Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-04T13:42:23-03:00
Estadão Conteúdo
Com variação do dólar

Gastos de brasileiros no exterior caem 19%, segundo Banco Central

Resultado reflete as despesas de brasileiros em outros países em janeiro, já descontadas os gastos de estrangeiros em viagem ao Brasil

26 de fevereiro de 2019
7:19 - atualizado às 13:42
Notas de dólares
Notas de dólares - Imagem: Shutterstock

A alta do dólar ante o real nos últimos meses continua segurando as despesas de brasileiros no exterior. Dados do Banco Central, divulgados nessa segunda-feira, 25, mostraram que os gastos líquidos com viagens em outros países foram de US$ 986 milhões em janeiro deste ano.

O montante é 19% inferior ao registrado em janeiro do ano passado.

Este resultado reflete as despesas de brasileiros em outros países em janeiro, já descontadas os gastos de estrangeiros em viagem ao Brasil. De acordo com o chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, o câmbio explica o desempenho mais recente da conta de viagens internacionais.

“Em janeiro de 2019, tivemos taxa média de câmbio de R$ 3,74. Em janeiro de 2018, de R$ 3,22. Isso significa uma desvalorização cambial de 16%”, pontuou, durante apresentação dos dados a jornalistas.

Na prática, com um dólar mais caro ante o real, os brasileiros estão pensando duas vezes antes de viajar ao exterior.

No ano passado, a conta de viagens internacionais do balanço de pagamentos ficou negativa em US$ 12,3 bilhões.

Para 2019, a projeção é de gastos líquidos de US$ 17,0 bilhões - o aumento esperado é justificado, em grande parte, pela perspectiva de crescimento maior da economia e da renda este ano. Os dados mais recentes do BC mostram que em fevereiro, até o dia 21, as despesas líquidas dos brasileiros com viagens a outros países somam US$ 590 milhões.

Conta corrente

Os dados do BC mostraram ainda que, em janeiro, o País registrou déficit de US$ 6,548 bilhões em transações correntes. O número reflete a relação entre o Brasil e os outros países nas áreas comercial (exportação menos importação), de serviços e de rendas.

Rocha pontuou que o saldo negativo foi apenas 4% superior ao déficit de US$ 6,239 bilhões em janeiro de 2018. "Manteve-se o déficit em níveis baixos, como já estamos observando há algum tempo", afirmou. No acumulado de 12 meses até janeiro, o déficit em conta corrente atingiu 0,78% do Produto Interno Bruto (PIB).

Já o Investimento Direto no País (IDP), que reflete os aportes de estrangeiros no setor produtivo, somou US$ 5,87 bilhões em janeiro. O resultado ficou acima do esperado pelo próprio BC, que previa 4,3 bilhões, em função de empréstimos intercompanhias registrados no fim do mês.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

De onde vem o dinheiro?

Governo confirma Auxílio Brasil em R$ 400, mas sem revelar de onde vai tirar o dinheiro para bancar o benefício

O ministro da Cidadania não respondeu às perguntas da imprensa nem confirmou a fonte de renda para o novo programa social, o que é a grande preocupação dos mercados

O que vem depois da lua?

Depois do recorde: até onde vai a alta do bitcoin? Especialista em criptomoedas responde

Depois da aprovação do primeiro ETF em criptomoedas, o bitcoin (BTC) não para de subir e as estimativas são otimistas — mas os EUA podem mudar o jogo

Analistas respondem

Ações da Vale aprofundam queda com sinais ruins do relatório de produção e vendas no 3º trimestre. Hora de comprar VALE3?

Analistas apontam que, enquanto a produção foi sólida, a venda de minério de ferro veio abaixo do esperado até pelas estimativas mais conservadoras

Puxando os ETFS

Chove bitcoin, molha ETF: fundos de índice brasileiros sobem até 19% em dia de recorde do BTC

Enquanto o primeiro ETF de criptomoeda dos Estados Unidos avança tímidos 3%, na B3, o avanço é de até 19,78%

Cabo de guerra

Sem explicar origem da verba, Bolsonaro confirma Auxílio Brasil em R$ 400 e promete respeitar teto de gastos

Apesar da promessa do presidente, o governo flerta com a flexibilização do teto para conseguir arcar com o valor do benefício

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies