 bilhões em transações correntes. O número reflete a relação entre o Brasil e os outros países nas áreas comercial (exportação menos importação), de serviços e de rendas.

Rocha pontuou que o saldo negativo foi apenas 4% superior ao déficit de US$ 6,239 bilhões em janeiro de 2018. "Manteve-se o déficit em níveis baixos, como já estamos observando há algum tempo", afirmou. No acumulado de 12 meses até janeiro, o déficit em conta corrente atingiu 0,78% do Produto Interno Bruto (PIB).

Já o Investimento Direto no País (IDP), que reflete os aportes de estrangeiros no setor produtivo, somou US$ 5,87 bilhões em janeiro. O resultado ficou acima do esperado pelo próprio BC, que previa 4,3 bilhões, em função de empréstimos intercompanhias registrados no fim do mês.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

demandas em meio à crise

Concessões no crédito livre sobem 0,5% em agosto, revela BC

Em agosto, no crédito para pessoas físicas, as concessões subiram 2,1%, para R$ 153,3 bilhões. Em 12 meses até agosto, há alta de 3,0%.

análise

Duratex pode subir 22%, diz Goldman Sachs: ‘Melhor trimestre em 10 anos’

Analistas do banco veem alta demanda em todas as áreas de atuação da empresa, impulsionada pela retomada do mercado imobiliário no País; ação sobe 6% nesta segunda

EXILE ON WALL STREET

TINWO: carta a um jovem investidor

Investimento tem seu próprio momento de maturação; para amadurecê-lo, não há como apressar sua seiva

K-POP NA BOLSA

Agência de K-pop Big Hit faz oferta de ações na bolsa e deixa membros do BTS multimilionários

A companhia, que captou mais de US$ 820 milhões e fará a sua estreia no índice KOSPI em outubro, pretende pegar carona na popularidade crescente de suas estrelas

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta segunda-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements